Câ­ma­ra te­rá de ex­pli­car ‘Es­co­la sem Par­ti­do’ ao MP

Pro­mo­to­ria dá 15 di­as pa­ra Le­gis­la­ti­vo cam­pi­nei­ro dar in­for­ma­ções so­bre cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de de pro­je­to de lei, apro­va­do pe­los ve­re­a­do­res em 1ª dis­cus­são e que res­trin­ge a atu­a­ção de pro­fes­so­res em sa­la de au­la. No dia da vo­ta­ção, hou­ve pro­tes­tos

Metro Brazil (Campinas) - - Front Page - TOTE NU­NES

O Mi­nis­té­rio Público do Es­ta­do de São Pau­lo de­ci­diu abrir inqué­ri­to ci­vil pa­ra apu­rar even­tu­al in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de do pro­je­to “Es­co­la Sem Par­ti­do” – apro­va­do em pri­mei­ra dis­cus­são pe­la Câ­ma­ra de Cam­pi­nas.

O pro­mo­tor da In­fân­cia e Ju­ven­tu­de, Ro­dri­go Au­gus­to de Oli­vei­ra – que vai co­or­de­nar o pro­ces­so do qual vai par­ti­ci­par tam­bém a Pro­mo­to­ria de Pa­trimô­nio Público, So­ci­al e Di­rei­tos Hu­ma­nos – deu pra­zo de 15 di­as pa­ra que o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, ve­re­a­dor Ra­fa­el Zim­bal­di (PP) in­for­me so­bre a tra­mi­ta­ção do pro­je­to na Ca­sa e apre­sen­te a aná­li­se de cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de efe­tu­a­da pe­lo par­la­men­to.

A pro­pos­ta foi apro­va­da na Co­mis­são de Le­ga­li­da­de da Câ­ma­ra, ape­sar do pa­re­cer con­trá­rio da Co­mis­são de Apoio às Co­mis­sões.

O pro­mo­tor es­ta­be­le­ceu o mes­mo pra­zo pa­ra a se­cre­tá­ria de Edu­ca­ção, So­lan­ge Pe­li­cer, ofe­re­ça um pa­re­cer so­bre o pro­je­to e os re­fle­xos que pos­sa pro­vo­car no en­si­no mu­ni­ci­pal ca­so se­ja apro­va­do.

Uma das ra­zões apre­sen­ta­das pe­lo pro­mo­tor pa­ra de­ter­mi­nar a aber­tu­ra do inqué­ri­to é o ar­ti­go 22 da Cons­ti­tui­ção, se­gun­do o qual “é com­pe­tên­cia pri­va­ti­va da União, le­gis­lar so­bre di­re­tri­zes e ba­ses da edu­ca­ção na­ci­o­nal”.

Ou­tro mo­ti­vo elen­ca­do pe­lo pro­mo­tor é o ar­ti­go 206 da Cons­ti­tui­ção que pre­vê o plu- ra­lis­mo de idei­as e de con­cep­ções pe­da­gó­gi­cas”.

De au­to­ria do ve­re­a­dor, Te­nen­te San­ti­ni (PSD), o pro­je­to “Es­co­la Sem Par­ti­do”, im­põe restrições ao tra­ba­lho do pro­fes­sor em sa­la de au­la. De­fi­ne, por exem­plo, que o pro­fes­sor não po­de emi­tir opi­nião pes­so­al so­bre even­tos his­tó­ri­cos ou ide­o­lo­gi­as po­lí­ti­cas. Tam­bém fi­ca proi­bi­do de es­ti­mu­lar a par­ti­ci­pa­ção de alu­nos em ma­ni­fes­ta­ções po­lí­ti­cas ou atos pú­bli­cos.

O inqué­ri­to é con­sequên­cia de uma re­pre­sen­ta­ção do ve­re­a­dor Gus­ta­vo Pet­ta (PC­doB), pa­ra qu­em a pro­pos­ta “é cla­ra­men­te in­cons­ti­tu­ci­o­nal”.

Te­nen­te San­ti­ni diz que pre­ten­de fa­zer au­di­ên­ci­as pú­bli­cas an­tes da 2ª vo­ta­ção.

LU­CI­A­NO CLAUDINO/CÓDIGO19

Ses­são da Câ­ma­ra na 1ª vo­ta­ção do pro­je­to|

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.