DIRIJA COM SE­GU­RAN­ÇA

A aten­ção na con­du­ção do veí­cu­lo re­quer cui­da­dos que vão bem além do ób­vio, co­mo não be­ber e di­ri­gir ou usar o ce­lu­lar

Metro Brazil (Campinas) - - Semana Do Trânsito -

É proi­bi­do di­ri­gir usan­do chi­ne­lo, san­dá­li­as e ta­man­cos. A in­fra­ção, pre­vis­ta no art. 152 do CTB (Có­di­go de Trân­si­to Bra­si­lei­ro), va­le qua­tro pon­tos na CNH (car­tei­ra de ha­bi­li­ta­ção) e mul­ta de R$ 85,13. Mas es­se não é o pi­or ce­ná­rio. O aci­den­te que dei­xou uma pes­soa mor­ta mês pas­sa­do no Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de Vi­ra­co­pos po­de ter si­do cau­sa­do pe­lo chi­ne­lo da mo­to­ris­ta, en­con­tra­do en­ros­ca­do nos pe­dais do veí­cu­lo.

Di­ri­gir é uma ação au­to­má­ti­ca do mo­to­ris­ta, lem­bra o pro­fes­sor da Uni­camp, Cre­so Peixoto, es­pe­ci­a­lis­ta em trans­por­te. “A pes­soa se acos­tu­ma a ver e a re­a­gir”. Nin­guém lê, por exem­plo, a pla­ca ‘pa­re’, afir­ma o es­pe­ci­a­lis­ta. “A ima­gem oc­to­go­nal de con­tras­tes bran­co e ver­me­lho é cap­ta­da pe­los olhos co­mo se eles fos­sem um scan­ner.” A re­a­ção é ins­tan­tâ­nea: pres­são au­to­má­ti­ca nos frei­os. “Cla­ro que fa­zer is­so com um chi­ne­lo sol­to nos pés po­de cau­sar um aci­den­te gra­ve.”

Ou­tras ações que pa­re­cem sim­ples, co­mo me­xer no pai­nel, pe­gar al­go no so­lo ou te­clar no ce­lu­lar (que é proi­bi­do) em bai­xa ve­lo­ci­da­de tam­bém co­lo­ca em ris­co a se­gu­ran­ça, aler­ta o pro­fes­sor da Uni­camp. “Po­dem re­ti­rar o tem­po de uma fre­a­gem de emer­gên­cia”, ex­pli­ca Peixoto.

Re­cen­te­men­te, o apre­sen­ta­dor de TV Ro­dri­go Hil­bert, pos­tou nu­ma re­de so­ci­al um ví­deo gra­va­do en­quan­to di­ri­gia. E to­mou uma bron­ca do Detran (De­par­ta­men­to de Trân­si­to), que co­men­tou no post: “Se­rá que ele cri­ou um dis­po­si­ti­vo que fil­ma sem des­vi­ar o olhar do trân­si­to, sem ti­rar as mãos do vo­lan­te e sem ris­co de aci­den­tes?”.

E a lis­ta de cui­da­dos vai além do ób­vio, co­mo não be­ber e di­ri­gir ou usar smartpho­nes. Bol­sas e sa­co­las tam­bém po­dem atra­pa­lhar, apon­ta a psi­có­lo­ga Es­ter Tor­res, do cen­tro de trei­na­men­to Di­ri­gin­do Bem. “O cor­re­to é não dei­xar ob­je­tos sol­tos no in­te­ri­or do veí­cu­lo, pois em ca­so de aci­den­te po­dem ser pro­je­ta­dos con­tra os ocu­pan­tes.”

Ou­tro er­ro co­mum é no trans­por­te de ani­mais, acres­cen­ta Es­ter. Sa­be aque­le cão­zi­nho bo­ni­ti­nho com a ca­be­ça pa­ra fo­ra da ja­ne­la, cur­tin­do o ven­to e a pai­sa­gem? Não po­de. “É proi­bi­do o trans­por­tes de ani­mais sol­tos, no co­lo dos pas­sa­gei­ros ou no ban­co da fren­te”.

“Só é per­mi­ti­do o trans­por­te de ani­mais pre­sos ao cin­to de se­gu­ran­ça com co­lei­ras es­pe­ci­ais pa­ra es­se fim, em cai­xas de trans­por­tes pa­ra ani­mais acon­di­ci­o­na­das no por­ta-ma­las ou acen­tos es­pe­ci­ais pa­ra cães de pe­que­no por­te, sem­pre no ban­co tra­sei­ro e pre­so ao cin­to de se­gu­ran­ça”, ex­pli­ca Es­ter.

| MAR­CE­LO JUS­TO/FO­LHA­PRESS

Smartpho­nes são os mai­o­res cau­sa­do­res de aci­den­te de trân­si­to tan­to le­ves co­mo gra­ves

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.