IN­FRA­ÇÃO MÉ­DIA MUL­TA DE R$ 130,16 E 4 PON­TOS NA CNH

Metro Brazil (Campinas) - - Semana Do Trânsito -

O pis­ca- aler­ta ser­ve pa­ra in­di­car que o veí­cu­lo es­tá pa­ra­do ou pa­ra aler­tar ou­tros mo­to­ris­tas em ca­so de emer­gên­cia e só po­de ser aci­o­na­do nes­sas si­tu­a­ções. Sob chu­va, por exem­plo, li­gue ape­nas o fa­rol. E, se for fre­ar ra­pi­da­men­te, na­da de li­gar o pis­ca- aler­ta. Es­sa não é uma emer­gên­cia: é uma in­for­ma­ção so­bre uma ati­tu­de sua no trân­si­to.

É obri­ga­ção de to­do mo­to­ris­ta di­mi­nuir a ve­lo­ci­da­de pa­ra, ao pas­sar por uma po­ça, não jo­gar água em qu­em es­tá na cal­ça­da. Além de in­fra­ção de trân­si­to, é uma ati­tu­de na­da edu­ca­da! A in­fra­ção é a mes­ma pa­ra qu­em ar­re­mes­sa ob­je­tos de den­tro do car­ro.

Em qual­quer pis­ta com mais de uma fai­xa, qu­em es­tá em mai­or ve­lo­ci­da­de tem di­rei­to de tra­fe­gar pe­la pis­ta da es­quer­da e pe­dir pas­sa­gem pa­ra qu­em es­tá na fren­te, po­den­do bu­zi­nar uma vez ou pis­car o fa­rol. Re­cu­sar- se a dar pas­sa­gem nes­sa fai­xa é in­fra­ção de trân­si­to, ain­da que o veí­cu­lo de trás es­te­ja em ve­lo­ci­da­de su­pe­ri­or à da via.

Nem mes­mo uma sim­ples gar­ra­fi­nha de água po­de es­tar no seu co­lo ou à sua es­quer­da, co­mo na por­ta, en­quan­to vo­cê di­ri­ge. A re­gra va­le tam­bém pa­ra ani­mais.

Ou­vir mú­si­ca den­tro do car­ro, só se for sem fo­ne de ou­vi­do, por­que o uso do aces­só­rio dá mul­ta.

Ou se­ja, se a ve­lo­ci­da­de má­xi­ma da via é de 60 km/h, o mo­to­ris­ta não po­de tra­fe­gar a me­nos de 30 km/h, a não ser, ób­vio, no ca­so de um en­gar­ra­fa­men­to. Há ex­ce­ção tam­bém se es­ti­ver tra­fe­gan­do na fai­xa da di­rei­ta, em ca­so de pis­ta com mais de uma fai­xa.

Mes­mo que se­ja por um mo­men­to, es­sa é uma in­fra­ção pas­sí­vel de mul­ta. As úni­cas si­tu­a­ções em que é per­mi­ti­do ao mo­to­ris­ta ti­rar a mão do vo­lan­te é ao pas­sar a mar­cha e ao uti­li­zar equi­pa­men­tos do veí­cu­lo. Mas, se es­ti­ver com o ce­lu­lar na mão, a in­fra­ção pas­sa a ser gra­vís­si­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.