MAR­COS DO VAL

“Ban­di­do bom é ban­di­do pre­so e con­de­na­do”

Metro Brazil (Curitiba) - - BRASIL -

Ce­le­bri­da­de no Fa­ce­bo­ok, o ‘bra­si­lei­ro na Swat’ Mar­cos do Val bus­ca his­tó­ri­as ins­pi­ra­do­ras de po­li­ci­ais e diz que a ba­na­li­za­ção da vi­o­lên­cia nas re­des so­ci­ais “não é o ca­mi­nho” da clas­se pa­ra ser res­pei­ta­da.

Co­mo vo­cê ti­rou a ideia do prê­mio do pa­pel?

Pri­mei­ro pro­cu­rei um de­pu­ta­do pa­ra ser fei­to um pro­je­to, mas não vin­gou. Aí eu bus­quei a Tau­rus, que es­ta­va pas­san­do por re­es­tru­tu­ra­ção e es­sa equi­pe que en­trou tem uma vi­são di­fe­ren­ci­a­da. A ban­dei­ra da em­pre­sa é a ino­va­ção. Eles me con­ven­ce­ram que se­ria in­te­res­san­te in­cluir es­sa ca­te­go­ria no prê­mio, e fui ven­do mui­tas his­tó­ri­as de re­la­ção da po­lí­cia com a so­ci­e­da­de. Eu que­ro exem­plos, que­ro que o ga­ro­to que es­tá na co­mu­ni­da­de dei­xe de ido­la­trar o tra- fi­can­te e pas­se a ad­mi­rar o po­li­ci­al.

Vo­cê con­si­de­ra que o des­gas­te da ima­gem da po­lí­cia es­tá di­mi­nuin­do?

Con­si­de­ro. Na épo­ca em que os po­li­ci­ais fo­ram pa­ra as re­des so­ci­ais, era mui­ta pá­gi­na de­les se co­mu­ni­can­do com eles mes­mos. Só da­va fo­to de ban­di­do sen­do mor­to, vi­o­len­ta­do, e eu co­me­cei a fa­lar que não é es­se o ca­mi­nho pra se ter o res­pei­to da po­pu­la­ção. Sem­pre le­van­tei a ban­dei­ra que o ban­di­do bom é ban­di­do pre­so e con­de­na­do. E aos pou­cos as pes­so­as co­me­ça­ram a ver que a mai­o­ria da po­lí­cia faz um tra­ba­lho hon­ra­do.

O prê­mio tem al­gu­ma res­tri­ção com his­tó­ri­as que ter­mi­nam em mor­te?

A gen­te es­co­lhe o ato de bra­vu­ra, de pro­te­ção da vi- da. Tem al­gu­mas his­tó­ri­as em que hou­ve a ne­ces­si­da­de de ti­rar a vi­da do agres­sor. Em ou­tras ele só foi pre­so, em ou­tras hou­ve sui­cí­dio. O que a gen­te pri­o­ri­za é a pre­ser­va­ção da vi­da. A gen­te bo­ta pa­ra vo­ta­ção e a pre­fe­rên­cia até aqui es­tá sen­do mais no sen­ti­do de pre­ser­va­ção da vi­da.

Co­mo tem si­do a re­cep­ção ao pa­tro­cí­nio da Tau­rus? Há até pou­co tem­po, a po­lí­cia cos­tu­ma­va re­cla­mar do equi­pa­men­to de­les...

Quan­do eu co­me­cei a fa­lar des­se pro­je­to, os ‘ha­ters’ vi­e­ram pa­ra ci­ma de mim co­mo se eu es­ti­ves­se que­ren­do ‘lim­par a ima­gem’ da Tau­rus. E a Tau­rus te­ve três fa­ses na his­to­ria de­la: na pri­mei­ra, ga­nhou no­me e se tor­nou internacional. Na se­gun­da, o do­no mor­reu e a pes­soa que as­su­miu dei­xou a qua­li­da­de cair. Ela só não fa­liu por­que a CBC com­prou a em­pre­sa em 2014. A se­gun­da fa­se foi a que des­truiu a ima­gem da Tau­rus. Mas ago­ra é uma no­va em­pre­sa e a par­ce­ria com eles me­lho­rou o prê­mio, a ideia da ca­te­go­ria ino­va­ção agre­gou mui­to.

Por que le­var o ven­ce­dor na­ci­o­nal pa­ra os EUA?

A po­li­cia ame­ri­ca­na é re­fe­rên­cia no mun­do in­tei­ro, é uma re­fe­rên­cia em trei­na­men­to. É a re­fe­rên­cia que Hollywo­od é pa­ra o ator da­qui. E é co­mo a gen­te diz: “sa­po do po­ço não co­nhe­ce o oce­a­no”. Por is­so de­ci­di­mos dar a eles es­sa opor­tu­ni­da­de: quan­do o po­li­ci­al bra­si­lei­ro vai lá, vol­ta com um gás, uma von­ta­de de con­ti­nu­ar tra­ba­lhan­do. Aí pen­sa­mos: “não va­mos dar o prê­mio em di­nhei­ro, não. Va­mos dar em ex­pe­ri­ên­cia de vi­da”.

DIVULGAÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.