Proi­bi­ção de fo­gos com ba­ru­lho em dis­cus­são

Pro­je­to de lei quer proi­bir a sol­tu­ra de fo­gos. Te­ma foi de­ba­ti­do on­tem em au­di­ên­cia pú­bli­ca

Metro Brazil (Maringa) - - PRIMEIRA PÁGINA - CARLA GU­E­DES

Au­di­ên­cia pú­bli­ca dis­cu­tiu a vi­a­bi­li­da­de do pro­je­to que proí­be sol­tar fo­gos de ar­ti­fí­cio com es­tam­pi­dos. Em no­ve anos, 5 mil pes­so­as fo­ram in­ter­na­das por aci­den­tes com o pro­du­to

Um pro­je­to de lei que de­ve ser apre­sen­ta­do até o iní­cio do ano que vem na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal es­tá no cen­tro de uma dis­cus­são: a proi­bi­ção de sol­tar fo­gos de ar­ti­fí­cio com es­tam­pi­dos em Ma­rin­gá.

A pro­pos­ta, que le­va a as­si­na­tu­ra do ve­re­a­dor Fla­vio Man­to­va­ni (PPS), tem apoio po­pu­lar, mas en­con­tra cer­ta re­sis­tên­cia no Le­gis­la­ti­vo.

A ideia de proi­bir a sol­tu­ra e o ma­nu­seio dos fo­gos de ar­ti­fí­cio ba­ru­lhen­tos foi re­for­ça­da por um abai­xo-as­si­na­do on-li­ne, que, até on­tem à noi­te, con­ta­va com o apoio de 55,5 mil pes­so­as.

Uma au­di­ên­cia pú­bli­ca, re­a­li­za­da on­tem na Câ­ma­ra, de­ba­teu o as­sun­to.

Man­to­va­ni tem con­fi­an­ça na apro­va­ção do pro­je­to, mas sa­be que te­rá ao me­nos um opo­si­tor: o ve­re­a­dor Odair Fo­gue­tei­ro (PHS), que é co­mer­ci­an­te de fo­gos de ar­ti­fí­cio e já se ma­ni­fes­tou con­trá­rio à pro­pos­ta, que foi pro­to­co­la­da na Câ­ma­ra, no fim do ano pas­sa­do. “É pos­sí­vel apro­var, até por­que te­mos mais de 55 mil as­si­na­tu­ras (fa­vo­rá­veis à ini­ci­a­ti­va).”

Na au­di­ên­cia pú­bli­ca, Fo­gue­tei­ro afir­mou que fa­mí­li­as in­tei­ras vi­vem da fa­bri­ca­ção de fo­gos no Bra­sil e que são pou­cos os pro­du­tos que cau­sam ba­ru­lhos mui­to for­tes, co­mo o mor­tei­ro tre­me ter­ra. “Se a au­di­ên­cia che­gar à con­clu­são de que não se de­ve co­mer­ci­a­li­zar al­guns pro­du­tos, nós não va­mos ven­der”, dis­se. “Mas não pos­so fa­lar que va­mos vo­tar um pro­je­to de lei proi­bin­do a co­mer­ci­a­li­za­ção de fo­gos, sen­do que um de­cre­to fe­de­ral de 1942 li­be­ra a ven­da.”

A jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra a proi­bi­ção, se­gun­do Man­to­va­ni, vai além da cau­sa ani­mal,

da qual é de­fen­sor. “Es­ta­mos pen­san­do na as­so­ci­a­ção de cri­an­ças au­tis­tas, nas ins­ti­tui­ções que abri­gam ido­sos e nos ani­mais, que so­frem e se as­sus­tam mui­to com o es­tam­pi­do.”

O au­tor do pro­je­to diz que não vê pre­juí­zos pa­ra o ra­mo de fo­gos de ar­ti­fí­cio, já que são ra­ras as lo­jas de­di­ca­das in­te­gral­men­te à ven­da do pro­du­to.

Na­tal e ré­veil­lon

Nes­te ano, a quei­ma de fo­gos no Na­tal e no ré­veil­lon, pa­ga pe­la pre­fei­tu­ra, se­rá com fo­gos sem es­tam­pi­dos.

Pe­ri­go

Le­van­ta­men­to do Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na re­ve­la que 5 mil pes­so­as fo­ram in­ter­na­das por aci­den­tes com fo­gos de 2008 a 2017.

| VIVIAN SIL­VA/PMM

Fes­tas de fim de ano se­rão com fo­gos sem es­tam­pi­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.