Lo­té­ri­cas po­dem dei­xar de re­ce­ber con­tas de luz

Fim de con­vê­nio en­tre Ce­mig e Cai­xa po­de pre­ju­di­car mais de qua­tro mi­lhões de con­su­mi­do­res mi­nei­ros

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - FOCO - LU­CAS MO­RAIS METRO BE­LO HO­RI­ZON­TE

To­dos os me­ses, Iolly Vas­con­ce­los vai até uma lo­té­ri­ca per­to de ca­sa, na re­gião cen­tral de Be­lo Ho­ri­zon­te, pa­ra pa­gar a con­ta de luz. “É mais fá­cil e rá­pi­do. Co­mo não uso ne­nhum apli­ca­ti­vo de ban­co, te­nho que pa­gar em agência fí­si­ca”, con­tou. Mas a es­tu­dan­te e ou­tros qua­tro mi­lhões de cli­en­tes da Ce­mig que de­pen­dem das uni­da­des em Mi­nas Ge­rais fo­ram pe­gos de sur­pre­sa: com o fim do con­vê­nio en­tre a com­pa­nhia e a Cai­xa, as lo­té­ri­cas po­dem dei­xar de re­ce­ber as fa­tu­ras a par­tir do dia 27 de ju­nho.

Ca­so o con­tra­to não se­ja re­no­va­do, as mais de 1,6 mil uni­da­des es­pa­lha­das pe­lo es­ta­do fi­cam im­pe­di­das de re­a­li­zar o ser­vi­ço. “Es­ta­mos pre­o­cu­pa­dos com aque­las pes­so­as que te­rão de pe­gar du­as con­du­ções pa­ra pa­gar uma con­ta. É uma si­tu­a­ção di­fí­cil de en­ten­der”, cri­ti­cou o re­pre­sen­tan­te da União Na­ci­o­nal dos Lo­té­ri­cos, Isaías de Oliveira.

Pa­ra o as­ses­sor ju­rí­di­co do Pro­con As­sem­bleia, Pe­dro Au­ré­lio Con­de Baê­ta, as ca­sas lo­té­ri­cas pres­tam uma ati­vi­da­de de in­te­res­se so­ci­al. “Os ban­cos só vi­sam lu­cro, não se pre­o­cu­pam com o ci­da­dão. Es­sa ati­tu­de [o pos­sí­vel fim do con­vê­nio] po­de dei­xar des­guar­ne­ci­dos mi­lha­res de con­su­mi­do­res que só têm es­se meio pa­ra fa­zer seus pa­ga­men­tos”, ar­gu­men­tou.

Ou­tro pro­ble­ma, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, é que as agên­ci­as ban­cá­ri­as só acei­tam pa­ga­men­tos das con­tas de luz de seus pró­pri­os cli­en­tes. “Se a pes­soa en­trar em ou­tro ban­co, ne­gam aten­di­men­to”, en­fa­ti­zou o as­ses­sor.

A CDL (Câ­ma­ra dos Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas) tam­bém re­pu­di­ou a si­tu­a­ção. Con­for­me o pre­si­den­te da en­ti­da­de na ca­pi­tal, Bruno Fal­ci, a me­di­da vai cau­sar um trans­tor­no ain­da mai­or pa­ra mo­ra­do­res de mu­ni­cí­pi­os me­no­res, em que mui­tas ve­zes as lo­té­ri­cas são as úni­cas op­ções. “Cria-se as­sim um obs­tá­cu­lo, pois nem to­dos op­tam por dé­bi­to au­to­má­ti­co e há ain- da qu­em te­nha di­fi­cul­da­des com a tec­no­lo­gia dos cai­xas ele­trô­ni­cos e do in­ter­net ban­king”, pon­tu­ou.

Pro­cu­ra­da, a Ce­mig se li­mi­tou a di­zer que es­tá em ne­go­ci­a­ções com a Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral pa­ra a con­ti­nui­da­de do con­vê­nio. Em um co­mu­ni­ca­do, a com­pa­nhia che­gou a afir­mar que o rom­pi­men­to do con­tra­to se da­va por ini­ci­a­ti­va da es­ta­tal. Já o ban­co ale­gou que acre­di­ta na re­no­va­ção do acor­do.

Se­gu­ran­ça em ris­co

En­tre as al­ter­na­ti­vas que a Ce­mig de­ve ofe­re­cer ca­so as uni­da­des dei­xem de re­ce­ber as fa­tu­ras, es­tá o cre­den­ci­a­men­to de no­vos pon­tos de pa­ga­men­to, co­mo far­má­ci­as e pa­da­ri­as. E a me­di­da é vis­ta com pre­o­cu­pa­ção por mui­tos lo­té­ri­cos. “Re­ce­be­mos con­tas da Ce­mig há mais de 15 anos. Che­guei a ter cin­co ca­sas e qu­an­do os con­su­mi­do­res co­me­ça­ram a pa­gar as fa­tu­ras, ti­ve­mos um ín­di­ce de as­sal­tos ain­da mai­or. Com o tem­po, as uni­da­des fo­ram obri­ga­das a se­guir nor­mas de se­gu­ran­ça, co­mo a blin­da­gem. Mas e as pa­da­ri­as e far­má­ci­as, têm es­sa es­tru­tu­ra? A me­di­da vai au­men­tar a vi­o­lên­cia”, ques­ti­o­nou Car­los Ro­ber­to, pro­pri­e­tá­rio de uma agência em Con­ta­gem, na re­gião me­tro­po­li­ta­na.

De­pu­ta­dos es­ta­du­ais pro­me­te­ram on­tem aci­o­nar a Jus­ti­ça pa­ra ga­ran­tir a pror­ro­ga­ção do con­tra­to com a Cai­xa.

| RI­VAL­DO GO­MES/FOLHAPRESS

Em to­do o es­ta­do, exis­tem mais de 1,6 mil lo­té­ri­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.