Nas­cen­tes de BH têm água de boa qua­li­da­de

Es­tu­do apon­ta que 90% das mais de mil fon­tes hí­dri­cas en­con­tra­das na ca­pi­tal pro­du­zem água lim­pa, mas que não são, ne­ces­sa­ri­a­men­te, in­di­ca­das pa­ra con­su­mo humano. Pre­fei­tu­ra es­tu­da ma­nei­ra de pre­ser­vá-las

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Foco -

O am­bi­en­te ur­ba­no de Belo Ho­ri­zon­te vai mui­to além do as­fal­to e do con­cre­to; os ele­men­tos na­tu­rais es­tão mais pre­sen­tes na ci­da­de do que ima­gi­na­mos. Uma pes­qui­sa re­cen­te re­a­li­za­da pe­la Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Meio Am­bi­en­te da PBH com­pro­vou is­so: a ca­pi­tal con­ta com mais de mil nas­cen­tes no in­te­ri­or de seu pe­rí­me­tro ur­ba­no. Sur­pre­en­den­te­men­te, 90% de­las apre­sen­tam boa qua­li­da­de de água.

O prin­ci­pal ob­je­ti­vo do le­van­ta­men­to de da­dos des­sas fon­tes de água é a ne­ces­si­da­de de pro­te­gê-las. Após lo­ca­li­zar e re­gis­trar as nas­cen­tes dos cór­re­gos exis­ten­tes no mu­ni­cí­pio, a pre­fei­tu­ra es­tu­da uma ma­nei­ra de in­te­grar todas as in­for­ma­ções pa­ra a ela­bo­ra­ção de um sis­te­ma de ações pa­ra con­ser­va­ção. Além dis­so, o es­tu­do con­sis­te tam­bém em re­co­nhe­cer e ob­ser­var os lei­tos do curso d’água que es­sas fon­tes ali­men­tam.

“Que­re­mos re­a­li­zar um di­ag­nós­ti­co do es­ta­do de con­ser­va­ção de um mai­or nú­me­ro pos­sí­vel de nas­cen­tes, e for­ne­cer sub­sí­di­os ne­ces­sá­ri­os pa­ra a even­tu­al ela­bo­ra­ção de pro­je­tos de con­ser­va­ção e/ou re­cu­pe­ra­ção, que po­de­rão ser de­sen­vol­vi­dos pe­la pró­pria pre­fei­tu­ra ou em par­ce­ria de­la com a po­pu­la­ção e com en­ti­da­des en­vol­vi­das com a ques­tão”, afir­ma Ro­dri­go Áda­mo, geó­gra­fo da Se­cre­ta­ria de Meio Am­bi­en­te.

Sinô­ni­mo de po­tá­vel?

Em­bo­ra se­jam apa­ren­te­men­te lim­pas e de qua­li­da­de, não é pos­sí­vel afir­mar que a água des­sas fon­tes é po­tá­vel. “Elas es­tão in­se­ri­das em al­gum ter­re­no que pode re­ce­ber con­ta­mi­na­ção de li­xo, de es­go­to, de chu­va ou ou­tras im­pu­re­zas in­vi­sí­veis. Não é pos­sí­vel fir­mar a po­ta­bi­li­da­de de­la”, ex­pli­ca o co­or­de­na­dor do pro­je­to da UFMG Ma­nu­el­zão, Mar­cus Vi­ní­cius Po­lig­na­no.

Po­lig­na­no res­sal­ta que es­sas nas­cen­tes ali­men­tam im­por­tan­tes ri­os e cór­re­gos da ci­da­de, co­mo o Ar­ru­das e o On­ça, por exem­plo. “O im­por­tan­te é man­ter es­sas fon­tes vi­vas. Elas es­tão na ci­da­de, se­ja em par­ques ou em fun­dos de quin­tal, e cum­prem um ser­vi­ço am­bi­en­tal mui­to im­por­tan­te. São es­sen- ci­ais se qui­ser­mos re­al­men­te lim­par a La­goa da Pam­pu­lha, por exem­plo”, con­clui.

A PBH vem re­a­li­zan­do a re­cu­pe­ra­ção e a ma­nu­ten­ção das nas­cen­tes com uma par­ce­ria com o Co­mi­tê de Ba­ci­as Hi­dro­grá­fi­cas. Uma das nas­cen­tes foi re­vi­ta­li­za­da no iní­cio des­te ano den­tro da Es­co­la Mu­ni­ci­pal San- tos Du­mont, no bairro San­ta Efi­gê­nia, re­gião Les­te de BH.

“A par­tir des­sa ação con­jun­ta en­tre co­mu­ni­da­de e po­der pú­bli­co, acre­di­ta-se que se­ja pos­sí­vel re­cu­pe­rar a qua­li­da­de de vi­da na ci­da­de por meio da trans­for­ma­ção da pai­sa­gem e ter água lim­pa e em abun­dân­cia mes­mo em áre­as on­de ho­je ela se en­con­tra po­luí­da”, afir­ma o se­cre­tá­rio de Meio Am­bi­en­te Má­rio Wer­neck. “Acre­di­ta­mos ha­ver mui­to mais nas­cen­tes do que já con­se­gui­mos ca­das­trar. Es­se tra­ba­lho é fan­tás­ti­co por­que va­mos con­se­guir iden­ti­fi­car e ma­pe­ar as nos­sas fon­tes de água na­tu­ral”, com­ple­ta Wer­neck.

| VANDER BRAS/PBH

Nas­cen­tes es­tão p re­sen­tes em di­ver­sos lo­cais de BH, co­mo, p or exemp lo, no Par­que Mu­ni­cip al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.