JO­GOS VIRTUAIS, ES­PE­RAN­ÇA RE­AL

Pro­je­to de ex­ten­são da UnB em es­co­la de Cei­lân­dia usa ga­mes de re­a­li­da­de vir­tu­al pa­ra aju­dar a com­ba­ter o Mal de Par­kin­son

Metro Brazil (Brasilia) - - Portada - METRO BRA­SÍ­LIA

Jo­go de re­a­li­da­de vir­tu­al? Nu­ma sa­la do CEM (Cen­tro de En­si­no Mé­dio 4) de Cei­lân­dia, Luiz Car­do­so, 60, mos­tra que não só en­ten­de, mas é um grande com­pe­ti­dor, da­que­les que ul­tra­pas­sam os pró­pri­os re­cor­des a ca­da no­va par­ti­da. Ali, po­rém, o jo­ga­dor não está ape­nas pa­ra di­ver­são: o “brin­que­do” é uma fer­ra­men­ta uti­li­za­da pa­ra pa­ci­en­tes com Par­kin­son re­a­li­za­rem exer­cí­ci­os de fi­si­o­te­ra­pia.

Di­ag­nos­ti­ca­do com a do­en­ça há dois anos, Luiz en­trou no pro­je­to de ex­ten­são da UnB (Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia) “Jo­gan­do Con­tra o Par­kin­son” no ano pas­sa­do. Atu­al­men­te, é uma das seis pes­so­as que par­ti­ci­pam de­le. Os pa­ci­en­tes ap­tos aos exer­cí­ci­os jo­gam du­as ve­zes por se­ma­na, du­ran­te cin­co se­ma­nas. No fim, pas­sam por re­a­va­li­a­ção pa­ra che­car os re­sul­ta­dos.

De­cla­ra­da­men­te oti­mis­ta com exer­cí­ci­os que evi­tam a pro­gres­são da do­en­ça, Luiz con­fes­sa que ado­ra o pro­je­to. “É mui­to in­te­res­san­te, acon­che­gan­te. Eu me di­vir­to. Eles re­a­cen­dem um fio de es­pe­ran­ça”, afir­ma.

Os pa­ci­en­tes jo­gam ga­mes de dois ti­pos de re­a­li­da­de vir­tu­al: imer­si­va ou não imer­si­va. A pri­mei­ra é aque­la na qual um ce­lu­lar é aco­pla­do a um ócu­los que si­mu­la ao es­pec­ta­dor a ex­pe­ri­ên­cia de es­tar den­tro da ce­na – os pes­qui­sa­do­res ve­em em tem­po re­al em um com­pu­ta­dor o que o jo­ga­dor vê. No ou­tro ca­so, são usa­dos vi­de­o­ga­mes que pos­su­em sen­sor que de­tec­ta os mo­vi­men­tos do jo­ga­dor.

Em ca­da uma das ses­sões os pa­ci­en­tes dis­pu­tam qua­tro jo­gos, ca­da um por cer­ca de cin­co mi­nu­tos, com pau­sa pa­ra des­can­so e ob­ser­va­ção. Pa­ra a se­gu­ran­ça de­les, en­quan­to es­tão se exer­ci­tan­do – e se di­ver­tin­do – são acom­pa­nha­dos pe­los pes­qui­sa­do­res. Uma das in­te­gran­tes do pro­je­to, Po­li­any Ro­cha, res­sal­ta que o pa­ci­en­te faz uma du­pla ta­re­fa en­quan­to jo­ga, co­mo se me­xer e fa­lar ao mes­mo tem­po.

Mais qua­li­da­de de vi­da

Par­kin­son é uma do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va que sur­ge por­que há a di­mi­nui­ção da pro­du­ção de do­pa­mi­na, subs­tân­cia ne­ces­sá­ria pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to do cé­re­bro, se­gun­do a Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Neu­ro­lo­gia. Há qua­tro prin­ci­pais sin­to­mas: tre­mor, len­ti­dão nos mo­vi­men­tos, di­fi­cul­da­de de man­ter o equi­lí­brio e ri­gi­dez mus­cu­lar e nas ar­ti­cu­la­ções.

Mes­tran­da da UnB que tam­bém acom­pa­nha de per­to o pro­je­to, Jú­lia de Mou­ra com­ple­men­ta que a do­en­ça pode cau­sar al­te­ra­ção na me­mó­ria e em ca­pa­ci­da­des vi­su­o­es­pa­ci­ais, por exem­plo. Po­dem ha­ver ain­da al­te­ra­ções na fa­la e na de­glu­ti­ção, que são tra­ba­lha­das pe­la fo­no­au­di­o­lo­gia – es­pe­ci­a­li­da­de tam­bém ofe­re­ci­da pe­lo pro­je­to.

“Os exer­cí­ci­os são fo­ca­dos no equi­lí­brio e na mar­cha”, de­ta­lha Ro­cha. O co­or­de­na­dor do pro­je­to – que sur­giu em 2012 – e do curso de fi­si­o­te­ra­pia da UnB, Fe­li­pe Men­des, ex­pli­ca que es­ses dois as­pec­tos são al­te­ra­dos pe­la do­en­ça e não apre­sen­tam me­lho­ra ex­clu­si­va­men­te com o uso de me­di­ca­ção. As­sim, a fi­si­o­te­ra­pia atua no sen­ti­do de ofe­re­cer qua­li­da­de de vi­da.

Men­des co­men­ta que são vi­sí­veis os re­sul­ta­dos da uti­li­za­ção dos jo­gos de re­a­li­da­de vir­tu­al. “Eles me­lho­ram tan­to as­pec­tos de mo­vi­men­to qu­an­to as­pec­tos cog­ni­ti­vos.”

| ANDRESSA ANHOLETE/ES­PE­CI­AL PA­RA O METRO

Di­ag­nos­ti­ca­do há dois anos, Luiz Car­do­so, 60, en­trou no ‘Jo­gan­do con­tra o Par­kin­son’ no ano pas­sa­do: “Re­a­cen­de um fio de es­pe­ran­ça”

| ANDRESSA ANHOLETE/ES­PE­CI­AL PA­RA O METRO

Luiz par­ti­ci­pa do pro­je­to des­de o ano pas­sa­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.