ACA­BA­MEN­TO NO FO­CO

Ape­sar do pre­ço, versão top de li­nha tem de­sem­pe­nho mo­des­to e vem sem con­tro­le de es­ta­bi­li­da­de

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - LANÇAMENTO -

Hon­da City, o pi­o­nei­ro no seg­men­to de se­dãs in­ter­me­diá­ri­os, pas­sou es­te ano por um “fa­ce-lift”: al­te­rou o de­sign dos pa­ra-cho­ques, dos fa­róis e da gra­de fron­tal. Em sua es­sên­cia, o Hon­da City se­gue a mes­ma re­cei­ta de ou­tros se­dãs en­tre com­pac­tos e mé­di­os. As­sim co­mo o Che­vro­let Co­balt e o Volkswa­gem Vir­tus, a re­cei­ta do City é a mes­ma, que con­sis­te em pe­gar uma pla­ta­for­ma uti­li­za­da por veí­cu­los com­pac­tos, nes­te ca­so ela é em­pres­ta­da do Fit, e alon­gar a dis­tân­cia en­tre-ei­xos, pa­ra au­men­tar o es­pa­ço pa­ra per­nas, o ban­co tra­sei­ro e o ta­ma­nho do por­ta-ma­las.

A versão des­te ano re­ce­beu ain­da al­guns no­vos equi­pa­men­tos. En­tre eles, a Hon­da acres­cen­tou fa­róis full-LED com lu­zes de ro­da­gem diur­na e cen­tral mul­ti­mí­dia com te­la de se­te po­le­ga­das, câ­me­ra de ré com três ân­gu­los de vi­são, na­ve­ga­dor GPS e in­te­gra­ção com os sis­te­mas Ap­ple CarP­lay e An­droid Au­to. Além des­ses itens, a versão top de li­nha EXL traz ain­da ar-con­di­ci­o­na­do di­gi­tal com in­ter­fa­ce sen­sí­vel ao to­que, ban­cos re­ves­ti­dos em cou­ro sin­té­ti­co, ro­das de li­ga le­ve de 16 po­le­ga­das, vi­dros elé­tri­cos com fun­ção um-to­que nas qua­tro por­tas, re­tro­vi­so­res com ajus­te e re­ba­ti­men­to elé­tri­co, fa­róis de ne­bli­na, vo­lan­te mul­ti­fun­ci­o­nal, crui­se-con­trol e seis air­bags (fron­tais, la­te­rais e cor­ti­na).

Ain­da não foi des­sa vez que o City ga­nhou con­tro­les ele­trô­ni­cos de tra­ção e es­ta­bi­li­da­de, itens im­por­tan­tes de se­gu­ran­ça ati­va que já co­me­çam a che­gar aos au­to­mó­veis mais po­pu­la­res. Além dis­so, fal­tam al­guns por­me­no­res, co­mo as­sis­ten­te de par­ti­da em ram­pa, aci­o­na­men­to au­to­má­ti­co de fa­róis e lim­pa­do­res de pa­ra-bri­sa e cha­ve pre­sen­ci­al. Va­le lem­brar que a versão EXL cus­ta na­da me­nos que R$ 83,4 mil.

Mo­tor pe­que­no

A par­te me­câ­ni­ca não so- freu al­te­ra­ção al­gu­ma. O mo­tor é o mes­mo 1.5 de quar­to ci­lin­dros , com 16 vál­vu­las e sis­te­ma de par­ti­da a frio. Mo­des­to em ci­lin­dra­da e sem ne­nhum re­cur­so de so­bre­a­li­men­ta­ção, ren­de nú­me­ros dis­cre­tos: são 115 cv de po­tên­cia com ga­so­li­na e 116 cv com eta­nol. O câm­bio é au­to­má­ti­co do ti­po CVT (com se­te mar­chas si­mu­la­das, que po­dem ser tro­ca­das por meio de pad­dle-shifts no vo­lan­te).

O re­sul­ta­do é um de­sem­pe­nho tí­mi­do. Ain­da que se­ja le­ve pa­ra seu por­te, com 1.135 kg de pe­so, o City es­tá lon­ge de ser um se­dã em­pol­gan­te. Na ci­da­de, até de­mons­tra al­gu­ma agi­li­da­de, mas, na es­tra­da, exi­ge que o mo­to­ris­ta ace­le­re sem dó pa­ra man­ter ve­lo­ci­da­des mais ele­va­das, prin­ci­pal­men­te na su­bi­da. Nes­sas si­tu­a­ções, o ron­co do mo­tor é bas­tan­te no­ta­do na ca­bi­ne, sen­sa­ção am­pli­fi­ca­da pe­lo tra­ba­lho da trans­mis­são, que man­tém o gi­ro cons­tan­te­men­te ele­va­do.

O mo­tor pa­re­ce um pou­co sub­di­men­si­o­na­do, não só em re­la­ção ao por­te e à fai­xa de pre­ço do se­dã, mas tam­bém di­an­te do acer­to da sus­pen­são, que é li­gei­ra­men­te es­por­ti­va.

Um as­pec­to no qual o City ain­da se des­ta­ca fren­te aos con­cor­ren­tes é no aca­ba­men­to. Não que ele se­ja lu­xu­o­so, mas re­ve­la um pa­drão de cons­tru­ção bem-exe­cu­ta­do. Os com­po­nen­tes da car­ro­ce­ria têm mon­ta­gem per­fei­ta, com vãos pe­que­nos e uni­for­mes. Por den­tro, os plás­ti­cos do painel exi­bem ar­re­ma­tes ca­pri­cha­dos e as for­ra­ções de por­ta têm gran­des por­ções es­to­fa­das. Até a tam­pa do por­ta-ma­las os­ten­ta um re­ves­ti­men­to in­ter­no em car­pe­te. São de­ta­lhes, sim, mas que de­no­tam qua­li­da­de.

Re­sul­ta­do

No fim das con­tas, o City é um se­dã de com­por­ta­men­to agra­dá­vel no uso ur­ba­no diá­rio, mas in­ca­paz de pro­vo­car emo­ções ao mo­to­ris­ta. Tra­ta-se de um car­ro cor­re­to, mas que po­de­ria fi­car bem mais in­te­res­san­te se ti­ves­se mo­tor mais po­ten­te ou se cus­tas­se me­nos, man­ten­do o con­teú­do atu­al. Do jei­to que es­tá po­si­ci­o­na­do no mer­ca­do, os pre­ços não con­di­zem com o que o mo­de­lo de fa­to en­tre­ga.

FO­TO: AUTOPAPO

FO­TO: HON­DA/DIVULGAÇÃO

Aca­ba­men­to in­ter­no im­pres­si­o­na pe­la qua­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.