Se­tor agro de­fen­de mu­dan­ça

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Foco -

“É pre­ci­so que, em qual­quer ação fis­ca­li­za­tó­ria, ao se acu­sar do co­me­ti­men­to de qual­quer cri­me ou fa­to que ge­re pu­ni­ção, a sub­je­ti­vi­da­de es­te­ja re­du­zi­da ao mí­ni­mo. No ca­so co­men­ta­do, pre­ci­sá­va­mos dos con­cei­tos de ex­pres­sões co­mo ‘tra­ba­lho for­ça­do’, ‘jor­na­da exaus­ti­va’ e ‘con­di­ções aná­lo­gas a de es­cra­vo’. É o que ti­ve­mos na por­ta­ria”, jus­ti­fi­ca o Co­or­de­na­dor da As­ses­so­ria Ju­rí­di­ca da Fa­emg (Fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria do Es­ta­do de Mi­nas Ge­rais), Fran­cis­co Mau­rí­cio Bar­bo­sa, que de­fen­de a al­te­ra­ção nas re­gras pro­pos­tas pe­lo Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho.

No en­tan­to, is­so não sig­ni­fi­ca que o se­tor se­ja me­nos to­le­ran­te com as ir­re­gu­la­ri­da­des. “A por­ta­ria não eli­mi­na a ação fis­ca­li­za­tó­ria e nem im­pos­si­bi­li­ta a acu­sa­ção de tra­ba­lho for­ça­do, de jor­na­da exaus­ti­va, e de con­di­ções aná­lo­gas a de es­cra­vo. Nem mes­mo afe­ta a re­la­ção de tra­ba­lho, que de­ve ser pre­ser­va­da em su­as con­di­ções le­gais e hu­ma­nas”, ex­pli­ca Fran­cis­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.