TENTÁCULOS DO ESQUEMA CA­BRAL

‘Gran­de fi­a­dor das prá­ti­cas cor­rup­tas’. Mon­tan­te que ex- go­ver­na­dor do RJ e seu gru­po te­ri­am re­ce­bi­do em cor­rup­ção pas­si­va em vá­ri­as áre­as no Es­ta­do ul­tra­pas­sa R$ 385 mi­lhões. Pro­cu­ra­dor da La­va Ja­to diz que va­lor as­tronô­mi­co já atin­giu uma quan­tia que se

Metro Brazil (Brasilia) - - Portada - RENATA MACHADO METRO RIO

Pu­ra ga­nân­cia ou cer­te­za da im­pu­ni­da­de? Se­ja qual for a mo­ti­va­ção que le­vou Sér­gio Ca­bral (PMDB) a des­vi­ar di­nhei­ro pú­bli­co dos co­fres do Es­ta­do, as in­ves­ti­ga­ções da Ope­ra­ção La­va Ja­to re­ve­lam que o po­lí­ti­co te­ria sa­que­a­do cen­te­nas de mi­lhões de vá­ri­os se­to­res do Rio de Ja­nei­ro em seus dois man­da­tos co­mo go­ver­na­dor (de 2007 a 2014). A ci­fra to­tal do as­sal­to ain­da é uma in­cóg­ni­ta, mas um le­van­ta­men­to fei­to pe­lo Me

tro Jor­nal apon­ta que o rou­bo já che­ga a pre­ci­sos e es­pan­to­sos R$ 385.356.743,66.

Es­sa quan­tia é a so­ma de to­dos os va­lo­res já iden­ti­fi­ca­dos pe­lo MPF (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral) co­mo sen­do pro­du­to de cor­rup­ção – cri­me que pa­ra ser de­nun­ci­a­do exi­ge a es­pe­ci­fi­ca­ção da ori­gem do di­nhei­ro ilí­ci­to – pra­ti­ca­da pe­la or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa li­de­ra­da por Ca­bral. O mon­tan­te do di­nhei­ro pú­bli­co apro­pri­a­do pe­lo gru­po, po­rém, fa­cil­men­te rom­pe­rá a bar­rei­ra dos R$ 400 mi­lhões, já que ain­da há mui­tas in­ves­ti­ga­ções em aber­to.

“Re­mon­tar o va­lor exa­to que acon­te­ceu al­guns anos atrás é bem di­fí­cil. Nes­se mo­men­to, não dá pa­ra di­zer nem tu­do o que o Ca­bral re­ce­beu em pro­pi­na, nem tu­do o que ele la­vou, mas as de­nún­ci­as ain­da não abran­ge­ram tu­do. É di­fi­cil quan­ti­fi­car, mas ain­da há mui­to a ser iden­ti­fi­ca­do”, dis­se o pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca Sér­gio Pi­nel, que in­te­gra a for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to no Rio.

Até ago­ra, os 14 pro­ces­sos a que o ex-go­ver­na­dor res­pon­de (ten­do si­do condenado em dois de­les, cu­jas pe­nas so­ma­das che­gam a 59 anos e 4 me­ses de pri­são) apon­tam que Ca­bral te­ria rou­ba­do em ao me­nos qua­tro áre­as do go­ver­no. Di­nhei­ro des­vi­a­do de gran­des obras públicas – qua­se sem­pre cus­te­a­das ou fi­nan­ci­a­das com re­cur­sos fe­de­rais –, de con­tra­tos da Saú­de, ali­men­ta­ção e trans­por­tes. Ape­sar de ain­da não ter si­do de­nun­ci­a­do, um quin­to se­tor, o de pres­ta­ção de ser­vi­ços, já foi iden­ti­fi­ca­do e es­tá em investigação.

De acor­do com os pro­cu­ra­do­res, a pro­pi­na de 5% so­bre os va­lo­res dos con­tra­tos

com o Es­ta­do foi ins­ti­tuí­da de for­ma ge­ne­ra­li­za­da por Ca­bral. Ago­ra, o MPF tra­ba­lha pa­ra com­pro­var as pro­pi­nas pa­gas por ou­tras em­prei­tei­ras que ain­da não fo­ram alvo de de­nún­ci­as no Rio, co­mo Odebrecht, Qu­ei­roz Gal­vão e Del­ta. O ex-do­no des­sa úl­ti­ma, Fer­nan­do Ca­ven­dish, já ad­mi­tiu, ao de­por no mês pas­sa­do, ter pa­go es­se acer­to nas obras do Ma­ra­ca­nã.

“Gran­de par­te das cons­tru­to­ras que fi­ze­ram obras no Es­ta­do pa­gou pro­pi­na, in­clu­si­ve as de me­nor por­te. To­das es­tão sen­do in­ves­ti­ga­das. Já sa­be­mos que a Odebrecht pa­gou de­ze­nas de mi­lha­res de re­ais ao Ca­bral e es­ta­mos tra­ba­lhan­do na de­nún­cia. A exis­tên­cia de pa­ga­men­to em ou­tras áre­as tam­bém es­tá em investigação, mas, in­fe­liz­men­te, já che­ga­mos a um vo­lu­me que não tem mais co­mo ele de­vol­ver tu­do”, afir­mou Pi­nel.

Pre­so des­de no­vem­bro, Ca­bral ne­ga as acu­sa­ções. Ele ale­ga ape­nas ter usa­do so­bras de cai­xa 2 de cam­pa­nha pa­ra ban­car a vi­da de lu­xo, e já che­gou a su­bir o tom em de­poi­men­to à Jus­ti­ça, clas­si­fi­can­do co­mo “uma ma­lu­qui­ce” a acu­sa­ção de co­bran­ça dos 5%. Além de cor­rup­ção pas­si­va, o ex-go­ver­na­dor res­pon­de por cri­mes de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, la­va­gem de di­nhei­ro, eva­são de di­vi­sas, for­ma­ção de car­tel, su­per­fa­tu­ra­men­to e frau­des a li­ci­ta­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.