Metro Brasil (Campinas)

DO­MÉS­TI­CAS TO­DAS DE­VEM SER

Dia 1º pas­sa a vi­go­rar a Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 72, que igua­la os di­rei­tos do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co

- Dilma Rousseff · Sao Paulo · Brazil

RE­GIS­TRA­DAS A PAR­TIR DO DIA 1º

No pró­xi­mo dia 1º de ou­tu­bro en­tram em vi­gor to­dos os itens da Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 72, apro­va­da re­cen­te­men­te pe­la pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff. A lei, co­nhe­ci­da po­pu­lar­men­te co­mo PEC das Do­més­ti­cas, pro­por­ci­o­na o cum­pri­men­to de di­rei­tos an­tes não pre­vis­tos pe­lo Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, co­mo o pa­ga­men­to de INSS, FGTS, fo­lha de pon­to, car­tei­ra de tra­ba­lho as­si­na­da, se­gu­ro aci­den­tes, fé­ri­as, ho­ras ex­tras, res­ci­são. O em­pre­ga­dor que não se ade­quar a tem­po es­ta­rá su­jei­to a pa­gar mul­tas e re­ce­ber pro­ces­sos tra­ba­lhis­tas. To­do fun­ci­o­ná­rio que tra­ba­lha pe­lo me­nos três di­as por se­ma­na no mes­mo en­de­re­ço de­ve ter re­gis­tro em car­tei­ra.

Le­van­ta­men­to fei­to pe­lo Tri­bu­nal Re­gi­o­nal do Tra­ba­lho de São Pau­lo mostra que a fal­ta de re­gis­tro em car­tei­ra é a pri­mei­ra cau­sa de bri­ga na Jus­ti­ça, e res­ci­são mal fei­ta apa­re­ce em se­gun­do lu­gar. Em 2014, fo­ram 4.587 ações tra­ba­lhis­tas. Em 2015, no mes­mo pe­río­do, já se so­mam 5.201 pro­ces­sos, um au­men­to de 13,4% no pri­mei­ro se­mes­tre de 2015, e es­se au­men­to de­ve-se à PEC.

O Bra­sil tem apro­xi­ma­da- men­te 7,2 mi­lhões de em­pre­ga­dos do­més­ti­cos, sen­do 6,7 mi­lhões de mu­lhe­res e 504 mil ho­mens. O país é o mai­or em po­pu­la­ção de tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos do mun­do, de acor­do com es­tu­do fei­to em 117 paí­ses, di­vul­ga­do pe­la OIT (Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho). No en­tan­to, ape­nas 1,2 mi­lhão des­ses tra­ba­lha­do­res es­tão den­tro da lei.

Se pa­ra o em­pre­ga­do é um in­cen­ti­vo e a ga­ran­tia de um em­pre­go es­tá­vel, am­pa­ra­do pe­los trâ­mi­tes le­gais da lei, pa­ra o pa­trão é a pos­si­bi­li­da­de de ter al­guém con­fiá­vel pa­ra cui­dar da sua re­si­dên­cia, es­pan­tan­do a al­ta ro­ta­ti­vi­da­de de tra­ba­lha­do­res.

Dú­vi­das ron­dam a ca­be­ça de em­pre­ga­do­res, co­mo, por exem­plo, se é me­lhor con­tra­tar uma tra­ba­lha­do­ra do­més­ti­ca ou uma di­a­ris­ta. “Ao con­trá­rio do que se ima­gi­na, es­tar em dia com a PEC das Do­més­ti­cas não ele­va tan­to o va­lor fi­nal, a pon­to de ter que dis­pen­sar o tra­ba­lha­dor”, diz Ota­vio Bep­pler, di­re­tor fi­nan­cei­ro e só­cio do Con­ta do Lar. “Se­gun­do os cálculos fei­tos por em­pre­sas do ra­mo, o acrés­ci­mo fi­ca em tor­no de ape­nas 7%, de­pen­den­do da re­gião.”

Ou­tra dú­vi­da mui­to fre- quen­te é co­mo com­pro­var o pa­ga­men­to de ho­ras ex­tras ou ain­da sa­ber se o fun­ci­o­ná­rio es­tá cum­prin­do com o ho­rá­rio com­bi­na­do. Afi­nal, a re­si­dên­cia não fun­ci­o­na ou não se es­pe­ra de­la que se­ja uma em­pre­sa, dis­pon­do de um apa­re­lho de re­gis­tro de pon­to.

Já exis­tem no­vi­da­des no mer­ca­do pa­ra aten­der a al­guns re­qui­si­tos da lei, co­mo apli­ca­ti­vos que con­ta­bi­li­za, a en­tra­da e saí­da e aju­da m em­pre­ga­do­res e tra­ba­lha­do­res na re­la­ção diá­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil