MAR­CEL STÜR­MER

O pa­ti­na­dor nas­ci­do em La­je­a­do- RS é um dos com­pe­ti­do­res do ‘Exath­lon Bra­sil’, que co­me­ça ho­je na Band. Pa­ra ven­cer o de­sa­fio, ele bus­ca for­ças em sua ori­gem: ‘Sou gaú­cho. Sou do Rio Gran­de do Sul e te­nho mui­to or­gu­lho dis­so’

Metro Brazil (Porto Alegre) - - { Cultura} -

‘VOU PRECISAR DO APOIO DOS GAÚCHOS’

Qual a ex­pec­ta­ti­va pa­ra o pro­gra­ma, que é um pou­co di­fe­ren­te do que já foi fei­to na TV bra­si­lei­ra?

Dá pa­ra es­pe­rar uma bri­ga mui­to acir­ra­da. São atle­tas que com­pe­tem des­de cri­an­ça, que dis­pu­ta­ram cam­pe­o­na­tos pa­na­me­ri­ca­nos, Olim­pía­das, cam­pe­o­na­tos mun­di­ais. Mui­to mais que ter o pre­pa­ro fí­si­co, tem que ter o pre­pa­ro emo­ci­o­nal pa­ra uma dis­pu­ta as­sim. Se­rá in­te­res­san­te ver es­sa mes­cla de es­por­tes di­fe­ren­tes com­pe­tin­do um con­tra o ou­tro. Vou precisar do apoio dos gaúchos.

Tem co­mo se pre­pa­rar pa­ra o pro­gra­ma?

Qu­an­do fe­chei o con­tra­to, me per­gun­tei co­mo eu iria me pre­pa­rar. Não adi­an­ta trei­nar o meu es­por­te, pre­ci­sa­va ser um trei­no fí­si­co. En­tão eu ti­nha du­as op­ções: ou fo­car no que ima­gi­no que po­de ser fei­to no pro­gra­ma, imi­tan­do al­gum cir­cui­to da­que­les, ou pre­pa­rar o meu fí­si­co co­mo eu fa­zia pa­ra os meus cam­pe­o­na­tos. Op­tei por fa­zer um mix dos dois. Pre­pa­rei mais per­nas e ab­do­me e ad­qui­ri uma resistência mai­or.

As pro­vas ge­ral­men­te não são só fí­si­cas, mui­tas ve­zes têm uma par­te tá­ti­ca im­por­tan­te.

Sim. Pa­re­ce que se­rá uma mis­tu­ra dis­so, de in­te­li­gên­cia, for­ça fí­si­ca, in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal.

A sua mo­da­li­da­de, a pa­ti­na­ção, po­de lhe aju­dar co­mo? Em que ti­po de pro­va vo­cê po­de se sair me­lhor?

Pa­ti­na­ção é um es­por­te in­di­vi­du­al, en­tão sem­pre ti­ve que atin­gir um ní­vel de con­cen­tra­ção mui­to al­to. Nas pro­vas em que eu es­ti­ver so­zi­nho, vou me en­con­trar nes­sa con­cen­tra­ção. Nas pro­vas em equi­pe, ape­sar de ser um es­por­te in­di­vi­du­al, sem­pre pre­ci­sei de mui­ta gen­te pa­ra me pre­pa­rar. En­tão, se apren­de a tra­ba­lhar em equi­pe. Tu­do tem que es­tar an­dan­do bem pa­ra se sair bem. Meu es­por­te tam­bém re­quer mui­to equi­lí­brio. Is­so po­de me aju­dar bas­tan­te.

Sa­be al­go so­bre a equi­pe dos anô­ni­mos?

Vi ví­de­os. É um equi­pe mui­to for­te. Só não são fa­mo­sos. São me­ga­pre­pa­ra­dos. Es­sa vai ser a gran­de ques­tão, sa­ber se va­mos ga­nhar de­les, por­que a mai­o­ria dos atle­tas que es­tão in­do já pa­rou de com­pe­tir. Se­rá uma bri­ga bem du­ra.

O que achou da sua equi­pe, com gran­des no­mes do es­por­te na­ci­o­nal?

Pa­ra mim, foi um dos mai­o­res fa­to­res de con­ven­ci­men­to pa­ra fa­zer o pro­gra­ma, sa­ber que co­le­gas meus de pro­fis­são que res­pei­to tan­to vão es­tar lá. Pas­sa a não ser al­go tão lon­ge da re­a­li­da­de.

Já fi­cou tan­to tempo as­sim iso­la­do?

Is­so mu­da mui­to do que era a mi­nha ro­ti­na de com­pe­ti­ção. To­do o so­fri­men­to da pré-com­pe­ti­ção. Pa­ra mim sem­pre foi mais di­fí­cil a an­te­ci­pa­ção do que o mo­men­to. En­tão, eu me pre­pa­ra­va pa­ra al­go que du­ra­va cin­co di­as. Ago­ra, não. Dá tempo pa­ra gos­tar, não gos­tar, en­jo­ar, não que­rer mais, fa­zer as pa­zes (ri­sos).

DANILO VERPA/FOLHAPRESS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.