Edu­ca­ção e saú­de ba­tem a in­fla­ção PÁG. 08

Ape­sar do IPCA abai­xo de 3%, re­a­jus­tes po­dem fi­car aci­ma dos 10%; en­ti­da­des afir­mam que in­de­xa­dor é ou­tro

Metro Brazil (Curitiba) - - FRONT PAGE -

“O que en­tra no cál­cu­lo da in­fla­ção não en­tra no nos­so cus­to”, diz Amá­bi­le Pa­ci­os, di­re­to­ra da Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal das Es­co­las Par­ti­cu­la­res. Se­gun­do ela, as ins­ti­tui­ções par­ti­cu­la­res de en­si­no são au­to­ri­za­das, por lei, a apli­car re­a­jus­tes no va­lor das men­sa­li­da­des uma vez por ano, mas ape­nas por dois mo­ti­vos: a re­po­si­ção dos au­men­tos das des­pe­sas ao lon­go do pe­río­do que pas­sou ( ta­ri­fas, sa­lá­ri­os etc.) e me­lho­ra me­to­do­ló­gi­ca e pe­da­gó­gi­ca da cri­an­ça. “Não é au­men­to, é re­a­jus­te”, diz a di­re­to­ra. Saú­de Em no­ta, a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Pla­nos de Saú­de jus­ti­fi­ca que a in­fla­ção mé­di­ca po­de ser mai­or que a in­fla­ção ge­ral e que es­se é um fenô­me­no mun- di­al. Se­gun­do o tex­to, “os re­a­jus­tes dos pla­nos de pes­so­as fí­si­cas, de­fi­ni­dos pe­la ANS, se­guem ín­di­ces in­ter­me­diá­ri­os en­tre a in­fla­ção ge­ral e os re­a­jus­tes pra­ti­ca­dos nos pla­nos co­le­ti­vos em­pre­sa­ri­ais, ge­ran­do uma de­fa­sa­gem fi­nan­cei­ra, ano a ano, que pro­vo­ca per­das ir­re­pa­rá­veis pa­ra as ope­ra­do­ras de pla­nos de saú­de”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.