‘QUEM NÃO SE COMUNICA, SE TRUMBICA!’

STEPAN NERCESSIAN FA­LA AO METRO SO­BRE O DE­SA­FIO DE LE­VAR CHACRINHA ÀS TE­LAS

Metro Brazil (Espirito Santo) - - Primeira Página - GISLANDIA GO­VER­NO METRO RIO

A his­tó­ria de Jo­sé Abelardo Bar­bo­sa de Me­dei­ros, o Chacrinha (1917-1988), foi con­ta­da, re­cen­te­men­te, no te­a­tro e em um es­pe­ci­al na TV. Em am­bos, com o ator Stepan Nercessian, 64 anos, in­ter­pre­tan­do o Ve­lho Gu­er­rei­ro. No lon­ga de An­dru­cha Wad­ding­ton, que es­treia ho­je, mais uma vez o ator goi­a­no en­car­na o per­so­na­gem, vi­vi­do por Edu­ar­do Ster­blit­ch na fa­se jo­vem. An­tes de en­trar em cir­cui­to, o fil­me foi exi­bi­do no 20o Fes­ti­val Rio, em ses­são hors con­cours (fo­ra de com­pe­ti­ção) da Pre­miè­re Bra­sil.

Or­ça­do em R$ 11 mi­lhões, o lon­ga acom­pa­nha a vi­da de Chacrinha des­de que ele lar­gou a fa­cul­da­de de me­di­ci­na, em Per­nam­bu­co, e foi pa­ra o Rio, ini­ci­an­do a car­rei­ra no rá­dio. De­pois, mos­tra o iní­cio na TV até o seu au­ge, in­ter­ca­la­do por dra­mas pes­so­ais. Ao Metro Jor­nal, Stepan con­ta co­mo foi em­bar­car na pe­le de Chacrinha.

Re­la­ção com Chacrinha

“Eu co­nhe­ci o Chacrinha em 1972, quan­do che­guei à TV. Nun­ca ti­ve in­ti­mi­da­de, mas sem­pre fui seu ad­mi­ra­dor. Em 1982, fui ao pro­gra­ma ‘Cas­si­no do Chacrinha’, na Glo­bo. A lem­bran­ça que eu te­nho é des­se gran­de per­so­na­gem que trans­mi­tia ale­gria o tem­po to­do. Foi o mai­or DJ do Bra­sil, res­pon­sá­vel por uma boa par­te do su­ces­so da música po­pu­lar bra­si­lei­ra, o ca­ra que mais mis­tu­rou gê­ne­ros e es­ti­los de can­to­res em um pro­gra­ma. Era Gil­ber­to Gil de um la­do, do ou­tro era Raul Sei­xas com Cauby Pei­xo­to, en­tão ele mos­tra­va es­sa sa­la­da bra­si­lei­ra, que é mui­to in­te­res­san­te.”

Re­vo­lu­ção na TV

“Ve­jo o Chacrinha co­mo um ca­ra re­vo­lu­ci­o­ná­rio, que trans­for­mou a te­le­vi­são. A gen­te tem a im­pres­são que tu­do pa­ra ele era fá­cil, mas te­ve mui­ta pe­drei­ra. Chacrinha bri­gou com to­do mun­do, en­fren­tou a cen­su­ra, a Igre­ja, os psi­qui­a­tras, que di­zi­am que ele não po­dia co­man­dar um pro­gra­ma de TV. A cen­su­ra que­ria ves­tir as cha­cre­tes e os do­nos de TV di­zi­am que ele ti­nha que ser mais bem com­por­ta­do. Mas, ele não ar­re­dou pé de jei­to ne­nhum so­bre o que acre­di­ta­va. Is­so cau­sou mo­men­tos de mui­ta an­gús­tia, de ele sair de uma emis­so­ra e ir pa­ra ou­tra, e veio a fa­ma de que bri­ga­va com to­do mun­do. Ao mes­mo tem­po, era per­fec­ci­o­nis­ta. To­dos os pro­gra­mas ho­je têm al­gu­ma pi­ta­da de Chacrinha. Os ju­ra­dos, os ca­lou­ros, as dan­ça­ri­nas, tu­do tem um pou­qui­nho de­le.”

Caretice de vol­ta

“Ho­je em dia, Chacrinha iria en­fren­tar uma re­sis­tên­cia mui­to mai­or. A caretice es­tá vol­tan­do e es­tá mui­to pi­or do que lá atrás. Acho que ele ia en­fren­tar es­sa re­sis­tên­cia do mes­mo jei­to. Tem gen­te que fa­la que se ele es­ti­ves­se vi­vo, se­ria You­tu­ber [ri­sos].”

Com­po­si­ção do per­so­na­gem

“No te­a­tro [‘Chacrinha – O Mu­si­cal’, que fi­cou em car­taz en­tre 2014 e 2017, de­pois vi­rou es­pe­ci­al na TV, em ho­me­na­gem ao cen­te­ná­rio do apre­sen­ta­dor] e na te­le­vi­são, eu che­ga­va no ca­ma­rim e fi­ca­va ves­ti­do co­mo ele por uma, du­as ho­ras e ia em­bo­ra. No fil­me, eu fi­ca­va 12 ho­ras ves­ti­do de Chacrinha e ti­nha que es­tar su­per­con­cen­tra­do.”

Edu­ar­do Ster­blit­ch

“A gen­te fez tu­do jun­tos. En­saiá­va­mos so­zi­nhos to­das as ce­nas, eu lia as de­le e ele gra­va­va e olha­va pa­ra ter uma con­ti­nui­da­de. Nin­guém es­tra­nha a pas­sa­gem de­le mais no­vo, do Abelardo pa­ra o Chacrinha, e ele re­ce­be mui­to do que a gen­te cons­truiu jun­tos. O jei­to de fa­lar, de se com­por­tar, de an­dar. Tra­ba­lha­mos bem nis­so.”

Mo­men­to do país

“Es­ta­mos pas­san­do por um pro­ces­so de pes­so­as que se de­cep­ci­o­na­ram, es­tão apos­tan­do e nin­guém sa­be co­mo vai ser. A gen­te fi­ca aqui in­ter­me­di­an­do, quan­do eu, pes­so­al­men­te, acho que o gran­de pro­ble­ma é o que o ca­pi­ta­lis­mo quer fa­zer com o mun­do. Quem man­da mes­mo é o ca­pi­ta­lis­mo, nin­guém é li­vre. O mer­ca­do acal­mou, o dó­lar su­biu. O mer­ca­do não gos­ta de um can­di­da­to, aí is­so apa­re­ce nas pes­qui­sas [elei­to­rais]. A mi­nha pre­o­cu­pa­ção ho­je é o mo­vi­men­to de es­tag­na­ção do ser hu­ma­no, des­se den­te ca­pi­ta­lis­ta que mas­sa­cra o tra­ba­lha­dor.”

No­vo pre­si­den­te

“Não vo­tei em nin­guém, meu tí­tu­lo es­ta­va até ven­ci­do. Não sim­pa­ti­zo com ele [pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro, do PSL]. Os que eu sim­pa­ti­za­va fo­ram de­cep­ções. Sou com­ple­ta­men­te con­trá­rio a qual­quer ideia de opres­são. Se res­pei­tar a Cons­ti­tui­ção e obe­de­cer as leis, se­ja quem for, eu vou es­tar aten­to. Com o Lu­la [ex-pre­si­den­te que es­tá pre­so em Cu­ri­ti­ba], não me de­cep­ci­o­nei, por­que nun­ca es­pe­rei na­da de­le. Me de­cep­ci­o­no com quem eu es­pe­ro al­gu­ma coi­sa.”

Vi­da fo­ra da po­lí­ti­ca

“Es­tou fe­liz aqui ago­ra de vol­ta à atu­a­ção. Fi­quei 10 anos no meu man­da­to co­mo ve­re­a­dor [no Rio] e, de­pois, co­mo de­pu­ta­do fe­de­ral [am­bos pe­lo PPS]. Na­que­la oca­sião, não es­ta­va mui­to en­tu­si­as­ma­do com a mi­nha car­rei­ra de ator, e a po­lí­ti­ca foi aque­la coi­sa, fo­ram 10 anos de ale­gria. Es­pe­ro que a po­lí­ti­ca e a ar­te me de­em mais 20 anos de ale­gria [ri­sos]. O Chacrinha foi um gran­de pre­sen­te, que es­tá me dan­do mui­ta ale­gria, prin­ci­pal­men­te por eu es­tar con­tri­buin­do pa­ra a me­mó­ria de­le, que é tão ama­do por to­dos os bra­si­lei­ros, nes­te seu cen­te­ná­rio.”

Edu­ar­do Ster­blit­ch vi­ve Chacrinha jo­vem Gi­an­ne Al­ber­to­ni é a ju­ra­da El­ke Ma­ra­vi­lha O can­tor Cri­o­lo faz um ca­lou­ro do ‘Cas­si­no’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.