REBOQUE NÃO É PA­RA-CHO­QUE

En­ga­te do ti­po “bo­la” é pa­ra trans­por­te de ob­je­tos ou veí­cu­los e não pa­ra pro­te­ger o car­ro

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - SERVIÇO -

O en­ga­te do ti­po “bo­la” tem uma fun­ção cla­ra e es­pe­cí­fi­ca: per­mi­tir o reboque de car­re­ti­nhas, trans­por­te de ob­je­tos ou veí­cu­los. Mui­ta gen­te, po­rém, ins­ta­la o equi­pa­men­to no car­ro pa­ra pro­te­ger o pa­ra-cho­que tra­sei­ro de im­pac­tos. Se­gun­do os es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo Au­to Pa­po, é um equí­vo­co pois o efei­to é o con­trá­rio do es­pe­ra­do. Em uma co­li­são, o aces­só­rio po­de po­ten­ci­a­li­zar os es­tra­gos.

“Reboque não é pa­ra-cho­que”, re­su­me Ricardo Dil­ser, con­sul­tor téc­ni­co do gru­po FCA (Fi­at-Chrys­ler Au­to­mo­bi­les). “Es­se equi­pa­men­to po­de acar­re­tar pre­juí­zos mai­o­res, trans­mi­tin­do, sem ne­nhum ti­po de fil­tro, o impacto pa­ra a par­te do as­so­a­lho pos­te­ri­or do veí­cu­lo”, ex­pli­ca.

Se­gun­do Ger­son Bu­rin, co­or­de­na­dor téc­ni­co do Ces­vi/Map­fre (Cen­tro de Ex­pe­ri­men­ta­ção e Se­gu­ran­ça Viá­ria do Bra­sil) “de­pen­den­do do ti­po de impacto, o en­ga­te po­de so­frer de­for­ma­ções que cau­sa­rão da­nos mais pon­tu­ais na ca­pa de pa­ra-cho­que e tam­bém no seu pon­to de es­co­ra­men­to” (ge­ral­men­te, na es­tru­tu­ra do veí­cu­lo). Po­rém, o es­pe­ci­a­lis­ta pon­de­ra que is­so “de­pen­de­rá mui­to de ca­da mo­de­lo de en­ga­te e do veí­cu­lo”.

Além da pos­si­bi­li­da­de de au­men­tar os es­tra­gos ca­so ocor­ra uma co­li­são tra­sei­ra, o en­ga­te traz ris­cos pa­ra tran­seun­tes. Is­so por­que, co­mo es­se equi­pa­men­to for­ma uma pro­tu­be­rân­cia des­ta­ca­da do pa­ra-cho­que, aca­ba cons­ti­tuin­do um obs­tá­cu­lo pa­ra pes­so­as que cir­cu­lam per­to do car­ro, prin­ci­pal­men­te em lo­cais on­de há pou­co es­pa­ço. “Um pe­des­tre que pas­sa en­tre dois veí­cu­los po­de ba­ter a per­na con­tra o dis­po­si­ti­vo”.

Até mes­mo pa­ra qu­em o ins­ta­la vi­san­do ape­nas co­nec­tar uma car­re­ti­nha, o en­ga­te po­de tra­zer do­res de ca­be­ça. “In­ter­ven­ções mal-fei­tas na car­ro­ce­ria do veí­cu­lo po­dem com­pro­me­ter des­de os tra­ta­men­tos an­ti-cor­ro­si­vos das cha­pas, oca­si­o­nan­do fer­ru­gem, até che­gar ao ex­tre­mo de afe­tar a pró­pria ri­gi­dez da car­ro­ce­ria”, ad­ver­te Dil­ser.

Bu­rin cha­ma aten­ção pa- ra ou­tra pos­si­bi­li­da­de: fa­lha na co­ne­xão da ins­ta­la­ção elé­tri­ca do en­ga­te. Se is­so acon­te­cer, oca­si­o­na­rá re­fle­xos no sis­te­ma elé­tri­co do veí­cu­lo, co­mo pa­ne no fun­ci­o­na­men­to de lu­zes de fa­róis ou lu­zes de si­na­li­za­ção.

E es­se, se­gun­do o téc­ni­co do Ces­vi/Map­fre, é o me­nor dos pro­ble­mas. “Um cur­to-circuito no chi­co­te po­de­rá pro­vo­car a quei­ma dos fu­sí­veis de pro­te­ção ou até pro- ble­mas mais sé­ri­os”, pon­tua. Va­le lem­brar ain­da que os car­ros atu­ais pos­su­em mui­tos com­po­nen­tes ele­trô­ni­cos, sen­sí­veis a va­ri­a­ções de car­ga de ener­gia, cu­ja re­po­si­ção não cos­tu­ma ser ba­ra­ta.

Pa­ra evi­tar pro­ble­mas, pro­pri­e­tá­ri­os que uti­li­zam reboque de­vem, se­gun­do os es­pe­ci­a­lis­tas, ins­ta­lar en­ga­tes de­sen­vol­vi­dos pe­lo pró­prio fa­bri­can­te do veí­cu­lo. “O mo­to­ris­ta de­ve­rá pro­cu­rar por sis­te­mas ho­mo­lo­ga­dos, ve­ri­fi­car se exis­te en­ga­te com­pa­tí­vel pa­ra o seu ti­po de veí­cu­lo e nun­ca acei­tar adap­ta­ções,” acon­se­lha Bu­rin. Dil­ser tem a mes­ma opi­nião: pa­ra ele, o con­su­mi­dor de­ve ad­qui­rir “sem­pre equi­pa­men­tos ori­gi­nais, ho­mo­lo­ga­dos pe­la mon­ta­do­ra.”

O téc­ni­co do Ces­vi/ Map­fre des­ta­ca que mui­tas va­riá­veis es­tão en­vol­vi­das no de­sen­vol­vi­men­to de um en­ga­te, e é jus­ta­men­te por is­so que ele de­ve ter o cri­vo do fa­bri­can­te do veí­cu­lo. “Os pro­je­tos le­vam em con­si­de­ra­ção as ques­tões de ca­pa­ci­da­de de car­ga, di­men­sões, sis­te­mas de en­ga­te, elé­tri­cos e, de­pen­den­do, do por­te do equi­pa­men­to, até mes­mo o de aci­o­na­men­to de freio da car­re­ta. Ca­so não se­ja ho­mo­lo­ga­do, po­de- rá apre­sen­tar pro­ble­mas nos itens ci­ta­dos”, sa­li­en­ta.

Já o con­sul­tor téc­ni­co do gru­po FCA fri­sa que o pro­je­to de um en­ga­te é bem mais com­ple­xo do que pa­re­ce. “Equi­pa­men­tos ori­gi­nais são de­sen­vol­vi­dos en­vol­ven­do as áre­as de en­ge­nha­ria de pro­je­to, ou se­ja, áre­as li­ga­das à con­fec­ção do mo­no­blo­co, ti­me da pin­tu­ra, da área de elé­tri­ca e ele­trô­ni­ca”, diz.

Se­gun­do Dil­ser, são le­va­das em con­ta “a ca­pa­ci­da­de de car­ga do veí­cu­lo e a cor­re­ta co­mu­ni­ca­ção da par­te elé­tri­ca do reboque com a par­te elé­tri­ca do car­ro, além de ga­ran­tia de fá­bri­ca e a cer­te­za de que o equi­pa­men­to es­tá fi­xa­do em uma par­te da car­ro­ce­ria pro­je­ta­da pa­ra is­so”.

Exis­tem no mer­ca­do al­guns en­ga­tes re­trá­teis, que po­dem ser en­cai­xa­dos e um bo­cal pró­prio, pre­so ao veí­cu­lo, qu­an­do es­tão em uso e re­ti­ra­dos se es­ti­ve­rem sem fun­ção. Pa­ra Dil­ser, mo­de­los ho­mo­lo­ga­dos des­se ti­po cons­ti­tu­em boa al­ter­na­ti­va: “Os re­trá­teis são mais jus­tos com pe­des­tres e ou­tros veí­cu­los, pois não fi­cam ‘pa­ra fo­ra do pa­ra-cho­que’ qu­an­do não uti­li­za­dos”, con­clui.

DIVULGAÇÃO/AUTOPAPO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.