BARRACO DE OU­RO

DIS­CUR­SO DE MERYL STRE­EP AO RE­CE­BER PRÊ­MIO PRO­VO­CA A IRA DE TRUMP

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Front Page -

Hollywo­od ama­nhe­ceu on­tem sob a mi­ra do fu­tu­ro pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos. En­tre­vis­ta­do pe­lo jor­nal “The New York Ti­mes” após o con­tun­den­te dis­cur­so de Meryl Stre­ep du­ran­te o 74º Glo­bo de Ou­ro, na noi­te do úl­ti­mo do­min­go, Do­nald Trump de­cla­rou não ter fi­ca­do sur­pre­so com as crí­ti­cas do “po­vo li­be­ral do ci­ne­ma” e cha­mou a pre­mi­a­da atriz de ado­ra­do­ra de Hil­lary, em re­fe­rên­cia à can­di­da­ta de­mo­cra­ta der­ro­ta­da por ele nas elei­ções ame­ri­ca­nas.

No Twit­ter, o mag­na­ta con­ti­nu­ou ati­ran­do con­tra a ar­tis­ta, ho­me­na­ge­a­da com o Prê­mio Ce­cil B. DeMil­le pe­lo con­jun­to de sua obra. “Meryl Stre­ep, uma das atri­zes mais su­pe­res­ti­ma­das de Hollywo­od, não me co­nhe­ce mas me ata­cou on­tem à noi­te no Glo­bo de Ou­ro. Ela é uma fra­cas­sa­da de Hil­lary que per­deu feio. Pela cen­té­si­ma vez, eu nun­ca ‘zom­bei’ de um re­pór­ter de­fi­ci­en­te (eu nun­ca fa­ria is­so), mas sim­ples­men­te o mos­trei ‘se hu­mi­lhan­do’ quan­do ele mu­dou com­ple­ta­men­te uma his­tó­ria de 16 anos atrás que ele ti­nha es­cri­to pa­ra me fa­zer pa­re­cer mau. Ape­nas mais im­pren­sa de­so­nes­ta!”, es­cre­veu ele.

Em seu dis­cur­so, Meryl cri­ti­cou as idei­as do pre­si­den­te eleito dos EUA sem ci­tá-lo di­re­ta­men­te, fa­lan­do so­bre a im­por­tân­cia da im­pren­sa e dos inú­me­ros ar­tis­tas es­tran­gei­ros e de co­mo o mundo pre­ci­sa de mais em­pa­tia, res­pei­to e amor à ar­te.

“Es­se ins­tin­to de hu­mi­lhar, quan­do fei­to por al­guém nu­ma pla­ta­for­ma pú­bli­ca, afe­ta a vi­da de to­do mundo, por­que dá per­mis­são pa­ra ou­tros fa­ze­rem o mes­mo. Des­res­pei­to con­vi­da des­res­pei­to, vi­o­lên­cia in­ci­ta vi­o­lên­cia. Quan­do os po­de­ro­sos usam de su­as po­si­ções pa­ra pra­ti­car bullying con­tra os ou­tros, to­dos nós per­de­mos”, afir­mou ela.

A ri­xa en­tre os dois ofus­cou o fei­to de “La La Land – Can­tan­do Es­ta­ções”, que se tor­nou o fil­me mais pre­mi­a­do da his­tó­ria do Glo­bo de Ou­ro ao ven­cer to­das as se­te ca­te­go­ri­as às quais con­cor­ria, in­cluin­do a de melhor co­mé­dia ou mu­si­cal.

“Quan­do po­de­ro­sos usam de su­as po­si­ções pa­ra pra­ti­car o bullying, to­dos nós per­de­mos.” MERYL STRE­EP, ATRIZ

Meryl Stre­ep, uma das atri­zes mais su­pe­res­ti­ma­das de Hollywo­od, não me co­nhe­ce, mas me ata­cou. Ela é uma pu­xa-sa­co de Hil­lary

Des­res­pei­to in­ci­ta o des­res­pei­to. Se al­guém usa sua po­si­ção pa­ra fa­zer bullying, to­dos per­de­mos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.