SO­BRE AU­TO­RI­DA­DE E IRO­NIA

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Publimetro - RUBEM.PENZ@METROJORNAL.COM.BR Rubem Penz é es­cri­tor, ba­te­ris­ta, ori­en­ta­dor da ofi­ci­na li­te­rá­ria San­ta Se­de e au­tor do li­vro “Gre­ve de Se­xo” (Ed. Bu­qui). Sai­ba mais em www.ru­bem­penz.net

Vo­cê sa­be o que é iro­nia? Sim­pli­fi­ca­da­men­te, é quan­do di­ze­mos al­go pa­ra que o in­ter­lo­cu­tor com­pre­en­da o con­trá­rio. Um cá­li­do exem­plo: es­tá 39ºC e di­ze­mos – nos­sa, que frio, né? Sim, is­so foi uma iro­nia sem chan­ce pa­ra mal-en­ten­di­dos. Po­rém, nem sem­pre o qua­dro é tão lím­pi­do e, por is­so, a iro­nia é con­si­de­ra­da uma cons­tru­ção ar­gu­men­ta­ti­va re­fi­na­da, cul­ta, su­pe­ri­or. Seu ris­co es­tá em o ou­tro con­si­de­rar que pen­sa­mos di­a­me­tral­men­te o opos­to ao in­ter­pre­tar li­te­ral­men­te.

Au­to­ri­da­de vo­cê sa­be, cer­ti­nho, o que é? Há mais de um sig­ni­fi­ca­do: di­rei­to de dar or­dens, co­man­dar, im­por a von­ta­de; as­cen­dên­cia, pres­tí­gio, do­mí­nio; po­der, au­to­ri­za­ção, per­mis­são. Exis­tem au­to­ri­da­des cons­ti­tuí­das, tais co­mo os pais, pro­fes­so­res, lí­de­res re­li­gi­o­sos, es­pe­ci­a­lis­tas, man­da­tá­ri­os elei­tos ou le­gi­ti­ma­dos de ou­tras for­mas. Tam­bém há au­to­ri­da­des, di­ga­mos, in­for­mais: em de­ter­mi­na­do gru­po ou si­tu­a­ção, al­guém as­su­me o co­man­do e exer­ce fun­ções de li­de­ran­ça.

Jun­tei aqui iro­nia e au­to­ri­da­de por um par­ti­cu­lar mo­ti­vo: tan­to em um, quan­to no ou­tro ca­so, pa­ra exis­ti­rem de fa­to am­bas pre­ci­sam ser re­co­nhe­ci­das. Ou se­ja, da mes­ma for­ma que a iro­nia não fun­ci­o­na quan­do al­guém não a per­ce­be (aliás, mais do que não fun­ci­o­na, fun­ci­o­na ao con­trá­rio), a au­to­ri­da­de so­ço­bra ao ser ig­no­ra­da. Cons­ti­tuí­da ou não, le­gi­ti­ma­da ou não, ver­da­dei­ra ou não (is­so nem sem­pre im­por­ta), se de­ter­mi­na­da au­to­ri­da­de não é res­pei­ta­da, ela ine­xis­te. Pi­or: exis­te ao con­trá­rio.

Eis o tris­te re­su­mo de nos­sa bra­si­lei­ra ópe­ra. Em­ba­ra­lha­mos de tal for­ma os con­cei­tos de iro­nia e au­to­ri­da­de, que nin­guém mais sa­be qual de­les es­tá pos­to. Veja: se re­ser­vo pa­ra mim o di­rei­to de pensar di­fe­ren­te, e so­ne­go es­se mes­mo di­rei­to de ou­tro, is­so é sé­rio ou es­tou de­bo­chan­do? E quan­do eu man­do sol­tar al­guém que põe a so­ci­e­da­de em ris­co por­que pre­so ele cor­re ris­co, es­tou sen­do irô­ni­co ou exer­cen­do au­to­ri­da­de? Ao afir­mar que a Previdência que­brou por cau­sa das dis­tor­ções atu­a­ri­ais, e sou an­te­ci­pa­da e re­gi­a­men­te apo­sen­ta­do, es­tou exer­cen­do au­to­ri­da­de ou sen­do irô­ni­co?

Há mui­tos ca­sos pa­re­ci­dos – on­de le­van­ta­mos o ta­pe­te, a su­jei­ra as­som­bra. To­dos eles, no en­tan­to, par­tem e che­gam a um mes­mo pon­to: a cri­se de au­to­ri­da­de ex­pe­ri­men­ta­da por nos­sa so­ci­e­da­de che­gou ao pon­to de en­ten­der­mos tu­do co­mo se iro­nia fos­se. Ou, ao con­trá­rio, só ago­ra es­ta­mos en­ten­den­do, li­te­ral­men­te, tu­do co­mo de fa­to é.

Hein?! E ago­ra, on­de es­tá or­dem, on­de a iro­nia? Não cus­ta re­pe­tir: am­bas só fun­ci­o­nam se (quan­do) vo­cê, lei­tor, re­co­nhe­cê-las.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.