Ten­são en­tre clas­ses so­ci­ais mo­ve es­treia bra­si­lei­ra ‘O ani­mal cordial’

Metro Brazil (Brasilia) - - CULTURA - AMAN­DA QUEIRÓS METRO SÃO PAULO

Um bom fil­me de ter­ror é aque­le ca­paz de ma­ni­pu­lar os me­dos do es­pec­ta­dor a fa­vor de sua nar­ra­ti­va. Em seu pri­mei­ro lon­ga-me­tra­gem, a di­re­to­ra Ga­bri­e­la Ama­ral Al­mei­da faz is­so com de­sen­vol­tu­ra ao ex­plo­rar ten­sões e te­mo­res ti­pi­ca­men­te bra­si­lei­ros.

“O Ani­mal Cordial”, que es­treia ho­je, par­te de uma pre­mis­sa bas­tan­te fac­tí­vel no atu­al con­tex­to do país. Um res­tau­ran­te é as­sal­ta­do em fim de ex­pe­di­en­te, mas o do­no do lu­gar, Iná­cio, (Mu­ri­lo Be­ní­cio) es­tá ar­ma­do e re­ver­te a si­tu­a­ção.

Em vez de cha­mar uma po­lí­cia que jul­ga ine­fi­ci­en­te, ele se alia à gar­ço­ne­te Sa­ra (Lu­ci­a­na Pa­es) e faz jus­ti­ça com as pró­pri­as mãos, pro­vo­can­do um ba­nho de san­gue que re­fle­te fra­tu­ras so­ci­ais so­bre as quais pou­co se fa­la no Bra­sil.

“A Sa­ra tem ne­ces­si­da­de de afe­to, de as­cen­são e de se tor­nar al­goz – por­que nós te­mos es­sa má­cu­la de, ao aces­sar o po­der, que­rer­mos sub-

ju­gar o ou­tro co­mo nós fo­mos sub­ju­ga­dos. Já o Iná­cio é re­fém de uma mas­cu­li­ni­da­de opres­so­ra”, ex­pli­ca Ga­bri­e­la, que tem o ci­ne­ma gi­al­lo ita­li­a­no (sub­gê­ne­ro de ter­ror das pro­du­ções ita­li­a­nas dos anos 1960) co­mo sua gran­de re­fe­rên­cia.

“Eles ti­nham pou­co or­ça­men­to. Quan­do vo­cê tem es­sa li­mi­ta­ção, pre­ci­sa con­tar com a cri­a­ti­vi­da­de na com­po­si­ção de qua­dro, na tru­ca­gem,

na mon­ta­gem… Eu me di­ver­ti ao pen­sar em co­mo fu­gir do bom gos­to no aca­ba­men­to des­se fil­me”, diz a ci­ne­as­ta.

To­que vi­o­len­to

Ga­bri­e­la não tem pu­do­res no uso de san­gue e de ce­nas de as­sas­si­na­to e se­xo – que de­ram ao fil­me a clas­si­fi­ca­ção in­di­ca­ti­va de 18 anos –, mas tu­do ali tem pro­pó­si­to.

“O clí­max da fa­ca­da ou do ti­ro não é o prin­ci­pal. O que es­tá ex­plí­ci­to es­con­de al­go im­plí­ci­to: os de­se­jos in­ter­nos des­ses per­so­na­gens, que têm a ver com ra­cis­mo, ho­mo­fo­bia, clas­sis­mo”, diz ela, nu­ma de­fe­sa da im­por­tân­cia da ar­te pa­ra co­men­tar a re­a­li­da­de.

“O Iná­cio acha que tem um res­tau­ran­te mui­to chi­que, mas ele é mal lo­ca­li­za­do e tem am­bi­en­te fal­so. E a gen­te é is­so en­quan­to país. A gen­te fin­ge que tá bem, mas tá na bei­ra do abis­mo. Pre­ci­sa­mos ver es­sas ra­cha­du­ras e não emu­lar um ci­ne­ma apro­va­do por eu­ro­peu ou ame­ri­ca­no.”

“Pre­ci­sa­mos ex­plo­rar nos­sa pró­pria gra­má­ti­ca pa­ra cri­ar uma mi­to­lo­gia de hor­ror bra­si­lei­ro.”

GA­BRI­E­LA AMA­RAL AL­MEI­DA, DI­RE­TO­RA

| JOSUÉ SOU­ZA/DIVULGAÇÃO

Lu­ci­a­na Pa­es vi­ve gar­ço­ne­te em meio a jo­go de po­der

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.