Igual, mas di­fe­ren­te

Com­ple­tan­do um ano à fren­te da Se­le­ção, Ti­te ini­cia no­vo ci­clo re­pe­tin­do es­ca­la­ção de sua es­treia

Metro Brazil (Curitiba) - - ESPORTE - VALTER JUNIOR METRO POR­TO ALEGRE

Há um ano, Ti­te fi­nal­men­te es­tre­a­va co­mo téc­ni­co da Se­le­ção Bra­si­lei­ra. No­va­men­te, ele te­rá o Equa­dor pe­la fren­te pe­las Eliminatórias e co­lo­ca­rá no gra­ma­do da Are­na os mes­mos jo­ga­do­res es­ca­la­dos na sua es­treia. A fo­to pa­ra o jo­go das 21h45 se­rá a mes­ma, mas a mol­du­ra es­ta­rá di­fe­ren­te.

O trei­na­dor vol­tou a dei­xar a ca­mi­sa ver­de-ama­re­la bri­lhan­te. Saiu o me­do de fi­car de fo­ra da Copa do Mun­do e no lu­gar en­trou uma sé­rie de vi­tó­ri­as que trou­xe a clas­si­fi­ca­ção pa­ra a Rús­sia de ma­nei­ra an­te­ci­pa­da. O so­fri­men­to virou his­tó­ria. Ape­sar da si­tu­a­ção tran­qui­la, a res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre o pre­sen­te e o fu­tu­ro é que do­mi­na o dis­cur­so dos jo­ga­do­res.

“Não tem tran­qui­li­da­de por es­tar­mos na Copa. Nun­ca se es­tá bem. Sem­pre tem al­go que po­de ser me­lho­ra­do. Nos­sa men­ta­li­da­de não mu­da”, des­ta­cou o la­te­ral Mar­ce­lo, ca­pi­tão da equi­pe ho­je.

Mes­mo que re­pi­ta o mes­mo ti­me de sua pri­mei­ra par­ti­da e te­nha acha­do ra­pi­da­men­te um mo­do de atu­ar, o trei­na­dor con­vo­cou 55 jo­ga­do­res no pe­río­do. Após 11 jo­gos, com dez vi­tó­ri­as e uma der­ro­ta, o téc­ni­co da Se­le­ção ini­cia um no­vo ci­clo. Co­me­ça uma fa­se de pre­pa­ra­ção, mas a co­bran­ça não mu­da­rá.

“Pas­sa­mos pa­ra uma no­va eta­pa ago­ra, a Copa do Mun­do e a co­bran­ça de de­sem­pe­nho con­ti­nua. A Copa do Mun­do ini­ci­ou”, des­ta­cou o trei­na­dor, com uma fa­la que va­le de re­ca­do pa­ra os seus jo­ga­do­res.

A ga­ran­tia de um lu­gar en­tre as 32 se­le­ções que es­ta­rão na Rús­sia não mu­da­rá aqui­lo que Ti­te quer ver den­tro de cam­po. “Os jo­ga­do­res da Se­le­ção Bra­si­lei­ra es­tão pres­si­o­na­dos. O téc­ni­co quer de­sem­pe­nho”, en­fa­ti­zou, le­van­tan­do o tom da voz pa­ra dei­xar cla­ro que seu ní­vel de exi­gên­cia du­ran­te a pre­pa­ra­ção não di­mi­nui­rá.

Nas­ci­do no Rio Gran­de do Sul, al­guns ci­clos mar­can­tes da car­rei­ra do trei­na­dor fo­ram vi­vi­dos em ter­ras gaú­chas. Co­mo os tem­pos nos pe­que­nos Gu­a­rany, de Ga­ri­bal­di, e do Ve­ra­nó­po­lis, pri­mei­ros clubes pro­fis­sio- nais co­man­da­dos por Ti­te, am­bos ci­ta­dos por ele du­ran­te sua en­tre­vis­ta co­le­ti­va de on­tem.

Tra­ba­lhar no es­tá­dio do clu­be em que con­quis­tou o seu pri­mei­ro tí­tu­lo na­ci­o­nal – a Copa do Bra­sil de 2001 – me­re­ceu um des­ta­que do trei­na­dor. “O Grê­mio me aju­dou mui­to. Abriu as por­tas pa­ra um grin­go do in­te­ri­or”, dis­se, sor­rin­do.

Nes­ses mo­men­tos em que o trei­na­dor fa­lou so­bre o pas­sa­do, a fa­mí­lia e sua ter­ra na­tal, seus olhos bri­lha­ram.

“Vin­do pa­ra mi­nha ter­ra, me sin­to mais pres­si­o­na­do ain­da. Tem um com­po­nen­tes di­fe­ren­te. To­ma­ra que eu me con­tro­le”, brin­cou.

Ti­te es­tá em ca­sa e a Se­le­ção es­tá ga­ran­ti­da na Rús­sia.

BUDA MEN­DES/GETTY IMAGES

Trei­na­dor per­deu so­men­te um jo­go com o Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.