No Es­pí­ri­to San­to, água mu­da ci­da­des

Metro Brazil (Campinas) - - Brasil -

Du­as se­ma­nas de­pois do rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Sa­mar­co, fo­ram as águas do rio Do­ce no Es­pí­ri­to San­to que co­me­ça­ram a mu­dar de cor. Lo­go em se­gui­da, o mar de Re­gên­cia, nor­te de Li­nha­res, es­ta­va con­ta­mi­na­do pe­los re­jei­tos da bar­ra­gem. Um ca­mi­nho que mu­dou a re­a­li­da­de de mo­ra­do­res de Co­la­ti­na, Fun­dão, Re­gên­cia e Ma­ri­lân­dia.

Em Co­la­ti­na, até hoje os mo­ra­do­res sen­tem um cer­to re­ceio de con­su­mir a água cap­ta­da do rio Do­ce. Si­tua- ção agra­va­da pela se­ca, que afe­ta o mu­ni­cí­pio.

Es­tu­do fei­to por pes­qui­sa­do­res da Ufes (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Es­pí­ri­to San­to), du­ran­te se­te ex­pe­di­ções re­a­li­za­das à foz do rio a par­tir da che­ga­da da la­ma no li­to­ral ca­pi­xa­ba, apon­ta que ain­da exis­te mui­to ma­te­ri­al oriun­do da que­da das bar­ra­gens na ca­lha do rio, o que sig­ni­fi­ca que em épo­cas de chu­va de­ve ocor­rer o au­men­to da pre­sen­ça des­ses ma­te­ri­ais nas aná­li­ses.

Se­gun­do a Fun­da­ção Re­no- va, a pre­sen­ça de me­tais nas aná­li­ses da água bru­ta es­tá de acor­do com o pa­drão dos re­sul­ta­dos que eram ob­ti­dos na ba­cia an­tes da pas­sa­gem dos re­jei­tos. Is­so sig­ni­fi­ca que a água po­de ser re­ti­ra­da do rio pa­ra que se­ja de­vi­da­men­te tra­ta­da an­tes da dis­tri­bui­ção pela re­de de abas­te­ci­men­to.

Em agos­to foi ini­ci­a­do um mo­ni­to­ra­men­to au­to­má­ti­co por meio de 22 no­vas es­ta­ções. Os da­dos são co­le­ta­dos tam­bém em 56 pon­tos ao lon­go do rio Do­ce e em 36 da zo­na cos­tei­ra.

| GA­BRI­EL LORDÊLLO/MOSAICO IMA­GEM

A la­ma en­con­tra o mar de Re­gên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.