Lu­la so­fre se­gun­da de­nún­cia na Ze­lo­tes

Ze­lo­tes. Sé­ti­ma acu­sa­ção con­tra o pe­tis­ta apon­ta que ele e Gil­ber­to Car­va­lho me­di­a­ram pro­pi­na ao PT em tro­ca de be­ne­fí­ci­os fis­cais a em­pre­sas

Metro Brazil (Curitiba) - - FRONT PAGE - Www.metrojornal.com.br

Além da La­va Ja­to. De­pois de ser acu­sa­do de re­ce­ber be­ne­fí­ci­os pa­ra a com­pra de ca­ças su­e­cos, ex-pre­si­den­te res­pon­de­rá por re­pas­se de R$ 6 mi­lhões ao PT, su­pos­ta­men­te em tro­ca de MP pa­ra mon­ta­do­ras

O ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Silva foi al­vo de sua se­gun­da de­nún­cia na Ope­ra­ção Ze­lo­tes – e sé­ti­ma no to­tal –, acu­sa­do de “ven­der”, ao la­do de seu ex-che­fe de ga­bi­ne­te Gil­ber­to Car­va­lho, uma MP (Me­di­da Pro­vi­só­ria) a du­as mon­ta­do­ras de veí­cu­los, em 2009, por R$ 6 mi­lhões. O di­nhei­ro te­ria si­do pa­go pa­ra cam­pa­nhas do PT.

A de­nún­cia foi fei­ta na úl­ti­ma sex­ta e re­ve­la­da on­tem pe­lo MPF-DF (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Dis­tri­to Fe­de­ral), que acu­sa se­te pes­so­as.

Além de Lu­la e Car­va­lho, são pro­ces­sa­dos os do­nos de du­as mon­ta­do­ras – Ca­oa e MMC, am­bas de Goiás, que fa­bri­cam as mar­cas Hyun­dai e Mit­su­bishi, res­pec­ti­va­men­te – e três res­pon­sá­veis por em­pre­sas que in­ter­me­di­a­ram a pro­pi­na e fi­ze­ram um “lobby” ile­gal jun­to à Pre­si- dên­cia, se­gun­do o MPF.

Na ou­tra ação em que já é réu na Ze­lo­tes, Lu­la é acu­sa­do de re­ce­ber, ao la­do do filho Luís Cláu­dio, R$ 2,5 mi­lhões pe­la in­fluên­cia pa­ra que a FAB (For­ça Aé­rea Bra­si­lei­ra) com­pras­se ca­ças su­e­cos, além de be­ne­fí­ci­os a mon­ta­do­ras.

“Co­la­bo­ra­do­res”

As prin­ci­pais pro­vas des­te pro­ces­so são ano­ta­ções e re­la­tó­ri­os in­ter­nos tro­ca­dos en­tre só­ci­os da SGR Con­sul­to­ria, uma em­pre­sa que fez, ao la­do do lo­bis­ta Mauro Mau­to­ni – tam­bém réu no ou­tro pro- ces­so da Ze­lo­tes –, o “meio de cam­po” en­tre as mon­ta­do­ras e a Pre­si­dên­cia.

Os re­la­tó­ri­os in­di­cam que Lu­la e Gil­ber­to Car­va­lho eram tra­ta­dos co­mo “co­la­bo­ra­do­res”, e se reu­ni­ram pes­so­al­men­te com Mau­to­ni.

O es­que­ma te­ria co­me­ça- do em ju­lho de 2009, quan­do a Ca­oa e a MMC bus­ca­ram os lo­bis­tas (SGR e Mau­to­ni) pa­ra pror­ro­gar um in­cen­ti­vo fiscal ao se­tor au­to­mo­ti­vo que aca­ba­ria ao fi­nal de 2010, além de li­vrar a MMC de uma mul­ta de R$ 265 mi­lhões.

O acor­do ini­ci­al pre­via que as mon­ta­do­ras pa­gas­sem R$ 33 mi­lhões aos lo­bis­tas, dos quais 40% vi­ra­ri­am pro­pi­na ao PT. Du­ran­te as con­ver­sas, po­rém, a Ca­oa de­sis­tiu e dei­xou a MMC so­zi­nha pa­ra pa­gar a pro­pi­na.

Na re­ne­go­ci­a­ção dos va­lo­res, os re­la­tó­ri­os da SGR apon­tam que os “co­la­bo­ra­do­res” [Lu­la e Car­va­lho] pe­di­ram R$ 10 mi­lhões, mas Mau­to­ni con­se­guiu bai­xar a pro­mes­sa pa­ra R$ 6 mi­lhões.

Em novembro de 2009, cin­co me­ses após o co­me­ço das tra­ta­ti­vas, a MP 471/09 foi apro­va­da nos mol­des de- se­ja­dos pe­las mon­ta­do­ras. E-mails en­tre os acu­sa­dos in­di­cam que um dos lo­bis­tas “re­di­giu a me­di­da pro­vi­só­ria em con­jun­to com o Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da”, e que “re­ce­beu a re­da­ção fi­nal e a re­en­ca­mi­nhou” às mon­ta­do­ras an­tes que fos­se pu­bli­ca­da e até nu­me­ra­da pe­lo go­ver­no.

O Ins­ti­tu­to Lu­la afir­ma, em no­ta, que a de­nún­cia “não é ape­nas im­pro­ce­den­te, mas in­ju­rí­di­ca e imo­ral”, já que o mes­mo ca­so já foi al­vo de ou­tro pro­ces­so, e que os trâ­mi­tes da MP 471 “são ab­so­lu­ta­men­te cor­re­tos”. A de­fe­sa de Gil­ber­to Car­va­lho, que tem ne­ga­do as sus­pei­tas, não foi lo­ca­li­za­da. A HPE Au­tos – an­ti­ga MMC – foi pro­cu­ra­da, mas não deu res­pos­ta. Já a Ca­oa afir­ma que “ja­mais ce­le­brou con­tra­tos nem re­a­li­zou pa­ga­men­tos” aos in­ves­ti­ga­dos.

| REPRODUÇÃO / MPF-DF

Ano­ta­ção de lo­bis­ta re­gis­tra “café” – que se­ria pro­pi­na – pa­ra Gil­ber­to Car­va­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.