Ata­ques nas re­des fe­cham ex­po­si­ção

Mos­tra so­bre di­ver­si­da­de e ques­tões de gê­ne­ro foi cri­ti­ca­da e museu de­ci­diu en­cer­rar a atra­ção

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Front Page -

Após ser cri­ti­ca­do nas re­des so­ci­ais, o San­tan­der Cul­tu­ral en­cer­rou on­tem a ex­po­si­ção “Qu­e­er­mu­seu - Car­to­gra­fi­as da Di­fe­ren­ça na Ar­te Bra­si­lei­ra”. A mos­tra, em car­taz des­de 15 de agos­to e que per­ma­ne­ce­ria até 8 de ou­tu­bro, vi­nha sen­do ata­ca­da nas re­des so­ci­ais. A ex­po­si­ção apre­sen­ta­va 273 obras com o ob­je­ti­vo de re­fle­tir so­bre ques­tões de gê­ne­ro e di­ver­si­da­de.

En­tre as pe­ças, a mos­tra tra­zia ima­gens de Je­sus Cris­to, co­mo tam­bém re­pre­sen­ta­ções da hós­tia com as ins­cri­ções “va­gi­na” e “lín­gua”. Foi o es­to­pim pa­ra a po­lê­mi­ca.

“[A ex­po­si­ção] é uma des­cul­pa pa­ra a de­fe­sa da di­ver­si­da­de. Na ver­da­de, é um ataque fron­tal às pes­so­as cris­tãs com uso de di­nhei­ro pú­bli­co”, afir­mou o de­pu­ta­do es­ta­du­al Mar­cel Van Hat­tem (PP). O po­lí­ti­co tam­bém adi­an­tou que pre­ten­de le­var o as­sun­to ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra res­sar­ci­men­to ao erá­rio, já que a ex­po­si­ção ha­via si­do vi­a­bi­li­za­da por meio da Lei Rou­a­net de In­cen­ti­vo à Cul­tu­ra.

Uma pe­ti­ção em re­pú­dio à ex­po­si­ção foi lan­ça­da no sá­ba­do na in­ter­net e, até o mo­men­to do fe­cha­men­to des­ta edi­ção, ti­nha al­can­ça­do mais de 26 mil as­si­na­tu­ras. A me­ta é de 50 mil.

“Eu não fui con­sul­ta­do em ne­nhum mo­men­to so­bre o fe­cha­men­to. Fi­quei sa­ben­do por um gru­po de WhatsApp. Foi uma de­ci­são uni­la­te­ral do San­tan­der”, dis­se o cu­ra­dor Gau­dên­cio Fidélis. Ele acre­di­ta que ape­nas qua­tro das mais de 200 obras ex­po­sas po­de­ri­am ser al­vo de contradição. “Tem pou­cas obras que tra­tam de se­xu­a­li­da­de e po­de­ri­am per­tur­bar”, afir­mou.

O cu­ra­dor atri­bui os ata­ques ao MBL (Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre), que clas­si­fi­cou o fim da ex­po­si­ção co­mo “vi­tó­ria da pres­são po­pu­lar”, no Fa­ce­bo­ok. “Eles vi­nham com câ­me­ras de vídeo e fa­zi­am agressões ver­bais. Eles cri­a­ram uma nar­ra­ti­va que é fal­sa. Nas re­de, vo­cê cons­trói uma nar­ra­ti­va pró­pria que não cor­res­pon­de à re­a­li­da­de”, opi­na Fidélis.

Ape­sar de não ter co­nhe­ci­men­to dos ata­ques pre­sen­ci­ais, a co­or­de­na­do­ra do MBL no Rio Gran­de do Sul, Pau­la Cas­sol, rei­te­rou a po­si­ção con­trá­ria do mo­vi­men­to à ex­po­si­ção.

Um dos ar­tis­tas ex­po­si­to-

“Eles [o MBL] cri­a­ram uma nar­ra­ti­va que é fal­sa. Eu con­si­de­ro is­so um ato de ab­so­lu­ta cen­su­ra.” GAU­DÊN­CIO FIDÉLIS, CU­RA­DOR “Nu­ma épo­ca de cri­se, é um es­cár­nio pa­ra a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra ver di­nhei­ro in­do pa­ra es­se li­xo.” PAU­LA CAS­SOL, CO­OR­DE­NA­DO­RA DO MBL-RS

res, San­dro Ka, co­men­tou que a co­mu­ni­da­de ar­tís­ti­ca es­tá “es­tar­re­ci­da com es­sa on­da con­ser­va­do­ra”. “Is­so é mui­to gra­ve por­que é um dis­cur­so que veio mui­to car­re­ga­do de ódio. Pe­ga­ram as­pec­tos mui­to iso­la­dos da ex­po­si­ção.”

Em no­ta, o San­tan­der Cul­tu­ral pe­diu “sin­ce­ras des­cul- pas a to­dos os que se sen­ti­ram ofen­di­dos por al­gu­ma obra que fa­zia par­te da mos­tra” e ava­li­ou que “al­gu­mas das obras da ex­po­si­ção des­res­pei­ta­vam sím­bo­los, cren­ças e pes­so­as”.

Or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais que lu­tam pe­los di­rei­tos da po­pu­la­ção LGBT con­vo­ca­ram um ato pú­bli­co con­tra ao fim da ex­po­si­ção que de­ve ser re­a­li­za­do amanhã, no Cen­tro His­tó­ri­co.

| JOÂO MATTOS/ES­PE­CI­AL

Even­to cul­tu­ral es­ta­va no San­tan­der

| FO­TOS: JOÃO MATTOS/ES­PE­CI­AL

Hós­ti­as com ins­cri­ções co­mo “lín­gua” e “bun­da” fo­ram usa­das co­mo exem­plo nas crí­ti­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.