O CONLUIO DO CA­OS

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Foco - DI­E­GO CASAGRANDE DI­E­GO.CASAGRANDE @METROJORNAL.COM.BR

O ca­os de in­se­gu­ran­ça e bru­ta­li­da­de que tor­nou a vi­da dos bra­si­lei­ros in­su­por­tá­vel foi cons­truí­do nos úl­ti­mos 30 anos e tem pa­ter­ni­da­de bem de­fi­ni­da: o conluio ide­o­ló­gi­co e prá­ti­co en­tre po­lí­ti­cos, ad­vo­ga­dos cri­mi­na­lis­tas, juí­zes e mí­dia que im­pe­de o Bra­sil de ter uma po­lí­cia for­te, um Có­di­go Pe­nal du­ro e um re­gra­men­to ri­go­ro­so den­tro dos pre­sí­di­os. A mai­o­ria dos in­te­gran­tes des­tes gru­pos acha que cri­mi­no­sos são ví­ti­mas da cru­el e opres­so­ra so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta. São ex­cluí­dos re­a­gin­do. Bas­ta ver as be­nes­ses e pri­vi­lé­gi­os que a Lei de Exe­cu­ções Pe­nais con­ce­de aos de­ten­tos. Um es­tu­pra­dor, ho­mi­ci­da, as­sas­si­no cru­el tem o di­rei­to de dar sua tran­sa­di­nha se­ma­nal e a re­ce­ber ad­vo­ga­do a qu­al­quer mo­men­to. Den­tro do pre­sí­dio en­tra to­do ti­po de man­ti­men­to com au­to­ri­za­ção. Nas ca­dei­as, qu­em man­da são facções vi­o­len­tas. E as au­to­ri­da­des acham is­so com­pre­en­sí­vel e até ne­ces­sá­rio.

Ne­nhum sis­te­ma prisional do pla­ne­ta po­de ser ad­mi­nis­tra­do sem a im­po­si­ção de re­gras du­ras e or­dem. Pon­to. Aqui é o con­trá­rio. O pre­so tem di­rei­to a tu­do o que qui­ser por­que qu­em ge­ren­cia o sis­te­ma sen­te pro­fun­da cul­pa por exis­ti­rem cri­mi­no­sos e pe­las pés­si­mas pri­sões que te­mos. Coi­sa de lou­co. Nun­ca vai dar cer­to se não mu­dar­mos a ló­gi­ca. E ain­da que to­dos os pré­di­os se­jam subs­ti­tuí­dos por ho­téis cin­co es­tre­las com len­çóis de fio egíp­cio, o pro­ble­ma con­ti­nu­a­rá. Eles são sim­ples­men­te in­con­tro­lá­veis com as re­gras que te­mos, fru­to des­se conluio ne­fas­to e his­tó­ri­co.

O fun­da­men­tal pa­ra tra­zer re­sul­ta­dos no mé­dio e lon­go pra­zos é o que já foi fei­to nos EUA, na Inglaterra, na Fran­ça, na Itá­lia e no Ja­pão, on­de a vi­da dos pa­ga­do­res de im­pos­tos va­le al­gu­ma coi­sa: 1) Aca­bar ou re­du­zir dras­ti­ca­men­te as pro­gres­sões de pe­na pa­ra cri­mes gra­ves, mu­dan­do a Lei de Exe­cu­ções Pe­nais. Pe­gou dez ou 20 anos de pri­são por ho­mi­cí­dio qua­li­fi­ca­do, se­ques­tro, des­vio do di­nhei­ro pú­bli­co, as­sal­to a mão ar­ma­da etc., en­tra sa­ben­do que vai cum­prir in­te­gral­men­te a pe­na. Te­rá di­rei­to a pe­dir re­vi­são so­men­te após cum­prir 80% da mes­ma; 2) Cor­te de to­dos os be­ne­fí­ci­os que os pre­sos que co­me­te­ram cri­mes gra­ves têm den­tro dos pre­sí­di­os, aca­ban­do com vi­si­tas ín­ti­mas, en­con­tro com ad­vo­ga­dos quan­do e co­mo que­rem, en­tra­da de man­ti­men­tos de to­da or­dem, con­ta­to com o mundo ex­te­ri­or.

Es­ta­mos cor­ren­do con­tra o re­ló­gio.

Di­e­go Casagrande é jor­na­lis­ta pro­fis­si­o­nal di­plo­ma­do des­de 1993. Apre­sen­ta os pro­gra­mas BandNews Por­to Ale­gre 1a Edi­ção, às 9h, e Rá­dio Li­vre, na Rá­dio Ban­dei­ran­tes FM 94,9 e AM 640

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.