Mú­si­ca. Pro­jo­ta mer­gu­lha no rap em no­vo tra­ba­lho

Metro Brazil (Campinas) - - Cultura -

O fil­me do di­re­tor me­xi­ca­no Guil­ler­mo del To­ro “The Sha­pe of Wa­ter”, um con­to de fa­das obs­cu­ro no qual uma ze­la­do­ra mu­da se apai­xo­na por uma cri­a­tu­ra aquá­ti­ca, ga­nhou o prê­mio Leão de Ou­ro de me­lhor fil­me no Festival de Ci­ne­ma de Ve­ne­za no fim da se­ma­na pas­sa­da.

O se­gun­do prê­mio do Gran­de Jú­ri foi pa­ra a tra­gé­dia fa­mi­li­ar “Fox­trot”, do is­ra­e­len­se Sa­mu­el Ma­oz, en­quan­to o fran­cês Xa­vi­er Le­grand foi es­co­lhi­do co­mo me­lhor di­re­tor com seu dra­ma so­bre di­vór­cio “Jusqu‘a la Gar­de”.

Char­lot­te Ram­pling re­ce­beu o prê­mio de me­lhor atriz por seu de­sem­pe­nho no fil­me ita­li­a­no “Han­nah”, en­quan­to o pa­les­ti­no Ka­mel El Basha re­ce­beu o me­lhor prê­mio de ator por seu pa­pel em “The In­sult”.

A ce­rimô­nia de pre­mi­a­ção en­cer­ra uma ma­ra­to­na de fil­mes de 10 di­as, na qual 21 fil­mes in­ter­na­ci­o­nais com­pe­ti­am pe­lo co­bi­ça­do prê­mio prin­ci­pal. O re­cém-lan­ça­do ál­bum “A Mi­le­nar Ar­te de Me­ter o Lou­co” mos­tra um Pro­jo­ta mais trans­pa­ren­te do que nun­ca. O dis­co traz o rap­per co­nec­ta­do com o iní­cio de sua car­rei­ra, quan­do era mais fi­li­a­do à cul­tu­ra hip-hop, an­tes de abra­çar o pop e se tor­nar um dos ar­tis­tas mais bem su­ce­di­dos da mú­si­ca atu­al.

O tra­ba­lho car­re­ga te­má­ti­ca e so­no­ri­da­de mais den­sas do que as can­ções de as­pec­to ro­mân­ti­co que o rap­per vi­nha pro­du­zin­do, co­mo “Ela só Quer Paz”. Ago­ra o ar­tis­ta fa­la, em tom con­fes­si­o­nal, de de­pres­são, vi­o­lên­cia e de ad­ver­si­da­des que ele en­fren­tou.

O ál­bum reú­ne 12 mú­si­cas e con­ta com as par­ti- ci­pa­ções es­pe­ci­ais de Ma­no Brown (“Pre­fá­cio”), Ka­rol Con­ka (“Mais Li­kes”), Rashid (“Se­gu­ra seu BO”), Hai­kaiss (“Pi­que Pa­blo”) e Ana­vi­tó­ria, com qu­em di­vi­de “Lin­da” – uma das úni­cas can­ções que ain­da man­tém a es­té­ti­ca apai­xo­na­da do ál­bum an­te­ri­or, mas que foi es­co­lhi­da de ma­nei­ra con­tra­di­tó­ria pa­ra ser o sin­gle des­te.

De for­ma ge­ral, o ál­bum é um êxi­to, com des­ta­que es­pe­ci­al pa­ra a fai­xa “Oh Meu Deus. “Ok­ja”, dis­po­ní­vel no ser­vi­ço de streaming Net­flix, mos­tra a his­tó­ria de Mi­ja (An Seo Hyun), uma me­ni­na fa­zen­dei­ra que bus­ca res­ga­tar seu gran­de ami­go: um su­per­por­co ge­ne­ti­ca­men­te mo­di­fi­ca­do.

O ani­mal é le­va­do pa­ra No­va York por um con­glo­me­ra­do li­de­ra­do por Lucy Mi­ran­do (Til­da Swin­ton). En­tre o hu­mor e o dra­ma, a ga­ro­ta en­fren­ta ca­pi­ta­lis­tas e con­su­mi­do­res pa­ra vol­tar pa­ra casa com Ok­ja.

O lon­ga-me­tra­gem do sul-co­re­a­no Bong Jo­on-ho foi um dos 18 tí­tu­los na com­pe­ti­ção do úl­ti­mo Festival de Can­nes, em maio, e pro­ta­go­ni­zou uma das po­lê­mi­cas do even­to. A par­tir do ano que vem, fil­mes sem es­treia em ci­ne­mas da Fran­ça – co­mo é o ca­so de “Ok­ja”, ex­clu­si­vo da Net­flix – não po­de­rão mais par­ti­ci­par do festival. O di­re­tor re­ve­la o cons­tran­gi- men­to sen­ti­do no even­to pe­la equi­pe do lon­ga, que tem ain­da no elen­co Paul Da­no, Gi­an­car­lo Es­po­si­to e Ja­ke Gyll­le­nha­al.

O que vo­cê acha da re­gra de Can­nes?

O festival nos con­vi­dou e, de­pois, cau­sou uma po­lê­mi­ca, dei­xan­do-nos em­ba­ra­ça­dos. Eles de­ve­ri­am ter da­do as re­gras pa­ra só en­tão nos con­vi­dar. Co­mo é pos­sí­vel que um di­re­tor es­tu­de leis fran­ce­sas lo­cais en­quan­to faz fil­mes? Acho que “Ok­ja” foi usa­do pa­ra pro­vo­car as­sun­tos so­bre o festival.

A mai­or re­de de ci­ne­ma da Co­reia do Sul se re­cu­sou a exi­bir o fil­me.

Eu en­ten­do per­fei­ta­men­te a po­si­ção dos mul­ti­ple­xes co­re­a­nos. Mas tam­bém acho que o prin­cí­pio da Net­flix de dis­po­ni­bi­li­zar o fil­me em streaming si­mul­tâ­neo pe­lo mun­do de­ve ser res­pei­ta­do. “Ok­ja” foi fei­to com a men­sa­li­da­des dos as­si­nan­tes de­les e não po­de­mos pe­dir que eles es­pe­rem pa­ra ver o fil­me nos ci­ne­mas.

Por que vo­cê es­co­lheu uma me­ni­na e um por­co co­mo pro­ta­go­nis­tas?

Acho que é mui­to mais bo­ni­to quan­do me­ni­nas pe­que­nas – e não me­ni­nos – mos­tram for­ça. Não dei uma abor­da­gem fe­mi­nis­ta à his­tó­ria, mas, à me­di­da que ela foi sen­do cons­truí­da, per­ce­bi que os ei­xos pre­ci­sa­vam ser fe­mi­ni­nos.

Mas por que um por­co?

Quan­do vo­cê olha pa­ra um por­co, vo­cê pen­sa em co­mi­da, o que é in­jus­to. Por­cos são, na ver­da­de, cri­a­tu­ras mui­to lim­pas, bo­ni­tas e in­te­li­gen­tes. Ne­nhum ou­tro ani­mal sim­bo­li­za tão bem es­sa du­a­li­da­de.

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Rap­per dei­xa de la­do fa­ce­ta ro­mân­ti­ca em no­vo ál­bum

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.