Lo­ca­do­ras à es­pe­ra do úl­ti­mo ca­pí­tu­lo

Di­ver­si­fi­ca­ção. Pa­ra so­bre­vi­ver, as lo­jas agre­gam ou­tros ne­gó­ci­os, co­mo ca­fe­te­ri­as e ven­da de pro­du­tos de­ri­va­dos do ci­ne­ma, além de apos­tar em tí­tu­los ra­ros

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Front Page -

O açaí é a lem­bran­ça de uma ca­fe­te­ria que o co­mer­ci­an­te Pau­lo Ro­ber­to Pa­ra­nhos de Sou­za, 55 anos, mon­tou em pa­ra­le­lo a sua lo­ca­do­ra de ví­de­os, há dois anos, pa­ra en­fren­tar a cri­se econô­mi­ca. A ca­fe­te­ria, po­rém, “não deu mui­to cer­to”, e Pau­lo re­sol­veu fi­car ape­nas com o ne­gó­cio original. Do es­ta­be­le­ci­men­to fe­cha­do, res­tou o açaí, aR$ 5, que ainda ven­de à be­ça em meio aos DVDs.

A Cia. do Vídeo é uma en­tre as 375 lo­ca­do­ras com al­va­rá ati­vo na Pre­fei­tu­ra de Por­to Ale­gre. En­tre­tan­to, o nú­me­ro atu­al de­ve ser me­nor por­que mui­tas dei­xa­ram o ra­mo ou não atu­a­li­za­ram sua si­tu­a­ção ca­das­tral, se­gun­do a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal do De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co. Já o pro­pri­e­tá­rio da E o Vídeo Le­vou – no­me ins­pi­ra­do no clás­si­co “E O Ven­to Le­vou...”, de 1939, Alvaro Ber­ta­ni, 52, chu­ta que o to­tal de es­ta­be­le­ci­men­tos não pas­se de cem na ci­da­de.

O mer­ca­do das vi­de­o­lo­ca­do­ras não é mais o mes­mo. Pau­lo lem­bra com sau­da­de dos tem­pos de ou­ro: há cer­ca de dez anos, che­ga­va a lo­car 400 DVDs por dia. Ho­je, não pas­sam de 30, diá­ria de R$ 5 a R$ 8. Há 21 anos no mes­mo pon­to – na es­qui­na da ave­ni­da Lou­rei­ro da Sil­va com a rua Li­ma e Sil­va –, Pau­lo pas­sou a con­ci­li­ar a ven­da de açaí com a lo­ca­ção pa­ra fe­char as con­tas e “ter um lu­cri­nho”.

Co­me­çou tam­bém a ven­der par­te do acer­vo – com­pos­to por cer­ca de 10 mil DVDs e blu-rays – pe­la in­ter­net. “Me ba­seio pe­lo Mer­ca­do Li­vre [si­te de ven­das on-li­ne], e ven­do mais ou me­nos pe­la me­ta­de”, diz. Os pre­ços na in­ter­net al­can­çam R$ 50. Os mais ba­ra­tos, ge­ral­men­te fil­mes block­bus­ter, cus­tam R$ 5. O co­mer­ci­an­te suspeita que de­mo­rou pa­ra en­trar nos ne­gó­ci­os on-li­ne. “Eu per­di tem­po e não ven­di no co­me­ço.” Cin­co anos atrás, pa­ga­va-se mais.

O per­fil dos cli­en­tes re­ma­nes­cen­tes va­ria: vai de ido­sos a es­tu­dan­tes. Es­tes pro­cu­ram adap­ta­ções de obras li­te­rá­ri­as, se­gun­do Pau­lo. “Dá pa­ra per­ce­ber que eles já ti­ve­ram uma edu­ca­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca em ca­sa”, diz.

Al­guns fre­quen­ta­do­res ba­tem pon­to qua­se to­dos os di­as. “Eles pro­cu­ram coi­sas di­fe­ren­ci­a­das”, ob­ser­va. É o ca­so do apo­sen­ta­do Jo­sé Vi­cen­te Sal­va­mou­ra, 63, fã de ci­ne­ma eu­ro­peu. De­ten­tor de uma “lo­ca­do­ra pri­va­da” em sua re­si­dên­cia, o ci­né­fi­lo que­ria sa­ber se Pau­lo ti­nha o fil­me “As Bru­mas de Ava­lon”. O co­mer­ci­an­te achou o DVD após um mi­nu­to de bus­ca no acer­vo.

En­quan­to is­so, Sal­va­mou­ra de­mons­tra­va sau­da­de. “Eu fa­ço par­te da épo­ca em que o pessoal to­ma­va ba­nho pa­ra ir ao ci­ne­ma. A gen­te via Ing­mar Berg­man [ci­ne­as­ta su­e­co, au­tor de “Mo­ran­gos Sil­ves­tres”] e Mi­che­lan­ge­lo An­to­ni­o­ni [ci­ne­as­ta ita­li­a­no, di­re­tor de “Blow Up”].

Streaming ame­ri­ca­no

Se­ria a Net­flix a cau­sa da que­bra das lo­jas que alu­gam ví­de­os? “Net­flix é mo­da”, diz Pau­lo. Tan­to o do­no da lo­ca­do­ra quan­to o cli­en­te acu­sam o do­mí­nio da mul­ti­na­ci­o­nal ame­ri­ca­na que ope­ra via streaming. “Os jo­vens só es­tão ven­do en­la­ta­dos, que não mos­tram a cul­tu­ra da Amé­ri­ca La­ti­na”, ana­li­sa Pau­lo. Sal­va­mou­ra com­ple­ta, exal­ta­do: “Eu acho que é uma for­ma de im­pe­ri­a­lis­mo cul­tu­ral”.

Além dos DVDs, Pau­lo ven­de jo­gos de PlayS­ta­ti­on 3 e dis­cos de blu-ray, os pa­ti­nhos fei­os do acer­vo. “O blu-ray não deu cer­to, não pe­gou”, ana­li­sa. Di­an­te das ma­ze­las, o co­mer­ci­an­te acre­di­ta que po­de­rá en­cer­rar su­as ati­vi­da­des em bre­ve. “Es­tou tei­man­do [em con­ti­nu­ar], mas uma ho­ra vou ter que ce­der”, diz.

Em meio à con­ver­sa, du­as jo­vens che­ga­ram ao lo­cal. Es­ta­vam à pro­cu­ra não de fil­mes, mas de uma ti­ge­la de açaí pa­ra se re­fres­ca­rem na­que­la tar­de qu­en­te.

Fal­ta de pro­du­to

“O pro­ble­ma não é o cli­en­te, e sim a fal­ta de pro­du­to”, afir- ma Alvaro, do­no da E o Vídeo Le­vou há 28 anos, lo­ca­li­za­da no bair­ro Jar­dim Bo­tâ­ni­co e uma das mai­o­res do se­tor.

Alvaro diz que os cli­en­tes ainda pro­cu­ram tí­tu­los ra­ros, mas não con­se­guem en­con­trá-los por­que as dis­tri­bui­do­ras res­trin­gem ca­da vez mais seus lan­ça­men­tos. “Te­nho cli­en­te que quer pro­du­to no­vo e não vem. Vá­ri­as dis­tri­bui­do­ras fe­cha­ram ou lan­çam pou­cos fil­mes por mês”, sus­ten­ta.

A lo­ca­do­ra de Alvaro pos­sui em tor­no de 30 mil tí­tu­los. No au­ge, che­gou a alu­gar, por mês, 18 mil. “Com o [sur­gi­men­to do] DVD, te­ve um bo­om”, re­lem­bra. Ho­je, o nú­me­ro de lo­ca­ções men­sais não pas­sa de 4,5 mil. Os pre­ços das diá­ri­as va­ri­am en­tre R$7 e R$ 7,50.

Mes­mo se o cli­en­te fi­zer uma pro­pos­ta mui­to boa, Alvaro não ven­de fil­mes de acer­vo, já que não há re­po­si­ção pa­ra os dis­cos. “Qua­se tu­do é ra­ro. Quando se per­de al­go, não se en­con­tra mais”, diz.

Pa­ra dri­blar a cri­se e so­bre­vi­ver em um mer­ca­do que di­mi­nui, Alvaro apos­ta na lo­ca­ção de ga­mes e bo­xes de sé­ri­es, na ven­da de li­vros so­bre ci­ne­ma e de qua­dros que re­pro­du­zem car­ta­zes de fil­mes icô­ni­cos co­mo “Ta­xi Dri­ver” e “Apo­calyp­se Now”. Os ne­gó­ci­os on-li­ne são ou­tro ge­ra­dor de ren­da. “Ven­do fil­mes pa­ra to­do o Bra­sil”, diz.

A lo­ca­do­ra já te­ve uma fi­li­al, no bair­ro Pe­tró­po­lis, e che­gou a con­tar com 15 fun­ci­o­ná­ri­os. Ho­je são se­te, in­cluin­do o do­no.

Alvaro re­sis­te. En­quan­to a cla­que­te não si­na­li­zar a gra­va­ção da úl­ti­ma ce­na, sua lo­ca­do­ra per­ma­ne­ce­rá vi­va. Pa­ra alí­vio dos ci­né­fi­los.

| JOÃO MATTOS/ES­PE­CI­AL

E o Vídeo Le­vou é um dos úl­ti­mos es­ta­be­le­ci­men­tos em Por­to Ale­gre na re­sis­tên­cia con­tra o avan­ço dos fil­mes por streaming e da TV por as­si­na­tu­ra

FO­TOS: JOÃO MATTOS/ES­PE­CI­AL

Alvaro re­ce­be pe­di­dos de cli­en­tes, mas as dis­tri­bui­do­ras não lan­çam o mes­mo vo­lu­me de fil­mes co­mo an­ti­ga­men­te

Pau­lo apos­ta nas ven­das on-li­ne pa­ra so­bre­vi­ver em um mer­ca­do ca­da vez me­nor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.