DJA­VAN

Metro Brazil (Rio) - - FRONT PAGE -

EN­CER­RA TUR­NÊ NACIONAL NA FUN­DI­ÇÃO AMA­NHÃ

Após per­cor­rer mais de 40 ci­da­des tan­to do Bra­sil qu­an­to do ex­te­ri­or, a tur­nê do 23o ál­bum de Dja­van se en­cer­ra no Rio, on­de ele se apre­sen­ta ho­je, na Fun­di­ção Pro­gres­so, na La­pa. O show traz re­per­tó­rio com clás­si­cos do ar­tis­ta e su­ces­sos do seu mais re­cen­te ál­bum, “Vi­das pa­ra Con­tar”. O dis­co brin­ca com o pop e pas­sa pe­lo xo­te e ou­tros gê­ne­ros. Ao Me­tro Jor­nal, Dja­van ex­pli­ca que uma das me­lho­res ca­rac­te­rís­ti­cas de seu tra­ba­lho é, jus­ta­men­te, pas­sar por vá­ri­os gê­ne­ros e ten­dên­ci­as.

Es­te é o 23o ál­bum da sua car­rei­ra. Com tan­tos anos de ex­pe­ri­ên­cia, de on­de ti­ra sua ins­pi­ra­ção ho­je em dia?

Vem da mi­nha vi­da, de tu­do que ob­ser­vo e acu­mu­lo de in­for­ma­ções e ex­pe­ri­ên­ci­as, ca­da vi­a­gem e pes­soa nova que co­nhe­ço. A re­no­va­ção do tra­ba­lho de­ve-se ao fo­co cen­tral, que é a busca pe­la di­ver­si­da­de, pe­la no­vi­da­de. E qu­em tra­ba­lha com di­ver­si­da­de se ex­põe ao er­ro, ao ris­co a ca­da mi­nu­to. Is­so é ins­ti­gan­te e mo­ti­va­dor pa­ra mim. Vo­cê no­tou trans­for­ma­ções no seu pú­bli­co nos úl­ti­mos anos? O meu pú­bli­co sem­pre foi mui­to he­te­ro­gê­neo. Sem­pre reu­ni pes­so­as de to­dos os cre­dos, ra­ças e clas­ses so­ci­ais. Is­so me en­can­ta. É bom sa­ber que des­per­to o in­te­res­se de uma pes­soa de 60 anos e de um garoto de 12 anos ao mes­mo tem­po. Is­so con­ti­nua ocor­ren­do. Ob­ser­vo em to­do lu­gar que eu vou. É al­go que me agra­da mui­to e eu acho que vem do fa­to da mi­nha mú­si­ca ser di­ver­si­fi­ca­da. Meu tra­ba­lho pas­sa por to­dos os gê­ne­ros e ten­dên­ci­as.

Co­mo se re­la­ci­o­na com ser­vi­ços de stre­a­ming?

Eu, ou­tros ar­tis­tas e mi­nha equi­pe te­mos ten­ta­do tra­zer um en­ten­di­men­to mai­or pa­ra que con­si­ga­mos al­can­çar um ide­al pa- O ar­tis­ta en­cer­ra ama­nhã, na Fun­di­ção Pro­gres­so, a tur­nê do 23o ál­bum de sua car­rei­ra, ‘Vi­das pa­ra Con­tar’. Ele con­ver­sa com o Me­tro Jor­nal so­bre a im­por­tân­cia de seu tra­ba­lho ra se tra­ba­lhar nes­ses no­vos tem­pos. Ain­da não exis­te uma pla­ta­for­ma ca­paz de ser jus­ta com com­po­si­to­res e au­to­res. To­dos que­rem pas­sar a per­na nos au­to­res, nin­guém quer pa­gar di­rei­to au­to­ral, e não dá pa­ra con­ti­nu­ar des­se jei­to. Pa­ra gra­var um dis­co se gas­ta uma for­tu­na, e é pre­ci­so que ha­ja es­se re­tor­no pa­ra o au­tor. Mas ain­da não sa­be­mos, de mo­do ge­ral, no que vai dar to­da es­sa busca.

Qual o ti­po de mu­si­ca que mais gos­ta de es­cu­tar?

Eu me ha­bi­tu­ei des­de a mi­nha for­ma­ção – e por is­so acre­di­to que mi­nha mú­si­ca é eclé­ti­ca – a ou­vir de tu­do. Tu­do me in­te­res­sa, ab­so­lu­ta­men­te. Que­ro sa­ber a di­fe­ren­ci­a­ção, on­de es­tá o “be­at” cen­tral de ca­da mú­si­ca que ou­ço. Tu­do is­so sem­pre foi uma gran­de cu­ri­o­si­da­de na mi­nha vi­da e for­ma­ção. Te­nho es­se pra­zer de ou­vir to­do ti­po de mú­si­ca. A pro­li­fe­ra­ção da for­ça de no­vas on­das [co­mo funk e pop] nun­ca me in­co­mo­dou, só me ins­ti­gou. Eu amo ver es­sas mu­dan­ças. Tem mui­ta coi­sa ruim no Bra­sil sur­gin­do, di­zem, mas tem mui­ta coi­sa boa tam­bém. Mas, na ver­da­de, qu­an­do es­tou de fé­ri­as, não que­ro ou­vir mu­si­ca. Que­ro re­al­men­te en­trar de fé­ri­as. Gos­to de fi­car com a fa­mí­lia e apro­vei­tar a na­tu­re­za.

Qual a im­por­tân­cia da sua mú­si­ca na vi­da das pes­so­as?

Ho­je, até pe­las mí­di­as so­ci­ais, os ar­tis­tas sa­bem qu­em são e on­de se si­tu­am no mun­do, por­que os fãs e as pes­so­as fa­lam dis­so. Mi­nha mú­si­ca aju­da as pes­so­as a vi­ver, elas se re­la­ci­o­nam com as le­tras, os ar­ran­jos, e me di­zem que a vi­da se­ria ain­da mais di­fí­cil sem a mú­si­ca. Com re­la­ção a mim, elo­gi­am o fa­to de eu con­se­guir re­ve­lar o que as pes­so­as sen­tem e gos­ta­ri­am de di­zer. Es­sas coi­sas que po­e­tas e ar­tis­tas fa­zem. To­cam a vi­da das pes­so­as pa­ra fren­te com be­le­za, dan­do to­ques so­bre coi­sas su­tis do co­ti­di­a­no. Tam­bém te­mos a chan­ce de di­zer al­go que re­fli­ta no dis­cer­ni­men­to po­lí­ti­co e so­ci­al da vi­da e da re­la­ção com ami­gos e fa­mí­lia. A mú­si­ca, as­sim co­mo li­vros e fil­mes, tem a fun­ção de aju­dar a vi­ver.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.