Al­ta da pas­sa­gem ge­ra ‘mar­gem’ de R$ 22 mi

Des­de fe­ve­rei­ro, qu­an­do Pre­fei­tu­ra au­men­tou a pas­sa­gem de R$ 3,70 pa­ra R$ 4,25, R$ 22 mi­lhões fo­ram eco­no­mi­za­dos em fun­do ad­mi­nis­tra­do pe­la pre­fei­tu­ra. Va­lor po­de­ria com­prar 22 bi­ar­ti­cu­la­dos, mas im­pas­se en­tre em­pre­sas, Urbs e Jus­ti­ça tra­va pro­ces­so

Metro Brazil (Curitiba) - - FRONT PAGE - BRUNNO BRUGNOLO METRO CURITIBA

Com o au­men­to da pas­sa­gem de R$3,70 pa­ra R$ 4,25, em 6 de fe­ve­rei­ro, a Urbs deu iní­cio a um “col­chão” no FUC (Fun­do de Ur­ba­ni­za­ção de Curitiba), que ale­ga­da­men­te ser­vi­ria pa­ra a com­pra dos no­vos veí­cu­los. Na se­ma­na pas­sa­da, es­te mon­tan­te che­gou aos R$ 22 mi­lhões – va­lor acu­mu­la­do pe­la di­fe­ren­ça en­tre o que o usuá­rio pa­ga em pas­sa­gem e o que o mu­ni­cí­pio re­pas­sa às em­pre­sas, a cha­ma­da ta­ri­fa téc­ni­ca.

No iní­cio de fe­ve­rei­ro, o pre­fei­to Ra­fa­el Gre­ca ( PMN) su­biu em qua­se 15% a pas­sa­gem com a pro­mes­sa de re­no­var a fro­ta e com­prar 24 li­gei­rões pa­ra aten­der a li­nha San­ta Cân­di­da-Ca­pão Ra­so. Pas­sa­dos qua­se oi­to me­ses, a re­no­va­ção se­gue pa­ra­da pe­lo im­pas­se da Pre­fei­tu­ra com as em­pre­sas. O mu­ni­cí­pio ten­ta fa­zer com que os em­pre­sá­ri­os de­sis­tam de ações ju­di­ci­ais, pois há qua­tro anos uma li­mi­nar as de­so­bri­ga da com­pra de no­vos ôni­bus.

“Va­mos re­sol­ver [a ques­tão] an­tes do fim do ano”, diz o se­cre­tá­rio de Go­ver­no, Luiz Fer­nan­do Ja­mur, não des­car­tan­do in­clu­si­ve a cri­a­ção de uma fro­ta pú­bli­ca in­de­pen­den­te das em­pre­sas.

Es­ta ideia foi lan­ça­da pe­lo pre­fei­to em agos­to du­ran­te uma au­di­ên­cia na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal, mas ain­da não an­dou. Su­pos­ta­men­te, a no­va fro­ta ro­da­ria na Li­nha Ver­de.

En­quan­to na­da dis­so se de­fi­ne, a pre­fei­tu­ra ten­ta acer­tar os pon­tos com o TCE-PR (Tri­bu­nal de Con­tas do Paraná) pa­ra evi­tar pas­si­vos fu­tu­ros. “Es­ta­mos tra­ba­lhan­do com o tri­bu­nal pa­ra po­der­mos fa­zer es­se adi­ta- men­to no con­tra­to”, ex­pli­ca o se­cre­tá­rio Ja­mur.

Vá­ri­as ta­ri­fas

Des­de o co­me­ço do ano a ta­ri­fa téc­ni­ca das em­pre­sas já te­ve qua­tro va­lo­res. Em ja­nei­ro ele era de R$ 3,66, e pas­sou pa­ra R$ 3,98 no seu obri­ga­tó­rio re­a­jus­te anu­al, em 26 de fe­ve­rei­ro. Co­mo o au­men­to da pas­sa­gem veio an­tes (a par­tir de 6 de fe­ve­rei­ro) por vin­te di­as R$ 0,69 de ca­da ta­ri­fa en­gor­da­ram o FUC.

Já no dia 22 do mês pas­sa­do, a Pre­fei­tu­ra aca­tou uma de­ci­são da Jus­ti­ça que con­si­de­rou um dos des­con­tos in­de­vi­dos e fez o re­pas­se su­bir pa­ra R$ 4,03, por­tan­to re­du­zin­do a so­bra pa­ra R$ 0,22 por pas­sa­gem.

Con­tu­do, ape­nas oi­to di­as de­pois o mu­ni­cí­pio re­du­ziu o va­lor pa­ra R$ 3,79, ba­se­a­da em uma de­ci­são do TCE de 2014, que ha­via re­co­men­da­do a re­du­ção do va­lor. Ou se­ja, des­de o iní­cio do mês, a so­bra por pas­sa­gem já su­biu pa­ra R$ 0,46, o que vai au­men­tar subs­tan­ci­al­men­te o cai­xa do FUC.

Ven­ci­da

Por con­tra­to, os ôni­bus da ca­pi­tal não po­de­ri­am ro­dar com mais de 10 anos e a ida­de mé­dia da fro­ta não po­de­ria ul­tra­pas­sar cin­co anos. Ho­je são cer­ca de 450 veí­cu­los ven­ci­dos (1/3 da fro­ta) e a mé­dia de ida­de de­les é superior a oi­to anos.

“Dos mais de 400 ôni­bus com vi­da útil ven­ci­da, cer­ca de 150 cum­prem ta­be­la re­gu­lar”, diz o di­re­tor exe­cu­ti­vo das Em­pre­sas de Ôni­bus de Curitiba, Luiz Al­ber­to Lenz Cé­sar. A mai­o­ria dos ven­ci­dos com­põe a fro­ta re­ser­va. “É in­te­res­se das em­pre­sas re­a­li­zar a re­no­va­ção, tan­to pa­ra dar mais con­for­to quan­to pa­ra re­du­zir cus­tos”, com­ple­tou.

| ARQUIVO METRO/RO­DRI­GO FÉLIX LEAL

Ca­da bi­ar­ti­cu­la­do cus­ta cer­ca de R$ 1 mi­lhão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.