Jor­na­lis­ta re­la­ta em li­vro sua lu­ta con­tra o cân­cer

Em tom de diá­rio, Da­ni­el­la Zu­po mes­cla po­e­sia e crô­ni­ca li­te­rá­ria pa­ra fa­lar de co­mo su­pe­rou a do­en­ça

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Cultura -

Lu­tar con­tra o cân­cer de ma­ma é pre­des­ti­na­ção pa­ra uma em ca­da qua­tro mu­lhe­res no mun­do. Em 2015, du­ran­te um exa­me de ro­ti­na, a jor­na­lis­ta Da­ni­el­la Zu­po des­co­briu por aca­so que es­sa re­a­li­da­de fa­zia par­te da sua vi­da. Ela ti­nha 42 anos, era sau­dá­vel e não ti­nha his­tó­ri­co da do­en­ça na fa­mí­lia, po­rém apren­deu na prá­ti­ca que cân­cer não tem ida­de, lo­cal ou ho­rá­rio – mas po­de ter cu­ra.

Ao lon­go de dois anos de tra­ta­men­to, a mi­nei­ra cri­ou uma web­sé­rie do­cu­men­tal re­la­tan­do os prin­ci­pais de­sa­fi­os de sua ba­ta­lha con­tra a do­en­ça. A in­ci­a­ti­va ge­rou boa re­per­cus­são e a lu­ta de Zu­po ago­ra tam­bém é re­la­ta­da no li­vro “Ama­nhã Ho­je é On­tem”(Edi­to­ra Ra­ma­lhe­te; 136 pá­gi­nas; R$ 35).

Lan­ça­da na úl­ti­ma se­ma­na, a obra foi es­cri­ta com tin­tas de diá­rio, crô­ni­ca e po­e­sia, e nar­ra a jor­na­da da au­to­ra pa­ra ven­cer o so­fri­men­to e o me­do cau­sa­dos pe­lo cân­cer.

“O que eu apren­di é que não se tra­ta ape­nas de ven­cer a do­en­ça. [Des­co­brir o cân­cer] foi pa­ra mim co­mo se a vi­da me des­se uma lu­pa e eu po­des­se ver tu­do de per­to. Ti­ve que fa­zer uma re­de­fi­ni­ção to­tal de tu­do, das mi­nhas pri­o­ri­da­des, des­co­brir a ver­da­de dos meus afe­tos, dos meus ami­gos. Apren­di a dar va­lor pa­ra as coi­sa que ti­nha dei­xa­do de la­do. Tu­do ga­nhou ur­gên­cia. Ser fe­liz ga­nhou ur­gên­cia”, co­men­ta.

Sem pre­ten­são de es­cre­ver uma obra de su­pe­ra­ção ou de mos­trar so­men­te o la­do po­si­ti­vo em ven­cer a do­en­ça, Zu­po com­pa­ra sua ba­ta­lha com um mo­men­to trans­for­ma­ti­vo. “Ė uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to do­lo­ro­sa, mui­to di­fí­cil. Eu não mi­ni­mi­zo is­so em mo­men­to al­gum, mas aca­ba sen­do um ex­pe­ri­ên­cia de trans­for­ma­ção, de au­to­co­nhe­ci­men­to in­crí­vel que eu não ima­gi­na­va que pu­des­se exis­tir”.

No li­vro, as­sim co­mo na web­sé­rie, Zu­po re­ve­la de for­ma co­ra­jo­sa, flui­da e sem au­to­pi­e­da­de, di­fe­ren­tes es­tá­gi­os da sua his­tó­ria. “As­sim co­mo o tí­tu­lo su­ge­re, a ideia é fa­lar que tu­do é pas­sa­gei­ro. Ama­nha ho­je é on­tem. Tu­do es­tá co­nec­ta­do. E tu­do vai pas­sar. Es­se sen­ti­men­to é fundamental pa­ra quem vi­ve um di­ag­nós­ti­co de cân­cer, mas tam­bém ser­ve de li­ção pa­ra es­sa im­per­ma­nên­cia do exis­tir. Tu­do que é di­fí­cil e do­lo­ro­so pas­sa, mas o que é ma­ra­vi­lho­so tam­bém pas­sa. A li­ção que fi­ca en­tão é sim­ple: que a gen­te si­ga vi­ven­do”, fi­na­li­za.

| MARIANA BO­TE­LHO/DIVULGAÇÃO

Du­ran­te tra­ta­men­to, au­to­ra pro­du­ziu uma web­sé­rie homô­ni­ma so­bre sua jor­na­da

‘AMA­NHÃ HO­JE É ON­TEM’ DA­NI­EL­LA ZU­PO ED. RA­MA­LHE­TE, R$ 35

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.