EXPLOSIVÍSSIMA TRIN­DA­DE

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Publimetro - RUBEM PENZ RUBEM.PENZ@METROJORNAL.COM.BR Rubem Penz é es­cri­tor, ba­te­ris­ta, ori­en­ta­dor da ofi­ci­na li­te­rá­ria San­ta Se­de e au­tor do li­vro “Gre­ve de Se­xo” (Ed. Bu­qui). Sai­ba mais em www.ru­bem­penz.net

Quem co­nhe­ce um pou­qui­nho da te­o­ria do fo­go sa­be que é pre­ci­so três ele­men­tos pa­ra que ele acon­te­ça: com­bus­tí­vel, com­bu­ren­te e ca­lor. Com­bus­tí­vel não nos fal­ta: lí­qui­do ou só­li­do, é o ma­te­ri­al res­pon­sá­vel pe­la dis­se­mi­na­ção das cha­mas. Pa­pel, ma­dei­ra, plás­ti­co, ga­so­li­na, ál­co­ol... Com­bu­ren­te, bas­ta co­nhe­cer­mos um: oxi­gê­nio. Ele de­ter­mi­na o fo­go – se pou­co, a cha­ma se­rá as­fi­xi­a­da e len­ta. Quan­do bas­tan­te, rá­pi­da ou mes­mo ex­plo­si­va. Por fim, o ca­lor é dis­pa­ra­dor e ga­ran­ti­dor do ci­clo. Po­de vir de uma faís­ca elé­tri­ca, de ou­tra cha­ma, do atri­to. Com com­bus­tí­vel, oxi­gê­nio e ca­lor, te­mos o iní­cio de um in­cên­dio. Por exem­plo:

Re­li­gião – óti­mo com­bus­tí­vel. Se­ja qual for o cre­do, se­ja qual for a épo­ca, quan­do te­mos pre­cei­tos re­li­gi­o­sos en­vol­vi­dos te­re­mos, tam­bém, um ma­te­ri­al mui­to in­cen­diá­rio. Ex­pe­ri­men­te me­xer com o ju­daís­mo, com o cris­ti­a­nis­mo, com o hin­duís­mo. Ex­pe­ri­men­te me­xer com o Is­lã. A fé es­pa­lha-se co­mo pa­lha se­ca e, quan­do ace­sa, des­trói tu­do o que vi­er pe­la fren­te. Na his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de en­con­tra­mos mo­men­tos de ca­tás­tro­fe em no­me de deu­ses.

Se­xo – a se­me­lhan­ça do oxi­gê­nio, ele é vi­da. Ele­men­to da na­tu­re­za, é in­trín­se­co, vis­ce­ral. Po­de ser ín­ti­mo, con­ti­do, do­tan­do as cha­mas de do­ce bran­du­ra. Quan­do de­vas­so e li­ber­tá­rio, sua ex­plo­são fere e dei­xa mar­cas. Não po­de ser coin­ci­dên­cia es­tar o in­fer­no em cha­mas e ser ele o des­ti­no pro­me­ti­do aos pro­mís­cu­os. Se­xo ali­men­ta o fo­go ca­paz de in­qui­e­tar a to­dos e, por is­so, vi­ra al­vo de se­ve­ro con­tro­le. O dra­ma é de­pen­der­mos de­le co­mo o ar que se res­pi­ra.

Ex­po­si­ção – eis nos­so ca­lor. Dei­xe o seio a mos­tra, uma fen­da na saia. Des­cu­bra o pê­nis. Use pa­la­vras de du­plo sen­ti­do, fa­ça ges­tos eró­ti­cos, po­nha as mãos em seu cor­po, no cor­po alheio. O ru­bor se­rá ime­di­a­to pois, on­de há se­xo re­ve­la­do, a fa­ce quei­ma. Ago­ra, ex­pe­ri­men­te o atri­to que é ex­por num só tem­po e es­pa­ço se­xo e re­li­gião. Mais do que se­xo: ele em for­ma pro­po­si­tal­men­te cho­can­te. Sim, fa­ça a ar­te: es­cre­va “cu” em uma hós­tia. É es­te o qua­dro do mo­men­to.

Quem co­nhe­ce mi­nha his­tó­ria sa­be que sou con­tra a cen­su­ra (di­fe­ren­te de clas­si­fi­ca­ção). Ca­tó­li­co, já ban­quei a li­ber­da­de de ex­pres­são ao de­fen­der – e pu­bli­car – um tex­to li­bi­di­no­so e ar­den­te em for­ma de pre­ce. Cons­ci­en­te e tran­qui­lo, si­go fi­el a esta di­re­triz. Ago­ra, não se­ja­mos in­gê­nu­os: quem se sur­pre­en­de com as con­sequên­ci­as de “Qu­e­er­Mu­seu” no San­tan­der, na­da sa­be da te­o­ria do fo­go. Cen­su­ra, ho­je, é a mais efi­ci­en­te ex­po­si­ção. Is­to é, um dos seus três ele­men­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.