Po­len­ta, fu­te­bol, ro­das de vi­o­lão e mui­ta fé

Metro Brazil (Brasilia) - - Brasil - METRO CU­RI­TI­BA

Em­bo­ra vá­ri­os pre­sos da Lava Jato já te­nham anun­ci­a­do que pre­ten­dem es­cre­ver li­vros e te­nham da­do en­tre­vis­tas, ne­nhum de­les ha­via fa­la­do pu­bli­ca­men­te so­bre sua ex­pe­ri­ên­cia no cár­ce­re.

Foi o que fez Otá­vio Aze­ve­do, ex-pre­si­den­te do gru­po An­dra­de Gu­ti­er­rez, que no mês pas­sa­do en­ca­rou uma pla­teia de mais de 200 pes­so­as no MON (Mu­seu Os­car Ni­e­meyer), em Cu­ri­ti­ba. O ex-exe­cu­ti­vo re­ce­beu o con­vi­te de Isa­bel em ju­nho, e só a 10 di­as do even­to foi au­to­ri­za­do pe­la Jus­ti­ça a com­pa­re­cer.

Na pa­les­tra, Aze­ve­do con­tou de­ta­lhes de sua ro­ti­na no CMP. Dis­se que era um dos pou­cos pre­sos da Lava Jato a jo­gar fu­te­bol com os ou­tros de­ten­tos, que gos­ta­va das ro­das de vi­o­lão em que um com­pa­nhei­ro to­ca­va mú­si­cas re­li­gi­o­sas e que en­ca­ra­va a “quen­ti­nha” pu­ra, ape­sar das quei­xas qua­se ge­rais so­bre a qua­li­da­de das re­fei­ções.

A pró­pria Isa­bel en­gros­sa o co­ro con­tra a co­mi­da (“é hor­rí­vel”), mas diz que a opi­nião não era unâ­ni­me: o ex-che­fe da Ca­sa Ci­vil Jo­sé Dir­ceu não re­cla­ma­va.

“Um dia o Jo­sé Dir­ceu vi­rou pa­ra mim e fa­lou as­sim: olha, dou­to­ra, eu que­ro dar meu tes­te­mu­nho, que eu não acho ruim. Eu que­ro lhe di­zer que eu amo a po­len­ta e o pu­rê de ba­ta­ta. A-do-ro!”, nar­ra a ad­vo­ga­da. Dir­ceu era, se­gun­do ela, o pre­so mais in­te­li­gen­te do CMP. “A bi­bli­o­te­ca fi­ca em­bai­xo da es­co­la, é um po­rão gran­di­nho. Ele co­me­çou a tra­ba­lhar lá e dei­xou im­pe­cá­vel”, con­ta.

En­quan­to o ex-mi­nis­tro pe­tis­ta se de­di­ca­va aos li­vros, ou­tros têm tra­ba­lhos me­nos in­te­lec­tu­ais. Há al­gum tem- po, por exem­plo, o ex-de­pu­ta­do An­dré Var­gas pas­sou o bas­tão da en­tre­ga das quen­ti­nhas pa­ra o ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos Edu­ar­do Cu­nha.

Ou­vi­do por Sér­gio Moro no iní­cio do ano, Cu­nha re­cla­mou de gri­tos que eco­a­vam na ma­dru­ga­da, vin­dos das ga­le­ri­as dos do­en­tes men­tais. Ques­ti­o­na­do por um jor­na­lis­ta após o epi­só­dio, o di­re­tor do De­pen (De­par­ta­men­to Pe­ni­ten­ciá­rio) do Pa­ra­ná, Luiz Al­ber­to Car­ta­xo, foi pou­co ce­ri­mo­ni­o­so: “Vo­cê já viu lou­co qui­e­to”?

| RO­DRI­GO MASSINHAN

Otá­vio Aze­ve­do fa­lou em se­tem­bro so­bre a vi­da no pre­sí­dio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.