RE­DE SO­CI­AL MACABRA

NA HQ ‘UN­FOL­LOW’, IN­TER­NAU­TAS PA­GAM CA­RO PE­LA FOR­TU­NA

Metro Brazil (Curitiba) - - FRONT PAGE - BRU­NO BUCIS ME­TRO BRA­SÍ­LIA

Um mi­li­o­ná­rio cri­a­dor de uma re­de so­ci­al es­tá com uma doença ter­mi­nal. Sem fa­mí­lia, ele de­ci­de cri­ar um ex­pe­ri­men­to so­ci­al sá­di­co.

O ri­ca­ço anuncia en­tão que do­a­rá uma for­tu­na de US$ 18,4 bi­lhões pa­ra 140 usuá­ri­os de seu apli­ca­ti­vo – se­le­ci­o­na­dos de for­ma apa­ren­te­men­te ale­a­tó­ria – e di­vi­di­rá o di­nhei­ro igual­men­te en­tre eles.

O que pa­re­cia um gol­pe sor­te, po­rém, se re­ve­la uma ca­ça­da: se al­gum dos 140 her­dei­ros mor­re, a for­tu­na é di­vi­di­da igual­men­te pe­los res­tan­tes. Quem so­bre­vi­ver após o pra­zo de um ano re­ce­be­rá o di­nhei­ro. Mais do que di­nhei­ro, por­tan­to, Lar­ry Fer­rell es­tá dis­tri­buin­do vi­o­lên­cia.

Es­sa é a tra­ma da HQ “Un­fol­low”. Pu­bli­ca­da nos EUA em 18 edi­ções, en­tre 2015 e abril des­te ano, ela che­ga ao Bra­sil em três es­pe­ci­ais, sen­do que o pri­mei­ro já es­tá nas ban­cas.

A his­tó­ria é cha­ma­ti­va e ci­ne­ma­to­grá­fi­ca – a tra­ma po­de­ria fa­cil­men­te es­tar, in­clu­si­ve, em um epi­só­dio da sé­rie de fic­ção “Black Mir­ror”, da Net­flix. A nar­ra­ti­va é per­me­a­da por tuí­tes dos per­so­na­gens, e a obs­ses­são por pos­tar e com­par­ti­lhar é um te­ma de evi­den­te crí­ti­ca ao lon­go da tra­ma.

O que tor­na a re­vis­ta uma lei­tu­ra ins­ti­gan­te não é só o con­cei­to, mas a com­ple­xi­da­de dos per­so­na­gens se­le­ci­o­na­dos pa­ra a dis­pu­ta. A mai­o­ria de­les bus­ca for­tu­na, en­fren­ta trau­mas e tem his­tó­ri­co de vi­o­lên­cia – o que faz o lei­tor du­vi­dar um tan­to do tal “sorteio”.

Há nu­dez, san­gue e vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca em ca­da uma das seis par­tes da his­tó­ria, mas, cu­ri­o­sa­men­te, não há tan­tas mor­tes.

Nes­te vo­lu­me, o ro­te­ris­ta Rob Wil­li­ams tem o bri­lhan­te cui­da­do de apre­sen­tar o pas­sa­do dos per­so­na­gens e fa­zer com o que o lei­tor tor- ça pa­ra eles. Cons­truí­da a fa­mi­li­a­ri­da­de, só en­tão ele pas­sa a ma­tá-los – al­go pa­re­ci­do com o que acon­te­ce em “Ga­me of Th­ro­nes”.

Ape­sar de o ro­tei­ro ser a for­ça mo­triz do qua­dri­nho, a ar­te não dei­xa a de­se­jar. Mes­mo que si­ga o tra­ço clás­si­co de su­per-he­rói, o ar­tis­ta Mi­ke Do­wling usa as co­res de ma­nei­ra in­ten­sa.

A me­tá­fo­ra dos fe­li­nos que re­pre­sen­tam o mal na his­tó­ria ga­nha ares poé­ti­cos e per­tu­ba­do­res com os de­se­nhos, as­sim co­mo a más­ca­ra do sar­cás­ti­co vi­lão Ri­bens­tein – que pa­re­ce per­der to­da sua hu­ma­ni­da­de ao ves­ti-la.

O me­lhor per­so­na­gem da tra­ma, po­rém, é o ar­tis­ta plás­ti­co ja­po­nês Aki­ra, que, sem que­rer, aca­ba in­ven­tan­do o jo­go do qual ele é uma ví­ti­ma em po­ten­ci­al.

| REPRODUÇÃO

Ru­bens­tein é o ma­ni­pu­la­dor vi­lão da tra­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.