Co­mér­cio da or­la se­rá li­ci­ta­do mês que vem

Re­vi­ta­li­za­ção. Pre­fei­tu­ra se reú­ne ho­je pa­ra de­fi­nir de­ta­lhes do pro­ces­so de con­ces­são dos qua­tro ba­res e de um res­tau­ran­te, ho­rá­ri­os de aber­tu­ra e re­gras de fun­ci­o­na­men­to. Destino dos am­bu­lan­tes que atu­a­vam no lo­cal an­tes do iní­cio das obras ain­da é in­có

Metro Brazil (Porto Alegre) - - Front Page - AN­DRÉ MAGS ME­TRO POR­TO ALE­GRE

A Pre­fei­tu­ra de Por­to Ale­gre cor­re contra o tem­po pa­ra lan­çar a li­ci­ta­ção dos es­pa­ços co­mer­ci­ais da or­la do Gu­aí­ba re­vi­ta­li­za­da. São qua­tro ba­res e o res­tau­ran­te Qua­se Meia-Noi­te. A pre­vi­são do se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal da Fa­zen­da, Le­o­nar­do Bu­sat­to, é de que a li­ci­ta­ção se­ja lan­ça­da no iní­cio de ou­tu­bro.

A pre­o­cu­pa­ção do se­cre­tá­rio é que a obra fi­que pron­ta no mês que vem e a se­guir a área fi­que um lon­go pe­río­do sem ocu­pa­ção dos es­ta­be­le­ci­men­tos. Fur­tos e van­da­lis­mo se­ri­am os prin­ci­pais ris­cos, mas o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Par­ce­ri­as Es­tra­té­gi­cas, Bru­no Va­nuz­zi, acre­di­ta que a Guar­da Mu­ni­ci­pal im­pe­di­rá a de­pre­da­ção do lo­cal. “Vai ter um pos­to da Guar­da den­tro da or­la, vai ter gen­te da Guar­da per­ma­nen­te­men­te ali, e câ­me­ras de se­gu­ran­ça. Es­sa pre­o­cu­pa­ção com o van­da­lis­mo exis­te, mas es­se es­pa­ço não vai fi­car fe­cha­do, não”, diz.

Uma reu­nião, ho­je, de­ve­rá de­fi­nir os de­ta­lhes da li­ci­ta­ção. Há di­ver­sos pon­tos em de­ba­te. Um de­les é o horário de fe­cha­men­to dos es­ta­be­le­ci­men­tos. “A prin­cí­pio, co­mo os de­mais ba­res de Por­to Ale­gre, eles fi­ca­ri­am aber­tos até meia-noi­te”, afir­ma Va­nuz­zi. O cer­to é que ven­ce­rá a con­cor­rên­cia de ca­da es­pa­ço quem ofe­re­cer o mai­or va­lor a ser pa­go à pre­fei­tu­ra. Tam­bém de­ve­rá ser im­pe­di­do que um mes­mo ad­mi­nis­tra­dor fi­que com mais de um es­ta­be­le­ci­men­to. Ou­tras nor­mas que se­rão dis­cu­ti­das se re­fe­rem à per­mis­são ou não pa­ra os es- ta­be­le­ci­men­tos dei­xa­rem me­sas na rua e a pu­bli­ci­da­de nes­ses mes­mos móveis.

Va­nuz­zi ga­ran­tiu que a or­la não te­rá um ca­rá­ter mais po­pu­lar nem eli­tis­ta. “É pa­ra to­dos os ci­da­dãos de Por­to Ale­gre.” Os pre­ços, po­rém, de­ve­rão ser es­ti­pu­la­dos pe­lo mer­ca­do. O se­cre­tá­rio ad­mi­te que o con­su­mo po­de­rá sair mais ca­ro, es­pe­ci­al­men­te no res­tau­ran­te, de­vi­do a al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas do lo­cal: se­rá um es­ta­be­le­ci­men­to pe­que­no, com di­fi­cul­da­de de aces­so de for­ne­ce­do­res e de­ve­rá co­brir cus­tos co­mo os va­lo­res de­vi­dos à pre­fei­tu­ra, de­fi­ni­dos em li­ci­ta­ção. “Vai aca­bar sen­do um res­tau­ran­te di­fe­ren­ci­a­do, a não ser que ha­ja al­gum ti­po de sub­sí­dio, mas não é es­sa a ideia”, con­si­de­ra.

Am­bu­lan­tes

O pro­je­to co­mer­ci­al da or­la pre­vê a pre­sen­ça de am­bu­lan­tes. Co­mo eles se­rão se­le­ci­o­na­dos, no en­tan­to, ain­da é uma in­cóg­ni­ta.

En­quan­to is­so, os am­bu­lan­tes que tra­ba­lha­vam na re­gião da Usi­na do Gasô­me­tro, ho­je fe­cha­da pa­ra as obras, con­ti­nu­am amar­gan­do pre­juí­zos jun­to ao An­fi­te­a­tro Pôr do Sol. “Nin­guém da pre­fei­tu­ra fa­la co­nos­co. A gen­te não sa­be de na­da. Aqui es­tá fra­co o mo­vi­men­to, tem gen­te es­pe­ran­do pa­ra vol­tar pa­ra lá”, ar­gu­men­ta a pre­si­den­te As­so­ci­a­ção dos Am­bu­lan­tes da Or­la do Gasô­me­tro, Sô­nia Wel­ter Ávi­la.

| GIL­BER­TO SIMON/POR­TO IMA­GEM

Es­pa­ços co­mer­ci­ais es­tão sen­do fi­na­li­za­dos jun­to com a re­pa­gi­na­ção das mar­gens do Gu­aí­ba, área que tem pre­vi­são de ser li­be­ra­da ao pú­bli­co em ou­tu­bro

| FO­TOS: GIL­BER­TO SIMON/POR­TO IMA­GEM

Qua­tro es­pa­ços pa­ra ba­res es­tão sen­do fi­na­li­za­dos na obra de re­vi­ta­li­za­ção à bei­ra do Gu­aí­ba

Se­tor on­de fi­ca­rá atra­ca­dou­ro, jun­to à Usi­na do Gasô­me­tro, es­tá pra­ti­ca­men­te pronto

Res­tau­ran­te Qua­se Meia-Noi­te: ten­dên­cia de pre­ços al­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.