No­vos apps aju­dam a es­co­lher pro­fis­são

Tec­no­lo­gia que vi­rou o mun­do do tra­ba­lho de ca­be­ça pa­ra bai­xo en­tra em cam­po pa­ra aju­dar jo­vens a de­ci­di­rem su­as car­rei­ras; pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas, não há pro­ble­mas, des­de que re­cur­so não de­ter­mi­ne es­co­lhas

Metro Brazil (Curitiba) - - EDUCAÇÃO - CARLOS MINUANO ME­TRO SÃO PAU­LO

Ser um en­ge­nhei­ro ou um you­tu­ber? Com ra­ras ex­ce­ções, a ho­ra de de­ci­dir por uma car­rei­ra cos­tu­ma ser um mo­men­to de mui­tas in­da­ga­ções e in­cer­te­zas. Ho­je, pa­ra pi­o­rar o ce­ná­rio de dú­vi­das, ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas des­cor­ti­nam um horizonte de pro­fis­sões há bem pou­co tem­po im­pen­sá­veis. Mas a mes­ma tec­no­lo­gia que vi­rou o mun­do do tra­ba­lho de ca­be­ça pa­ra bai­xo po­de dar uma aju­da pa­ra quem ainda não es­tá mui­to cer­to so­bre o que fa­zer de seu fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal. Dois no­vos apli­ca­ti­vos ga­ran­tem au­xi­li­ar os es­tu­dan­tes a des­co­bri­rem ta­len­tos e opor­tu­ni­da­des.

Um de­les, e o mais re­cen­te, é o apli­ca­ti­vo Quiz Pro­fis­sões, de­sen­vol­vi­do pe­la Uni­ver­si­da­de Po­si­ti­vo, de Cu­ri­ti­ba. Gra­tui­to e dis­po­ní­vel pa­ra os sis­te­mas An­droid e iOS, em for­ma­to de tes­te, ele traz ques­tões co­muns às mais va­ri­a­das pro­fis­sões. E, ape­sar do ob­je­ti­vo de aju­dar a es­co­lher uma pro­fis­são, a ideia não é en­tre­gar res­pos­tas, mas es­ti­mu­lar a fa­zer as per­gun­tas cer­tas, diz Sa­ma­rah Frei­tas, pro­fes­so­ra de psi­co­lo­gia da Uni­ver­si­da­de Po­si­ti­vo, e que par­ti­ci­pou do de­sen­vol­vi­men­to do app.

“Não de­ter­mi­na­mos em ne­nhum mo­men­to a área que a pes­soa de­ve tra­ba­lhar, mas ques­ti­o­na­mos, por exem­plo o que ela se ima­gi­na fa­zen­do, se pre­fe­re tra­ba­lhar num la­bo­ra­tó­rio, ou aten­den­do pes­so­as?”, ar­gu­men­ta Sa­ma­rah.

Ou­tro apli­ca­ti­vo, ba­ti­za­do de Pro­fis­sApp, tam­bém gra­tui­to e dis­po­ní­vel pa­ra An­droid e iOS, tem o mes­mo ob­je­ti­vo, ou se­ja, aju­dar na es­co­lha da car­rei­ra, mas por uma via um pou­co di­fe­ren­te. De­sen­vol­vi­do por pro­fes­so­res do en­si­no mé­dio da re­de es­ta­du­al do Rio de Ja­nei­ro, ele ofe­re­ce in­for­ma­ções e ti­ra dú­vi­das so­bre pro­fis­sões, pro­ces­sos se­le­ti­vos, cur­sos téc­ni­cos e uni­ver­si­tá­ri­os, jo­gos vo­ca­ci­o­nais, além de ter um ma­pa com a lo­ca­li­za­ção das fa­cul­da­des.

“Pen­sa­mos em uma fer­ra­men­ta de fá­cil aces­so que pu­des­se aju­dá-los na bus­ca pe­las in­for­ma­ções e pa­ra mos­trar que exis­tem di­ver­sos ca­mi­nhos pos­sí­veis, ali­nha­dos aos in­te­res­ses de ca­da um”, con­ta a pro­fes­so­ra de por­tu­guês e li­te­ra­tu­ra, Suiá Ca­val­can­ti, co­au­to­ra do apli­ca­ti­vo.

Aju­da ou atra­pa­lha?

Se es­ti­mu­la­rem a re­fle­xão e o au­to­co­nhe­ci­men­to, os apli­ca­ti­vos que bus­cam aju­dar na de­ci­são da car­rei­ra po­dem ser in­te­res­san­tes, diz Ana­maí­ra Spag­gi­a­ri, Ge­ren­te de Pro­du­tos de Edu­ca­ção da Fun­da­ção Es­tu­dar. Mas, ela ob­ser­va que, no fim das con­tas, o im­por­tan­te é que a es­co­lha per­ma­ne­ça sem­pre nas mãos do jo­vem.

“Os apli­ca­ti­vos po­dem até aju­dar, mas não vão dar uma res­pos­ta de­fi­ni­ti­va, as­sim co­mo ne­nhum ou­tro re­cur­so ou fer­ra­men­ta po­de­rá de­ter­mi­nar o que al­guém de­ve ou não fa­zer”, afir­ma Ana­maí­ra. Aliás, ela acres­cen­ta um to­que im­por­tan­te: “Se o app se pro­pu­ser a dar uma res­pos­ta fi­nal, des­con­fie”.

|DI­VUL­GA­ÇÃO

Au­to­co­nhe­ci­men­to é o que de­ter­mi­na acer­to na es­co­lha pro­fis­si­o­nal, afir­mam edu­ca­do­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.