‘Lei dos Pu­xa­di­nhos’ vai re­gu­la­ri­zar gran­des áre­as

Com uma es­ti­ma­ti­va de 350 mil imó­veis clan­des­ti­nos, nova lei vai in­cluir pré­di­os su­pe­ri­o­res a 1,5 mil m2. Tam­bém vai exi­gir o EIV (Es­tu­do de Im­pac­to de Vi­zi­nhan­ça). A nova le­gis­la­ção vai ter um pe­río­do tran­si­tó­rio para não es­ti­mu­lar a ir­re­gu­la­ri­da­de

Metro Brazil (Campinas) - - Primeira Página -

A cha­ma­da “Lei dos Pu­xa­di­nhos” – que pre­ten­de pro­mo­ver uma am­pla re­gu­la­ri­za­ção de imó­veis ho­je con­si­de­ra­dos clan­des­ti­nos em Cam­pi­nas – vai atin­gir tam­bém as gran­des áre­as, se­gun­do in­for­mou o se­cre­tá­rio de Pla­ne­ja­men­to, Car­los Au­gus­to San­to­ro.

De acor­do com ele, a ideia é in­cluir no pro­ces­so de le­ga­li­za­ção, ca­sos de cons­tru­ções con­ce­bi­das para uma de­ter­mi­na­da fun­ção, mas que aca­ba­ram ga­nhan­do fi­na­li­da­de di­fe­ren­te.

“Nós te­mos mui­tos ca- sos, por exem­plo, de bar­ra­cões que se tor­na­ram es­co­las, ou ou­tra ati­vi­da­de que ge­ra gran­de movimento de pes­so­as”, lem­brou ele.

San­to­ro diz que para a re­gu­la­ri­za­ção des­sas gran­des áre­as, a nova lei vai exi­gir tam­bém o cha­ma­do EIV (Es­tu­do de Im­pac­to de Vi­zi­nhan­ça).

Ou­tra no­vi­da­de, se­gun­do o se­cre­tá­rio, se­rá a ins­ti­tui­ção de ape­nas uma re­gu­la­ri­za­ção. Por con­ta dis­so, a lei de­ve­rá ter o ca­rá­ter tran­si­tó­rio, ape­nas para o pe­río­do da re­gu­la­ri­za­ção. A lei an- te­ri­or pre­via dois anos de va­li­da­de.

O se­cre­tá­rio diz que não há es­ti­ma­ti­va do nú­me­ro de imó­veis em si­tu­a­ção ir­re­gu­lar em Cam­pi­nas, mas o ve­re­a­dor José Car­los Sil­va (PSB) – au­tor do pri­mei­ro pro­je­to a res­pei­to do as­sun­to – es­ti­ma que se­ja al­go em tor­no de 350 mil re­si­dên­ci­as em to­da a ci­da­de.

No iní­cio des­te ano, a pre­fei­tu­ra dis­tri­buiu 470 mil car­nês de IPTU – que são os imó­veis con­si­de­ra­dos re­gu­la­ri­za­dos na ci­da­de.

No pro­je­to de lei do ve­re­a­dor, a re­gu­la­ri­za­ção atin­gi­ria imó­veis de até 1,5 mil m2. .

Pla­no Diretor

O se­cre­tá­rio de Pla­ne­ja­men­to cri­ti­cou du­ra­men­te o po­si­ci­o­na­men­to do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que conseguiu na Jus­ti­ça a sus­pen­são de pon­tos do Pla­no Diretor.

Na se­ma­na pas­sa­da, o de­sem­bar­ga­dor Sér­gio Rui, do TJ-SP (Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de São Pau­lo) de­ter­mi­nou a sus­pen­são de 36 pon­tos do Pla­no ale­gan­do fal­ta de par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar. Além dis­so, afir­ma que pre­fei­tu­ra te­ria dei­xa- a do para de­fi­nir por de­cre­to, os li­mi­tes das áre­as po­ten­ci­ais para gran­des em­pre­en­di­men­tos.

“Fal­ta de par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar não hou­ve. Só nós fi­ze­mos mais de 50 reu­niões em to­das as re­giões da ci­da­de”, dis­se. “Nun­ca um pla­no foi tão dis­cu­ti­do as­sim”, dis­se ele.

Sobre as áre­as, o se­cre­tá­rio diz que es­tão “per­fei­ta­men­te” de­li­mi­ta­das. “O Joc­key, por exem­plo, tem área de­fi­ni­da em car­tó­rio, as­sim co­mo to­das as áre­as”, ar­gu­men­ta.

“Para mim foi uma de­cep­ção enor­me que a Jus­ti­ça te­nha ti­do es­se en­ten­di­men­to. Me pa­re­ce que não es­tu­da­ram di­rei­to (o pro­ces­so)”. San­to­ro ga­ran­tiu que vai de­mons­trar a le­ga­li­da­de dos pro­ce­di­men­tos.

| DENNY CESARE/FO­LHA­PRESS

Ocu­pa­ção ir­re­gu­lar no Jar­dim Sa­té­li­te Irís 2

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.