Cons­tru­ção ci­vil em Mi­nas Ge­rais dá si­nais de me­lho­ra

Pe­la pri­mei­ra vez em três anos, ín­di­ce de ati­vi­da­de do se­tor apre­sen­tou cres­ci­men­to pe­lo se­gun­do mês se­gui­do, mas pre­vi­são de re­to­ma­da de in­ves­ti­men­tos de­ve fi­car ape­nas pa­ra 2018

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Foco - PE­DRO NASCIMENTO

For­te­men­te aba­la­do pe­los es­cân­da­los da po­lí­ti­ca e as re­vi­ra­vol­tas na eco­no­mia, a cons­tru­ção ci­vil mi­nei­ra pa­re­ce, aos pou­cos, ter co­me­ça­do a re­en­con­trar o ca­mi­nho da re­cu­pe­ra­ção. Cres­ci­men­to mes­mo, tal­vez em 2018. Mas de pon­to em pon­to, o se­tor vai re­to­man­do a con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res e con­tra­tan­do mais tra­ba­lha­do­res.

Uma pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­lo Sin­dus­con-MG (Sin­di­ca­to da In­dús­tria da Cons­tru­ção Ci­vil no Es­ta­do de Mi­nas Ge­rais) apon­tou que após um lon­go pe­río­do, o ín­di­ce de ati­vi­da­de da In­dús­tria da Cons­tru­ção de Mi­nas Ge­rais apre­sen­tou me­lho­ra pe­lo se­gun­do mês se­gui­do, re­gis­tran­do 41,6 pon­tos em ju­lho en­quan­to, em ju­nho, fo­ram 40,6 pon­tos. Em­bo­ra con­ti­nue de­mons­tran­do que­da na ati­vi­da­de do se­tor – va­lo­res abai­xo dos 50 pon­tos in­di­cam re­tra­ção – o in­di­ca­dor apre­sen­ta uma al­ta de 8,4 pon­tos en­tre ja­nei­ro e ju­lho des­te ano.

“Pe­la pes­qui­sa, po­de­mos per­ce­ber que a si­tu­a­ção econô­mi­ca es­tá se con­so­li­dan­do, ain­da que apre­sen­te re­sul­ta­do ne­ga­ti­vos”, ex­pli­ca o eco­no­mis­ta e co­or­de­na­dor sin­di­cal do Sin­dus­con-MG, Da­ni­el Fur­let­ti. Se­gun­do ele, fa­to­res co­mo o des­co­la­men­to da eco­no­mia aos cons­tan­tes es­cân­da­los po­lí­ti­cos con­tri­buí- ram pa­ra a pe­que­na re­ver­são apre­sen­ta­da pe­lo se­tor. “Em 2015 e 2016, sem­pre que era re­ve­la­do al­gum es­cân­da­lo, a bol­sa des­pen­ca­va, os mer­ca­dos en­tra­vam em cri­se. Ho­je a gen­te vê que não é mais as­sim. A eco­no­mia co­mo um to­do con­se­guiu se des­co­lar des­ses pro­ble­mas, e se­gue ago­ra um ru­mo de cres­ci­men­to”, cons­ta­ta o eco­no­mis­ta, que tam­bém ci­tou a bai­xa na ta­xa de ju­ros co­mo in­fluên­cia.

No en­tan­to, o se­tor ain­da es­bar­ra em al­guns pro­ble­mas qu­an­do o as­sun­to é cres­ci­men­to. “Pri­mei­ro é preciso res­ga­tar a con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res. E é is­so que es­tá se for­man­do, aos pou­cos. Qu­an­do ou­tros se­to­res es­ti­ve­rem mais seg­men­ta­dos, apre­sen­tan­do re­sul­ta­dos con­tí­nu­os e ver­da­dei­ra­men­te po­si­ti­vos, aí a cons­tru­ção ci­vil po­de­rá ir jun­to. Pa­ra se fa­zer uma obra viá­ria, é preciso da cons­tru­ção. Es­co­las, hos­pi­tais, e ou­tros em­pre­en­di­men­tos tam­bém. En­tão qu­al­quer in­ves­ti­men­to nes­ses se­to- res é um re­fle­xo po­si­ti­vo na cons­tru­ção ci­vil”, diz Da­ni­el.

Ain­da con­for­me a pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­lo Sin­dus­con-MG, em li­nha com a pers­pec­ti­va de me­lho­ra da ati­vi­da­de do se­tor, o ín­di­ce de ex­pec­ta­ti­vas de com­pras de in­su­mos e ma­té­ri­as-pri­mas in­ter­rom­peu uma tra­je­tó­ria de dois me­ses de re­tra­ção e au­men­tou 4,7 pon­tos fren­te a ju­lho ( 41,0 pon­tos), re­gis­tran­do 45,7 pon­tos em agos­to. Ain­da que con­ti­nue apon­tan­do re­du­ção na com­pra de in­su­mos e ma­té­ri­as-pri­mas, o in­di­ca­dor foi o me­lhor pa­ra o mês dos úl­ti­mos três anos. “Tra­ba­lha­mos com a ideia de que 2017 se­rá me­lhor do que 2016, e pi­or do que 2018”, ava­lia.

Pos­tos de tra­ba­lho

Da­dos do Ca­ged ( Ca­das­tro Ge­ral de Em­pre­ga­dos e De­sem­pre­ga­dos) di­vul­ga­dos no úl­ti­mo dia 21 mos­tram que fo­ram cri­a­das 658 no­vas va­gas de em­pre­go no se­tor no mês de agos­to em Mi­nas Ge­rais. O que ain­da é pou­co fren­te ao sal­do de 16 mil de­mis­sões no ano, mas que re­pre­sen­ta um si­nal de me­lho­ra. “São pas­sos len­tos, é ver­da­de, mas são pas­sos só­li­dos”, com­pa­ra Da­ni­el.

| BRE­NO PATARO/PBH

Em Be­lo Ho­ri­zon­te, se­tor ain­da não se re­cu­pe­rou da úlit­ma cri­se, mas mos­tra in­dí­ci­os de me­lho­ra pa­ra o pró­xi­mo ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.