PE­TE DUF­FI­ELD

ILUS­TRA­DOR DE BRIGHTON, REI­NO UNI­DO

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Comportamento -

Co­mo vo­cê co­me­çou a de­se­nhar as his­tó­ri­as da sua fa­mí­lia?

Co­mo já era ilus­tra­dor, de­se­nhar Kel­lie foi al­go bem na­tu­ral. Em um de nos­sos pri­mei­ros en­con­tros, ela des­co­briu com o que eu tra­ba­lha­va e me pe­diu pa­ra de­se­nhá-la. Foi aí que co­me­çou.

En­tão, cri­ar um qua­dri­nho não era sua ideia ini­ci­al?

Sur­giu por aca­so. A co­le­ção de de­se­nhos foi fi­can­do mai­or aos pou­cos, por­que é re­al­men­te di­ver­ti­do do­cu­men­tar coi­sas bo­bas que di­ze­mos ou fa­ze­mos. Fui es­cre­ven­do uma lis­ta de idei­as no ce­lu­lar à me­di­da que si­tu­a­ções en­gra­ça­das iam acon­te­cen­do com a gen­te e, no co­me­ço, con­fes­so que usa­va os de­se­nhos pa­ra ten­tar im­pres­si­o­ná-la. Cos­tu­ma­va de­se­nhar to­das as noi­tes, ti­rar uma fo­to e man­dar pa­ra ela. Não ha­via a in­ten­ção de co­lo­cá-los nas re­des so­ci­ais ain­da. Mui­tos, in­clu­si­ve, nun­ca fo­ram di­vul­ga­dos, co­mo os que fiz du­ran­te nos­sa lua de mel.

É di­fí­cil achar idei­as pa­ra os de­se­nhos?

Eu já fiz umas 700 ilus­tra­ções pa­ra ela até ago­ra (e mais de 350 fo­ram com­par­ti­lha­das no Ins­ta­gram). En­tão, vo­cê já de­ve ima­gi­nar, não é di­fí­cil cri­ar no­vos de­se­nhos. Mi- nha lis­ta de acon­te­ci­men­tos en­gra­ça­dos ou me­mo­rá­veis es­tá sem­pre cres­cen­do. A vi­da é as­sim: cheia de si­tu­a­ções que que­ro cap­tu­rar – es­pe­ci­al­men­te quan­do se tem uma cri­an­ça.

Quais são su­as ilus­tra­ções fa­vo­ri­tas?

As nos­sas fa­vo­ri­tas, e as mais po­pu­la­res, são as que es­ta­mos na ca­ma di­zen­do ou fa­zen­do bo­ba­gens. As pes­so­as pa­re­cem se iden­ti­fi­car com elas. Tam­bém gos­ta­mos bas­tan­te da­que­las que cap­tu­ram mo­men­tos im­por­tan­tes da vi­da – co­mo o nas­ci­men­to e os pri­mei­ros pas­sos de Poppy.

E os de­se­nhos que nun­ca fo­ram pu­bli­ca­dos?

Há de­fi­ni­ti­va­men­te al­guns que não com­par­ti­lha­mos. Nos­sa vi­da se­xu­al nun­ca é dis­cu­ti­da nos de­se­nhos e a Kel­lie, nun­ca vis­ta nua. Nu­dez só é fei­ta co­mi­ca­men­te, de um jei­to ino­cen­te.

O que es­tá por vir?

Te­mos mui­tas idei­as! Va­mos ven­der ima­gens em bre­ve pe­la pri­mei­ra vez e, se for um su­ces­so, va­mos fa­zer tam­bém car­tões co­me­mo­ra­ti­vos. No fi­nal do ano, pre­ten­de­mos abrir uma cam­pa­nha no Kicks­tar­ter, si­te de fi­nan­ci­a­men­to co­le­ti­vo, pa­ra pu­bli­car um li­vro com as ilus­tra­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.