As­cen­são de Ho­li­day dei­xa em aler­ta mo­vi­men­to ne­gro

Po­lí­ti­cas pú­bli­cas. Militante do Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre e re­cém- em­pos­sa­do ve­re­a­dor em São Pau­lo pe­lo DEM, jo­vem de­fen­de o fim de qual­quer ti­po de co­tas pa­ra ne­gros – que ele con­si­de­ra ra­cis­tas e dis­cri­mi­na­tó­ri­as. Pri­o­ri­da­de do po­lí­ti­co é fim do Dia da Co

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Brasil - RAPHA­EL VELEDA

Quan­do o pau­lis­ta­no Fer­nan­do Ho­li­day, um ne­gro, gay e mo­ra­dor de bair­ro pe­ri­fé­ri­co, ho­je com 20 anos, co­me­çou a se des­ta­car co­mo li­de­ran­ça do MBL (Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre) com um dis­cur­so con­tra co­tas ra­ci­ais e ou­tras ações afir­ma­ti­vas, em me­a­dos de 2014, mem­bros de en­ti­da­des de de­fe­sa da po­pu­la­ção ne­gra se di­vi­di­ram en­tre ig­no­rá-lo e apon­tá-lo co­mo ma­ri­o­ne­te de in­te­res­ses es­con­di­dos. Ago­ra, com o jo­vem ga­nhan­do ca­da vez mais espaço na mí­dia, em re­des so­ci­ais e na po­lí­ti­ca – ele foi o 13º mais vo­ta­do en­tre os 55 ve­re­a­do­res elei­tos na ca­pi­tal pau­lis­ta, com 38 mil vo­tos – o mo­vi­men­to ne­gro se vê qua­se que obri­ga­do a de­ba­ter su­as idei­as, te­men­do que ele con­si­ga der­ru­bar ações co­mo as co­tas pa­ra ne­gros em con­cur­sos pú­bli­cos.

Re­cém-em­pos­sa­do na ca­pi­tal pau­lis­ta, Ho­li­day, que é fi­li­a­do ao DEM, pro­põe o fim do Dia da Cons­ci­ên­cia Ne­gra e de co­tas ra­ci­ais em con­cur­sos e ves­ti­bu­la­res. “Nós ne­gros e po­bres po­de­mos sim ven­cer na vi­da atra­vés do mé­ri­to. Não pre­ci­sa­mos fi­car co­mo ver­mes, co­mo ver­da­dei­ros pa­ra­si­tas atrás do Estado”, dis­cur­sou ele, ain­da no ano pas­sa­do.

Ele de­ve apre­sen­tar pro­je­tos de lei nes­se sen­ti­do já nas pró­xi­mas se­ma­nas e tem fei­to dis­cur­sos pa­ra que a dis­cus­são ga­nhe prio- ri­da­de. Co­mo ve­re­a­dor, ele só po­de pro­por al­te­ra­ções nas leis mu­ni­ci­pais de São Pau­lo, mas bus­ca na­ci­o­na­li­zar a pro­pos­ta a par­tir da ca­pi­tal pau­lis­ta.

Re­a­ção

A pos­si­bi­li­da­de de su­ces­so de Ho­li­day já é vis­ta co­mo ame­a­ça pa­ra mi­li­tan­tes co­mo a bra­si­li­en­se Ta­ti­a­na Nas­ci­men­to dos San­tos, can­to­ra e po­e­ta, que se de­di­ca a di­vul­gar a ar- te fei­ta por ne­gros e LGBTs (lés­bi­cas, gays, bis­se­xu­ais, tra­ves­tis, tran­se­xu­ais e trans­gê­ne­ros). “Es­se dis­cur­so, for­te­men­te ba­se­a­do na me­ri­to­cra­cia, é mui­to pa­la­tá­vel, mui­to se­du­tor. Aca­ba ga­nhan­do mui­to espaço na mí­dia”, ava­lia. “O que es­se espaço si­na­li­za é a am­pli­a­ção do pe­ri­go às ações afir­ma­ti­vas. Por is­so mui­ta gen­te no mo­vi­men­to ne­gro tem de­fen­di­do que a gen­te en­tre no de­ba­te.”

Ape­sar do di­ag­nós­ti­co de que é pre­ci­so re­ba­ter as idei­as de Ho­li­day, ain­da fal­ta ini­ci­ar es­se de­ba­te, se­gun­do a militante Valdecir Nas­ci­men­to, se­cre­tá­ria-exe­cu­ti­va da AMNB (Ar­ti­cu­la­ção de Mu­lhe­res Ne­gras do Bra­sil). “É pe­no­so, por­que pa­re­ce uma vol­ta ao de­ba­te de 20, 30 anos atrás, so­bre ex­clu­são. Ele, ao con­trá­rio de nós, não acha que o Bra­sil pre­ci­sa re­pa­rar su­as in­jus­ti­ças his­tó­ri­cas”, ava­lia. “En­tão, mui­tos ain­da acham que de­ba­ter com ele des­via nos­so fo­co, da lu­ta pe­la de­mo­cra­cia ra­ci­al, mas, en­quan­to is­so, ele es­tá avan­çan­do.”

Sem ou­tro la­do

O ve­re­a­dor Fer­nan­do Ho­li­day foi pro­cu­ra­do pe­la re­por­ta­gem do pa­ra se po­si­ci­o­nar so­bre o de­ba­te, mas não res­pon­deu aos pe­di­dos de en­tre­vis­ta.

Metro Jor­nal

“Num país ra­cis­ta e ex­clu­den­te, quan­do um ne­gro faz su­ces­so, quan­tos fi­ca­ram pe­lo ca­mi­nho? É tris­te ver um ne­gro do ou­tro la­do do de­ba­te. Mas ele es­tá do ou­tro la­do e de­ve ser tra­ta­do co­mo ini­mi­go.”

| RE­PRO­DU­ÇÃO

Ho­li­day em ima­gem pos­ta­da em seu per­fil do Fa­ce­bo­ok

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.