Mor­re Zyg­munt Bau­man

Po­lo­nês res­pon­sá­vel pe­lo con­cei­to de ‘mo­der­ni­da­de lí­qui­da’ era um dos mai­o­res pen­sa­do­res da era con­tem­po­râ­nea

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Cultura -

Pou­cos es­tu­di­o­sos con­se­gui­ram tra­du­zir seu pró­prio tem­po com tan­ta pers­pi­cá­cia quan­to Zyg­munt Bau­man, mor­to on­tem, aos 91 anos, em Le­eds, na Inglaterra – a cau­sa não foi di­vul­ga­da.

Nas­ci­do em 19 de no­vem­bro de 1925, na Polô­nia, o es­tu­di­o­so foi o res­pon­sá­vel por cri­ar o con­cei­to de “li­qui­dez” pa­ra des­cre­ver um mundo ca­da vez mais in­di- vi­du­a­lis­ta e de re­la­ções efê­me­ras di­an­te do ad­ven­to de tec­no­lo­gi­as co­mo as re­des so­ci­ais.

Ape­sar de ter se trans­for­ma­do em uma das prin­ci­pais men­tes da Uni­ver­si­da­de de Le­eds, Bau­man te­ve um pas­sa­do de lu­tas. Du­ran­te a Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al, ele se jun­tou ao Exér­ci­to Ver­me­lho so­vié­ti­co pa­ra lu­tar con­tra a in­va­são na­zis­ta a seu país.

Com o fim do con­fli­to, ele re­tor­nou à Polô­nia, on­de es­tu­dou fi­lo­so­fia e so­ci­o­lo­gia. Tam­bém se fi­li­ou ao Par­ti­do Co­mu­nis­ta e se ca­sou com Ja­ni­ne Lewin­son, com qu­em te­ve três fi­lhas. Por con­ta das su­as ori­gens ju­dai­cas, ele foi obri­ga­do a re­nun­ci­ar sua ci­da­da­nia e foi vi­ver no Rei­no Uni­do em 1971.

Apo­sen­ta­do des­de 1990, o pen­sa­dor pas­sou a es­cre­ver mais de um li­vro por ano. É con­si­de­ra­do um dos mai­o­res pen­sa­do­res do nos­so tem­po.

Gran­de par­te das obras de Bau­man fo­ram tra­du­zi­das pa­ra o por­tu­guês. Sua pu­bli­ca­ção mais re­cen­te por aqui é “Es­tra­nhos à Nos­sa Por­ta”, que che­ga às li­vra­ri­as nes­ta se­ma­na pela edi­to­ra Zahar. Ne­la, o au­tor dis­se­ca o pa­vor pro­vo­ca­do pe­las mi­gra­ções e mos­tra o pro­ces­so de de­su­ma­ni­za­ção dos re­fu­gi­a­dos.

| ELOY ALONSO/REUTERS

Pes­qui­sa­dor du­ran­te con­fe­rên­cia em Ovi­e­do, na Es­pa­nha, em 2010

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.