Ser­vi­do­res pú­bli­cos pre­pa­ram on­da de gre­ves em 2018

Pre­vi­são in­di­ca que fun­ci­o­ná­ri­os fi­ca­rão mais um ano sem au­men­tos – e a ir­ri­ta­ção não pa­ra de cres­cer

Metro Brazil (Brasilia) - - Portada - Www.me­tro­jor­nal.com.br RAPHAEL VELEDA METRO BRASÍLIA

A con­fir­ma­ção de que não de­ve ha­ver au­men­to sa­la­ri­al aos ser­vi­do­res dis­tri­tais du­ran­te os qua­tro anos do go­ver­no de Ro­dri­go Rol­lem­berg (PSB) me­xeu com os sin­di­ca­tos que representam es­ses tra­ba­lha­do­res. O go­ver­no aca­ba de en­vi­ar pa­ra a Câ­ma­ra Le­gis­la­ti­va o Pro­je­to de Lei Or­ça­men­tá­ria pa­ra 2018, pre­ven­do um au­men­to no­mi­nal das re­cei­tas de ape­nas 0,1%. Des­con­ta­da a in­fla­ção do pe­río­do, o Pa­lá­cio do Bu­ri­ti an­te­ci­pa ar­re­ca­dar me­nos no ano que vem. O re­sul­ta­do, ain­da se­gun­do o go­ver­no, é pou­co di­nhei­ro pa­ra in­ves­ti­men­tos e a im­pos­si­bi­li­da­de de con­ces­são de au­men­tos.

As ca­te­go­ri­as mais an­gus­ti­a­das com a no­tí­cia são aque­las pa­ra as quais o DF já es­tá ‘de­ven­do’ par­ce­las de re­a­jus­tes acer­ta­dos ain­da no go­ver- no de Ag­ne­lo Qu­ei­roz (PT). “Os pro­fes­so­res vão re­a­gir. Pa­ra a nos­sa ca­te­go­ria, ain­da fal­tam 3,73% de au­men­to, que de­ve­ri­am es­tar sen­do pa­gos des­de se­tem­bro de 2015”, afir­ma o di­re­tor do Sin­di­ca­to dos Pro­fes­so­res Cle­ber Ri­bei­ro So­a­res. “Pa­ra nós, não ca­bem mais as des­cul­pas que o Rol­lem­berg dá des­de que as­su­miu. Ele já apa­re­ceu com vá­ri­as so­lu­ções má­gi­cas pa­ra a eco­no­mia do DF, co­mo me- xer nos fun­dos de apo­sen­ta­do­ria, e fi­ca pa­ti­nan­do. Es­se pro­ble­ma é de ges­tão”, acu­sa.

Tam­bém não re­ce­be­ram to­do o au­men­to pro­me­ti­do pe­lo go­ver­no an­te­ri­or os ser­vi­do­res da saú­de. Pa­ra a pre­si­den­te do SindSaú­de, Mar­li Ro­dri­gues, o fim des­te ano e, prin­ci­pal­men­te, o pró­xi­mo de­ve­rá ter gre­ves de vá­ri­as ca­te­go­ri­as de ser­vi­do­res. “Aca­bou a pa­ci­ên­cia. Até por­que, o que mais o Rol­lem­berg po­de nos pro­me­ter? Vai ser di­fí­cil ele pe­dir vo­to pa­ra ser­vi­dor na pró­xi­ma elei­ção”, pro­vo­ca.

Em cam­pa­nha pe­la equi­da­de sa­la­ri­al com a Po­lí­cia Fe­de­ral, o Sin­di­ca­to dos Po­li­ci­ais Ci­vis do DF tam­bém já se mo­bi­li­za pa­ra pres­si­o­nar o go­ver­no com mais for­ça.

‘Fal­tou ex­pe­ri­ên­cia’

Es­pe­ci­a­lis­ta em ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, o pro­fes­sor da UnB (Uni­ver­si­da­de de Brasília) Jo­sé Ma­ti­as-Pe­rei­ra acre­di­ta que o go­ver­no não tem condições de agir di­fe­ren­te. “No ce­ná­rio ge­ne­ra­li­za­do de cri­se fis­cal, não ve­jo es­pa­ço pa­ra pre­ver au­men­to, não tem co­mo fu­gir”, ava­lia.

Pa­ra o aca­dê­mi­co, po­rém, a equi­pe de Rol­lem­berg não tra­ba­lhou a cri­se da me­lhor ma­nei­ra. “O go­ver­no fa­lhou por inex­pe­ri­ên­cia, por fal­ta de pla­ne­ja­men­to efe­ti­vo. Por mui­to tempo, a equi­pe do go­ver­na­dor e ele pró­prio es­ti­ve- ram apren­den­do a go­ver­nar”.

O que so­bra

Ao to­do, o DF de­ve­rá con­tar com R$ 42,4 bi­lhões pa­ra o pró­xi­mo ano. Além de não pre­ver re­a­jus­tes sa­la­ri­ais, o go­ver­no di­fi­cil­men­te fa­rá con­cur­sos ou con­vo­ca­rá apro­va­dos em cer­ta­mes an­te­ri­o­res (até por­que se­gue im­pe­di­do pe­lo li­mi­te pru­den­ci­al da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal pa­ra gas­tos com pes­so­al). Pa­ra in­ves­ti­men­tos, es­tão pre­vis­tos R$ 2,3 bi­lhões, que de­vem ser usa­dos em obras co­mo os vi­a­du­tos no fim da Asa Nor­te e a cons­tru­ção de cre­ches (mas só qua­tro es­tão pre­vis­tas).

“O ob­je­ti­vo do dis­cur­so do GDF é des­vi­ar es­ses re­cur­sos pa­ra ou­tras áre­as do go­ver­no.” RO­DRI­GO GAÚ­CHO, PRE­SI­DEN­TE DO SIN­DI­CA­TO DOS PO­LI­CI­AIS CI­VIS DO DF

“Não é ines­pe­ra­do pa­ra mim, por­que o go­ver­na­dor nunca se pre­o­cu­pou com o fun­ci­o­na­lis­mo.” MAR­LI RO­DRI­GUES, PRE­SI­DEN­TE DO SINDSAÚ­DE

| DÊNIO SIMÕES/AGÊNCIA BRASÍLIA.

Rol­lem­berg es­tá sob pres­são dos ser­vi­do­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.