Na li­nha de fren­te

Em ‘Tre­ze Me­ses Den­tro da TV’, Adriano Sil­va con­ta co­mo foi do céu ao in­fer­no à fren­te do ‘Fan­tás­ti­co’, da Re­de Glo­bo

Metro Brazil (Porto Alegre) - - { Cultura} - LUIZ RIVOIRO

Adriano Sil­va é um ca­ra sin­ce­ro. Até de­mais, di­rão al­guns co­le­gas jor­na­lis­tas após a lei­tu­ra des­te “Tre­ze Me­ses Den­tro da TV” (ed. Roc­co), li­vro no qual re­la­ta seus 400 di­as co­mo che­fe de Re­da­ção do pro­gra­ma “Fan­tás­ti­co”, da Re­de Glo­bo.

Nas 256 pá­gi­nas es­cri­tas de for­ma ágil e di­re­ta, Adriano fo­ge dos ro­dei­os e as­su­me er­ros e ati­tu­des im­pen­sá­veis pa­ra um pro­fis­si­o­nal com a sua ex­pe­ri­ên­cia no jor­na­lis­mo. Fa­la em des­lum­bra­men­to, ig­no­rân­cia, in­com­pe­tên­cia. E, ao as­su­mir de pei­to aber­to seus equí­vo­cos, en­tre­ga ao lei­tor um ex­ce­len­te ma­nu­al de so­bre­vi­vên­cia no mun­do cor­po­ra­ti­vo, que ex­tra­po­la as ja­ne­las da emis­so­ra ca­ri­o­ca.

Tu­do co­me­ça em 2006, qu­an­do Adriano, en­tão pres­ti­gi­a­do den­tro da edi­to­ra Abril de­pois de ter re­vo­lu­ci­o­na­do a uni­da­de Jo­vem ao re­for­mu­lar a re­vis­ta “Su­pe­rin­te­res­san­te”, se viu al­ça­do a uma po­si­ção bu­ro­crá­ti­ca, que pou­co ti­nha a ver com o fa­zer jor­na­lís­ti­co. In­co­mo­da­do, viu e agar­rou uma opor­tu­ni­da­de de mi­grar pa­ra uma no­va área, a te­le­vi­são. As coi­sas tal­vez te­nham an­da­do rá­pi­do de­mais, mas o fa­to é que, não mui­to tempo de­pois, já era apre­sen­ta­do co­mo che­fe de Re­da­ção do “Fan­tás­ti­co” no Rio. Ti­nha ago­ra um no­vo mun­do a “re­vo­lu­ci­o­nar”. Es­ta­va no “to­po”, ad­mi­te. E ado­ran­do.

A par­tir daí, o que nar­ra Adriano é uma sequên­cia de even­tos que acom­pa­nha­mos co­mo uma no­ve­la glo­bal. Sua che­ga­da a uma ter­ra es­tra­nha e o con­se­quen­te cho­que cul­tu­ral, os des­li­zes so­ci­ais, o des­co­nhe­ci­men­to dos bas­ti­do­res do po­der, a fal­ta de ade­qua­ção às en­gre­na­gens da no­va em­pre­sa, es­tra­té­gi­as equi­vo­ca­das, so­nhos des­fei­tos. Em pou­co mais de um ano, foi do céu ao in­fer­no. E vol­tou pa­ra con­tar.

Sua nar­ra­ti­va in­clui per­so­na­gens que, em­bo­ra des­co­nhe­ci­dos do pú­bli­co, há anos con­du­zem o jor­na­lis­mo da Glo­bo. A ca­da ca­pí­tu­lo, Adriano con­ta sua his­tó­ria e a con­tex­tu­a­li­za, do­cu­men­tan­do a mo­vi­men­ta­ção nos bas­ti­do­res da emis­so­ra. Sem um fi­nal fe­liz, es­se “sin­ce­ri­cí­dio” en­tre­ga ao lei­tor o re­la­to de uma ri­ca ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al, bem co­mo uma sé­rie de li­ções so­bre o que não fa­zer qu­an­do in­gres­sar na cha­ma­da “em­pre­sa dos so­nhos”.

| DIVULGAÇÃO

Adriano fi­cou 400 di­as à fren­te do ‘Fan­tás­ti­co’

“TRE­ZE ME­SES DEN­TRO DA TV” ADRIANO SIL­VA ED. ROC­CO 256 PÁGS. R$ 35

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.