Se­na­do apro­va re­a­jus­te pa­ra STF

Cri­ti­ca­do, mas pas­sou por 41 vo­tos a 16. Im­pac­to po­de che­gar a R$ 6 bi, so­man­do a União e os es­ta­dos, pois ele­va­ção afe­ta o te­to dos ser­vi­do­res pú­bli­cos

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - BRASIL - RA­FA­EL NE­VES METRO BRASÍLIA

O Se­na­do apro­vou on­tem, por 41 vo­tos a 16, o re­a­jus­te sa­la­ri­al dos mi­nis­tros do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral).

Cri­ti­ca­do pe­lo po­ten­ci­al de ge­rar um “efei­to cas­ca­ta” de au­men­tos em to­do o fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co, que têm es­ses ven­ci­men­tos co­mo te­to, o texto pas­sa­rá a va­ler se for san­ci­o­na­do pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. O re­a­jus­te, de 16,38%, ele­va­rá o sa­lá­rio dos mi­nis­tros de R$ 33,7 mil pa­ra R$ 39,2 mil.

O im­pac­to anu­al da me­di­da nas con­tas pú­bli­cas po­de che­gar a R$ 6 bi­lhões, so­man­do a União e os es­ta­dos. A ele­va­ção afe­ta o te­to de ser­vi­do­res pú­bli­cos do Exe­cu­ti­vo, fe­de­rais e es­ta­du­ais, e tam­bém de mem­bros do Ju­di­ciá­rio, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e de tri­bu­nais de con­tas.

A de­ci­são pas­sou no mes­mo dia em que o pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, se po­si­ci­o­nou contra ela ao ser qu­es­ti­o­na­do. “Es­ta­mos em uma fa­se em que to­do mun­do tem ou nin­guém tem. A gen­te sa­be que o Ju­di­ciá­rio é o mais bem aqui­nho­a­do en­tre os Po­de­res. A gen­te vê com pre­o­cu­pa- ção”, de­cla­rou on­tem.

A pau­ta foi co­lo­ca­da pa­ra vo­ta­ção on­tem, em re­gi­me de ur­gên­cia, pe­lo pre­si­den­te do Se­na­do, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (MDB-CE).

His­tó­ri­co

O pro­je­to pre­ven­do es­se re­a­jus­te foi en­ca­mi­nha­do ao Con­gres­so ain­da em 2015, pe­lo en­tão pre­si­den­te do STF Ri­car­do Lewan­dows­ki. A pro­pos­ta foi apro­va­da pe­la Câ­ma­ra no ano se­guin­te, mas fi­cou pa­ra­da des­de en­tão.

No úl­ti­mo mês de agos­to, o STF de­ci­diu, por 7 vo­tos a 4, in­cluir o au­men­to pre­vis­to nes­te pro­je­to no Or­ça­men­to de 2019. Os mi­nis­tros jus­ti­fi­ca­ram que se tra­ta­va de “re­po­si­ção do po­der aqui­si­ti­vo”, de­vi­do a per­das acu­mu­la­das.

A vo­ta­ção de on­tem não foi no­mi­nal, ou se­ja, não foi re­ve­la­do co­mo ca­da se­na­dor se po­si­ci­o­nou.

| ROQUE DE SÁ / AGÊNCIA SE­NA­DO

Eu­ní­cio co­lo­cou pro­je­to pa­ra vo­ta­ção em ur­gên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.