AR­TE ANTIPIXO

Ao en­tre­gar su­as fa­cha­das pa­ra a cri­a­ti­vi­da­de de ar­tis­tas, co­mer­ci­an­tes e mo­ra­do­res da rua Sar­men­to Lei­te evi­ta­ram os tra­ços da pi­cha­ção

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Front Page - AN­DRÉ MAGS ME­TRO POR­TO ALE­GRE

Com gra­fi­te, mo­ra­do­res e co­mer­ci­an­tes da rua Sar­men­to Lei­te fre­a­ram pi­cha­ções

A Ci­da­de Bai­xa é um bair­ro re­che­a­do de pi­cha­ções. Bas­ta cir­cu­lar por ru­as co­mo a Lo­po Gonçalves, es­pe­ci­al­men­te na es­qui­na com a Jo­sé do Pa­tro­cí­nio, pa­ra per­ce­ber a que al­can­ce che­gou o “pixo” (co­mo pi­cha­do­res cha­mam seu ato).

Mas re­cue qua­tro qua­dras pe­la Pa­tro­cí­nio em di­re­ção ao lar­go Zum­bi dos Pal­ma­res. Há uma área ali em que o “pixo” foi fre­a­do. Aos pou­cos, mo­ra­do­res e co­mer­ci­an­tes ob­ser­va­ram o re­sul­ta­do das pri­mei­ras pin­tu­ras mu­rais na re­gião da rua Sar­men­to Lei­te e per­ce­be­ram que da­va cer­to: os pi­cha­do­res dei­xa­vam de in­ter­fe­rir nas pa­re­des. O ra­bis­co deu lu­gar ao co­lo­ri­do e às for­mas cri­a­ti­vas, se­ja em gra­fi­te ou ou­tros ti­pos de pintura. Ho­je, qua­se to­dos os imó­veis lo­ca­li­za­dos na Sar­men­to en­tre a Pa­tro­cí­nio e a tra­ves­sa Co­men­da­dor Ba­tis­ta es­tão em­be­le­za­dos por gra­fi­tei­ros ou ou­tros ar­tis­tas mu­rais.

Na manhã de on­tem, Jo­sé Mo­ra­es da Sil­va pas­sa­va um pin­cel com tin­ta ver­me­lha so­bre um ris­co tí­mi­do. Tra­ta­va-se de uma afron­ta, se­gun­do ele, da “meia dú­zia de ba­ga­cei­ros” que não res­pei­ta o tra­ba­lho ar­tís­ti­co fei­to na fa­cha­da da Es­to­fa­ria Cór­do­va, na Pa­tro­cí­nio es­qui­na com a Sar­men­to. Mes­mo com os tra­ços pre­tos que Mo­ra­es te­ve de apa­gar on­tem, ele con­si­de­ra sal­va­dor o ver­me­lho com de­se­nhos bran­cos imi­tan­do mó­veis fei­tos por um ar­tis­ta mural. “An­tes, eu pin­ta­va a pa­re­de num dia e ama­nhe­cia pi­cha­da no ou­tro. Ago­ra, em uns três me­ses, pi­cha­ram qua­tro ve­zes. Os ca­ras pi­cham me­nos, res­pei­tam o tra­ba­lho do ou­tro”, co­men­tou.

No ca­sa­rão do ou­tro la­do da es­qui­na, a Penz Bi­er, es­pe­ci­a­li­za­da em cer­ve­jas ar­te­sa­nais, in­ves­tiu em uma ar­te mural mais re­bus­ca­da. Pe­la fa­cha­da e no in­te­ri­or do imó­vel se es­pa­lham de­se­nhos que re­me­tem à his­tó­ria da cer­ve­ja. “O pes­so­al pi­cha em ou­tros pon­tos. A ar­te es­tá há mais de ano e nun­ca pi­cha­ram por ci­ma. Há um res­pei­to pe­las ar­tes em ge­ral”, afir­mou a pro­pri­e­tá­ria Ro­sá­ria Penz.

Ao ver o su­ces­so de ou­tros ha­bi­tan­tes do en­tor­no, a Azam­bu­ja En­ge­nha­ria e Ge­o­fí­si­ca, es­ta­be­le­ci­men­to si­tu­a­do mais no meio da qua­dra da Sar­men­to Lei­te, em­bar­cou na ideia de­pois que a tin­ta an­ti­pi­cha­ção fa­lhou. Com cus­to al­to, o pro­du­to não im­pe­dia a ação dos pi­cha­do­res. Ape­sar de a re­mo­ção ser mais fá­cil, ain­da as­sim é tra­ba­lho­sa. “O ob­je­ti­vo do gra­fi­te foi dei­xar a fa­cha­da mais limpa, mais ale­gre e fu­gir das pi­cha­ções, que es­tão em to­das as fa­cha­das da Ci­da­de Bai­xa. A gen­te se­guiu o pa­drão da ca­sa ao la­do, que já ha­via fei­to”, re­la­tou a en­ge­nhei­ra Mar­cia Moreto Azam­bu­ja. A obra cus­tou cer­ca de R$ 2 mil.

To­do gra­fi­tei­ro co­me­çou co­mo pi­cha­dor. Nes­se ca­mi­nho em di­re­ção ao “mains­tre­am” da ar­te de rua, pas­sou ain­da pe­lo gra­pi­xo, que é uma for­ma tran­si­tó­ria, mais co­lo­ri­da, se­gun­do a con­sul­to­ra da en­ti­da­de Es­pe­ran­ça Ro­te­a­do­ra de Re­des, Fa­bi­a­na Me­ni­ni. Foi o mer­ca­do o res­pon­sá­vel pe­la evo­lu­ção do gra­fi­te, apon­tou. “Há 20 anos, os gra­fi­tei­ros eram pre­sos. A par­tir da acei­ta­ção do mer­ca­do, vi­rou ar­te co­mer­ci­al”, afir­mou.

O gra­fi­te é efê­me­ro. So­fre ação do tem­po e das pes­so­as, mas sua his­tó­ria é pe­re­ne. Co­me­çou no “pixo” mi­le­nar, que já ser­viu pa­ra xin­gar go­ver­nan­tes na Ro­ma an­ti­ga. Re­cen­te­men­te, ga­nhou sta­tus pa­ra ser apre­sen­ta­do em mu­seus. Em 2010, um gra­fi­te fei­to em São Le­o­pol­do por Mi­no, mor­to em 2006, foi ob­je­to de um pe­di­do de tom­ba­men­to. Nos mu­ros se es­cre­ve uma his­tó­ria que ain­da es­tá pa­ra ser in­ter­pre­ta­da.

| JOÃO MAT­TOS/ES­PE­CI­AL

No bair­ro Ci­da­de Bai­xa, tre­cho da via se tor­nou uma área que trans­bor­da co­res e de­se­nhos re­bus­ca­dos

| FOTOS: JOÃO MAT­TOS/ES­PE­CI­AL

Bair­ro Ci­da­de Bai­xa é re­che­a­do de pi­cha­ções, mas o gra­fi­te e ou­tros ti­pos de ar­te ur­ba­na es­tão vi­ran­do es­sa es­cri­ta pa­ra um tra­ço mais co­lo­ri­do e ale­gre, na co­la da acei­ta­ção mer­ca­do des­se mo­de­lo de ar­te pe­lo mer­ca­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.