O RIO COR DE SAN­GUE

An­tes sinô­ni­mo de far­tu­ra, rio Do­ce so­fre com a fal­ta de água e os im­pac­tos cau­sa­dos pe­lo mai­or de­sas­tre so­ci­o­am­bi­en­tal do país; pas­sa­dos qua­se dois anos, la­ma das mar­gens se­cou, ter­ra mor­reu e os pou­cos pei­xes ago­ni­zam com o ex­ces­so de mi­né­rio

Metro Brazil (Campinas) - - Brasil - ER­NES­TO GA­LI­OT­TO

No rio que já foi sinô­ni­mo de abun­dân­cia, as cer­cas afas­tam ani­mais com se­de. No rio que já foi sinô­ni­mo de es­pe­ran­ça, co­mu­ni­da­des in­tei­ras so­frem com as mar­cas do mi­né­rio e a água im­pró­pria pa­ra qual­quer ati­vi­da­de. No rio que já foi sinô­ni­mo de sub­sis­tên­cia, bar­cos de pes­ca­do­res apo­dre­cem pela fal­ta de uso. To­ma­do pe­los re­jei­tos da Sa­mar­co, o cur­so d’água que era Do­ce ago­ni­za e pe­de so­cor­ro. E os si­nais de des­trui­ção ain­da são ní­ti­dos. Já os de re­cu­pe­ra­ção, qua­se im­pos­sí­veis de se no­tar.

Na se­gun­da re­por­ta­gem so­bre os dois anos do rom­pi­men­to da bar­ra­gem de Fun­dão em Ma­ri­a­na (MG), o Me­tro Jor­nal traz um pa­no­ra­ma so­bre a si­tu­a­ção da ba­cia. “Um dia es­se rio vai cho­rar san­gue”, pro­fe­ti­za­va o pai de Shir­ley Kre­nak, pre­o­cu­pa­do com o im­pac­to am­bi­en­tal cau­sa­do pe­las in­dús­tri­as e a mi­ne­ra­ção pró­xi­mas ao lei­to sa­gra­do. Na re­gião que já deu no­me a uma das mai­o­res em­pre­sas do se­tor no mun­do, a sen­sa­ção é de aban­do­no e fal­ta de jus­ti­ça. “A es­sên­cia do rio foi mor­ta. O que dei­xa­va ele vi­vo eram as cri­a­tu­ras que de­le so­bre­vi­vi­am. É im­pró­prio pa­ra tu­do. As nos­sas ca­ças de­sa­pa­re­ce­ram, os pou­cos pei­xes que res­ta­ram es­tão com fe­ri­das por to­da a par­te”, con­tou a ín­dia, que des­de a tra­gé­dia não con­se­gue ir até lá. “Não é fá­cil, foi nes­se rio que apren­di a na­dar e so­bre­vi­ver”, con­ta.

Em Go­ver­na­dor Va­la­da­res, mai­or ci­da­de da ba­cia, a água que che­ga às tor­nei­ras ain­da é vis­ta com des­con­fi­an­ça pela po­pu­la­ção. “É uma tris­te­za. Nun­ca mais usei. Te­nho que com­prar água mi­ne­ral pa­ra be­ber e co­zi­nhar. Pa­ra os co­mer­ci­an­tes, vi­rou o car­ro-che­fe das ven­das”, co­men­tou Ce­li­na Araú­jo. Os pre­juí­zos não são ape­nas fi­nan­cei­ros: até man­chas ver­me­lhas co­me­ça­ram a apa­re­cer na pe­le da es­tu­dan­te Ma­ri­a­na Xa­vi­er. “Elas co­ça­vam mui­to, mas não tem ou­tro jei­to. É a água que te­mos”. O di­re­tor-ge­ral da com­pa­nhia de abas­te­ci­men­to do mu­ni­cí­pio, Alcyr Nascimento Jú­ni­or, ga­ran­te que a água é boa. “Ela é mo­ni­to­ra­da e tes­ta­da to­dos os di­as. Uti­li­za­mos um pro­du­to que já era usa­do no pe­río­do chu­vo­so pa­ra es­ta­bi­li­zar a água. To­dos os fun­ci­o­ná­ri­os da­qui fa­zem uso de­la”, ex­pli­cou. Mas pa­ra “tran­qui­li­zar” a po­pu­la­ção, a pre­fei­tu­ra vai inau­gu­rar uma no­va fon­te de cap­ta­ção.

‘Tu­do que se plan­ta, não dá’

Man­di­o­ca, fei­jão, mi­lho e até abó­bo­ra. Em sua pe­que­na pro­pri­e­da­de em Ipa­ba, no Va­le do Aço, Sebastião Nascimento, co­nhe­ci­do na re­gião co­mo Tião­zi­nho, ven­dia nas fei­ras os ali­men­tos que cul­ti­va­va per­to do rio Do­ce. Mas há dois anos, na ter­ra “on­de tu­do que se plan­ta­va, da­va”, nem um grão nas­ce mais. “Ela é du­ra, per­deu to­do o adu­bo. Não tem mais água pa­ra plan­tar e com es­sa se­ca a si­tu­a­ção es­tá pi­or. Os ca­mi­nhões só abas­te­cem du­as ve­zes por se­ma­na”.

Pa­ra o am­bi­en­ta­lis­ta Er­nes­to Ga­li­ot­to, a re­cu­pe­ra­ção do lei­to po­de le­var sé­cu­los. “O rio já vi­nha so­fren­do agressões há mui­tos anos e os pei­xes es­ta­vam con­ta­mi­na­dos com mer­cú­rio. Es­se cri­me am­bi­en­tal foi o fim. Aque­le re­sí­duo que se de­po­si­tou no fun­do vai ser uma pra­ga que le­va­rá tal- vez sé­cu­los pa­ra su­mir”, ex­pli­cou. E o des­ma­ta­men­to das mar­gens tam­bém pe­sa nes­sa ba­lan­ça. “Pra­ti­ca­men­te não exis­tem gran­des áre­as ver­des. Ain­da tem a po­lui­ção das in­dús­tri­as. É ca­da água den­sa que cai di­re­ta­men­te”, dis­se.

A di­re­to­ra da Fun­da­ção Re­no­va, An­drea Azevedo, en­fa­ti­zou que um pla­no de ma­ne­jo do rio Do­ce foi apro­va­do re­cen­te­men­te pe­lo Iba­ma e de­ve ser exe­cu­ta­do em até três anos. In­for­mou ain­da in­ves­ti­men­tos de R$ 32 mi­lhões no abas­te­ci­men­to de Go­ver­na­dor Va­la­da­res. Qu­es­ti­o­na­da so­bre os efei­tos da se­ca pro­lon­ga­da pa­ra os pro­du­to­res ru­rais, dis­se que a Re­no­va for­ne­ce 140 mil li­tros de água por dia pa­ra as pro­pri­e­da­des, por meio de ca­mi­nhão-pi­pa.

Nas águas es­ver­de­a­das, o rio Pi­ran­ga, que não foi atin­gi­do pe­los re­jei­tos. Já o pon­to mar­rom é o rio do Car­mo, de­vas­ta­do pe­lo rom­pi­men­to de Fun­dão. Os dois for­mam o Do­ce

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.