4 a 2. STF adia de­ci­são so­bre con­du­ção co­er­ci­ti­va

Metro Brazil (Espirito Santo) - - Brasil -

O STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) adi­ou pa­ra ho­je o jul­ga­men­to que tra­ta da le­ga­li­da­de das con­du­ções co­er­ci­ti­vas. A ses­são foi sus­pen­sa on­tem com qua­tro mi­nis­tros fa­vo­rá­veis à me­di­da – Ale­xan­dre de Mo­ra­es, Ed­son Fa­chin, Ro­ber­to Bar­ro­so e Luiz Fux – e dois con­trá­ri­os – Gil­mar Men­des, re­la­tor, e Ro­sa We­ber.

Ale­xan­dre de Mo­ra­es abriu a di­ver­gên­cia do vo­to de Men­des – que na se­ma­na pas­sa­da cha­mou a me­di­da de “es­pe­ta­cu­la­ri­za­ção da in­ves­ti­ga­ção.”

Mo­ra­es de­fen­deu a ma­nu­ten­ção do di­rei­to de fi­car em si­lên­cio e de não se au­toin­cri­mi­nar, mas que o acu­sa­do não po­de se ne­gar a com­pa­re­cer pa­ra de­poi­men­to.

Fa­chin de­fen­deu que o juiz pos­sa subs­ti­tuir pri­são tem­po­rá­rio por con­du­ção co­er­ci­ti­va.

Bar­ro­so afir­mou que a me­di­da igua­la o di­rei­to à Jus­ti­ça. “Não tra­to os po­bres co­mo se fos­sem in­vi­sí­veis e os ri­cos co­mo se fos­sem imu­nes. Nem vi­ro os olhos pro ou­tro la­do se o réu for po­de­ro­so. Pre­ci­sa­mos de um di­rei­to pe­nal mais bran­do no an­dar de bai­xo e mais se­ve­ro no an­dar de ci­ma”, de­cla­rou.

Fal­tam vo­tar Ricardo Lewan­dows­ki, Di­as Tof­fo­li, Mar­co Au­ré­lio, Cel­so de Mel­lo e Cár­men Lú­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.