Le­vir faz mis­té­rio so­bre ti­me ti­tu­lar

Boca Ju­ni­ors e Ri­ver Pla­te começam amanhã a dis­pu­tar a decisão, em La Bom­bo­ne­ra; du­e­lo é tra­ta­do co­mo o prin­ci­pal da his­tó­ria en­tre os ri­vais ar­gen­ti­nos

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Equi­pe al­vi­ne­gra re­ce­be nes­te fim de se­ma­na o líder Pal­mei­ras; já Cru­zei­ro vi­si­ta o Atlé­ti­co- PR, amanhã

Quan­do o re­ló­gio cra­var 18h (ho­rá­rio de Bra­sí­lia), no len­dá­rio es­tá­dio de La Bom­bo­ne­ra, Boca Ju­ni­ors e Ri­ver Pla­te ro­lam a bo­la pa­ra ini­ci­ar a fi­nal mais ex­plo­si­va da his­tó­ria do fu­te­bol. Pe­lo me­nos é assim que os ar­gen­ti­nos en­xer­gam a decisão da Li­ber­ta­do­res da Amé­ri­ca de 2018, que te­rá o se­gun­do e der­ra­dei­ro ca­pí­tu­lo no dia 24, no Mo­nu­men­tal de Nuñez, ca­sa do Ri­ver. Os dois du­e­los te­rão tor­ci­da úni­ca.

“A fi­nal do mun­do”, diz o Diário Olé. Pu­de­ra. Ri­vais eter­nos da ca­pi­tal Bu­e­nos Ai­res, se en­fren­ta­rão pe­la pri­mei­ra vez em uma fi­nal in­ter­na­ci­o­nal. Se­rá tam­bém o pri­mei­ro clás­si­co em uma decisão da com­pe­ti­ção cri­a­da em 1960 – o Boca tem seis tí-

tu­los, con­tra três do Ri­ver.

Mas o des­te ano tem um pe­so mai­or. Muito mai­or. Se­gun­do o pre­si­den­te ar­gen­ti­no Mau­rí­cio Ma­cri, o país fi­ca­rá “três se­ma­nas sem dor­mir”, ta­ma­nha a an­si­e­da­de pe­lo Su­per­clás­si­co – co­mo eles cha­mam o du­e­lo. “O ti­me que per­der de­mo­ra­rá 20 anos pa­ra se re­cu­pe­rar”, sen­ten­ci­ou Ma­cri, que tam­bém é ex-pre- si­den­te do Boca.

A ini­mi­za­de de 115 anos en­tre os clu­bes e su­as tor­ci­das, que jun­tas re­pre­sen­tam 70% da po­pu­la­ção, além do cli­ma quente das vés­pe­ras do jo­go, fez com que o go­ver­no fe­de­ral en­tras­se na his­tó­ria, com o “mai­or efe­ti­vo po­li­ci­al da his­tó­ria de uma par­ti­da” – o número, po­rém, não foi di­vul­ga­do.

A exal­ta­ção, além da par­te es­por­ti­va, traz na ba­ga­gem epi­só­di­os co­mo o de ata­que com gás de pi­men­ta aos jo­ga­do­res do Ri­ver, há três anos, e de con­fron­tos pe­la Sul-Ame­ri­ca­na (2014) e Li­ber­ta­do­res (2015). Em cam­po, ape­sar de as di­re­to­ri­as acer­ta­rem um jantar jun­tas pa­ra hoje pa­ra ten­tar pas­sar um cli­ma mais ami­gá­vel, não se po­de es­pe­rar ne­nhum “bom per­de­dor”. “Se um dos dois es­ti­ver per­den­do, não du­vi­do na­da que o jo­go nem ter­mi­ne”, dis­se Car­li­tos Té­vez, do Boca, pa­ra mos­trar o ní­vel do am­bi­en­te que en­vol­ve a par­ti­da.

| PAULO WHI­TA­KER/REUTERS

Boca, de Be­ne­det­to, é o man­dan­te do clás­si­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.