Pre­so por pe­dir nu­des e ex­tor­quir

Polícia de Bra­sí­lia pren­de no Rio Gran­de do Norte es­tu­dan­te que se pas­sa­va por mu­lher em re­des so­ci­ais pa­ra con­se­guir fo­tos e ti­rar di­nhei­ro das ví­ti­mas. Ele exi­gia de R$ 300 a 1,5 mil pa­ra não di­vul­gar ima­gens

Metro Brazil (Curitiba) - - BRASIL - Www.metrojornal.com.br RAPHAEL VELEDA ME­TRO BRA­SÍ­LIA

A Polícia Ci­vil do DF pren­deu um es­tu­dan­te de psi­co­lo­gia de 23 anos na re­gião me­tro­po­li­ta­na de Na­tal (RN). Ele é acu­sa­do de en­ga­nar vir­tu­al­men­te e ex­tor­quir pe­lo me­nos cin­co mu­lhe­res de Bra­sí­lia, in­cluin­do du­as me­no­res de ida­de. Os in­ves­ti­ga­do­res sus­pei­tam, con­tu­do, que o nú­me­ro de ví­ti­mas em to­do o Bra­sil che­gue a mil. O sus­pei­to foi tra­zi­do pa­ra o DF on­tem e cum­pre pri­são tem­po­rá­ria de 30 di­as. Em seu com­pu­ta­dor, a polícia en­con­trou 10 mil ima­gens de con­teú­do por­no­grá­fi­co. O ho­mem, que não te­ve o no­me di­vul­ga­do por­que a Jus­ti­ça co­lo­cou o ca­so sob si­gi­lo, é acu­sa­do pe­la polícia de ex­tor­são, ar­ma­ze­na­men­to de con­teú­do por­no­grá­fi­co de me­no­res, la­va­gem do di­nhei­ro ex­tor­qui­do e es­tu­pro vir­tu­al.

Nas re­des so­ci­ais, co­mo Fa­ce­bo­ok e Snap­chat, o sus­pei­to cos­tu­ma­va se apre­sen­tar co­mo ‘Ga­bi’ em per­fis fal­sos, com fo­tos rou­ba­das. De acor- do com a in­ves­ti­ga­ção, ele fa­zia ami­gas vir­tu­ais, de­sen­vol­veu uma téc­ni­ca de se­du­ção e, quan­do con­quis­ta­va a con­fi­an­ça das ví­ti­mas, su­ge­ria que tro­cas­sem fo­tos ín­ti­mas, po­pu­lar­men­te cha­ma­das de “nu­des” na in­ter­net. Quan- do con­se­guia as ima­gens, o sus­pei­to con­fes­sa­va não ser qu­em di­zia e co­me­ça­va a ex­tor­quir as ví­ti­mas – ele exi­gia de R$ 300 a R$ 1,5 mil de ca­da, se­gun­do a polícia, pa­ra não di­vul­gar as ima­gens.

“Qu­em caiu nes­se gol­pe in­fe­liz­men­te não se pre­o­cu­pou o su­fi­ci­en­te com qu­em es­ta­va do ou­tro la­do. A in­ter­net é um am­bi­en­te ain­da no­vo, mas fa­zer is­so é co­mo dei­xar o por­tão de casa aber­to”, com­pa­ra a de­le­ga­da San­dra Gomes, che­fe da De­le­ga­cia Es­pe­ci­al de Aten­di­men­to à Mu­lher, que che­gou ao sus­pei­to após dois me­ses e meio de in­ves­ti­ga­ção.

Ao ser pre­so, se­gun­do a de­le­ga­da, o es­tu­dan­te uni­ver­si- tá­rio che­gou a iro­ni­zar que a polícia “de­mo­rou” a en­con­trá-lo. O pró­prio pre­so te­ria di­to que en­ga­na­va mu­lhe­res vir­tu­al­men­te des­de 2012, mas que ape­nas em 2017 te­ria co­me­ça­do a ver os cri­mes co­mo um ne­gó­cio lu­cra­ti­vo.

Co­nhe­ci­men­tos

Pa­ra des­pis­tar in­ves­ti­ga­ções, o sus­pei­to pre­so no Rio Gran­de do Norte usa­va téc­ni­cas pa­ra uti­li­zar iden­ti­da­des vir­tu­ais, os IPs, de ou­tros paí­ses e obri­ga­va as ví­ti­mas a pa­gar os ‘res­ga­tes’ por meio de mo­e­das vir­tu­ais.

| DI­VUL­GA­ÇÃO/PCDF

Sus­pei­to não foi iden­ti­fi­ca­do por de­ci­são da Jus­ti­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.