Go­ver­no re­duz me­ta de in­fla­ção pe­la 1a vez em 14 anos

Cen­tro da me­ta se­rá de 4,25% pa­ra 2019 e 4% pa­ra 2020, com to­le­rân­cia de 1,5 pon­to per­cen­tu­al pa­ra mais ou me­nos. Mo­vi­men­to pode aju­dar a tra­zer ju­ros me­no­res a lon­go pra­zo

Metro Brazil (Rio) - - ECONOMIA - Www.me­tro­jor­nal.com.br

O go­ver­no es­ta­be­le­ceu on­tem me­tas de in­fla­ção mais bai­xas pa­ra 2019 e 2020. O CMN (Con­se­lho Mo­ne­tá­rio Nacional) fi­xou pa­ra 2019 o cen­tro da me­ta de 4,25% pe­lo IPCA e, pa­ra 2020, de 4%, nos dois ca­sos com to­le­rân­cia de 1,5 pon­to per­cen­tu­al pa­ra mais ou me­nos.

Foi a pri­mei­ra mu­dan­ça no cen­tro da me­ta des­de ju­nho de 2003, qu­an­do foi fi­xa­da em 4,5% pa­ra 2005, mas com ban­da de 2,5 pon­tos per­cen­tu­ais. A to­le­rân­cia de 2 pon­tos pas­sou a va­ler pa­ra 2006 e caiu a 1,5 pon­to pa­ra 2017 e 2018.

“Com ex­pec­ta­ti­vas de in­fla­ção mais lon­gas an­co­ra­das em pa­ta­ma­res mais bai­xos, a eco­no­mia pode al­me­jar de for­ma sus­ten­tá­vel ju­ros de lon­go pra­zo mais bai­xos”, dis­se o pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral, Ilan Gold­fajn.

Se­gun­do Ilan, me­tas de in­fla­ção mais bai­xas po­dem ancorar ex­pec­ta­ti­vas pa­ra pe­río­dos mais lon­gos e, as­sim, a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria pode “fa­cil­men­te” aco­mo­dar cho­ques que ocor­rem no cur­to pra­zo.

Eco­no­mis­tas se­ma­nal­men­te con­sul­ta­dos pe­lo BC es­pe­ram al­ta do IPCA de 4,25% em 2019, 2020 e 2021. Pa­ra es­te ano e o pró­xi­mo, as pro­je­ções es­tão em 3,48% e 4,30%, res­pec­ti­va­men­te.

A bai­xa pa­ra 2019 já era es­pe­ra­da pe­lo mer­ca­do de­vi­do ao com­por­ta­men­to fa­vo­rá­vel da in­fla­ção e às ex­pec­ta­ti­vas abai­xo do cen­tro da me­ta pa­ra 2017 e 2018. A no­vi­da­de veio com a de­ci­são de es- ten­der o ho­ri­zon­te da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria a três anos, ao in­vés de dois anos, es­ta­be­le­cen­do um ob­je­ti­vo tam­bém pa­ra 2020.

“A fi­na­li­da­de da ex­ten­são des­te pra­zo é exa­ta­men­te por­que nós es­ta­mos gra­du­al­men­te ini­ci­an­do um pro­ces­so de con­ver­gên­cia pa­ra pa­drões in­ter­na­ci­o­nais, que ten­dem a ter ho­ri­zon­tes re­le­van­tes mais lon­gos do que o ado­ta­do pe­la po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria até ago­ra no Bra­sil”, afir­mou o mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les. O mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, dis­se on­tem que go­ver­no pode ele­var im­pos­tos pa­ra cum­prir me­ta fis­cal. Ele diz, no en­tan­to, que a de­ci­são ain­da não foi to­ma­da.

“Não va­mos dei­xar de cum­prir ob­je­ti­vos por uma re­sis­tên­cia teó­ri­ca ao au­men­to de im­pos­tos”, de­cla­rou o mi­nis­tro. Uma op­ção que es­tá em aná­li­se é ele­var a Ci­de so­bre com­bus­tí­veis.

Pa­ra 2017, a me­ta fis­cal é de rom­bo de até R$ 139 bi­lhões. Se­gun­do da­dos di­vul­ga­dos on­tem, o go­ver­no cen­tral re­gis­trou de­fi­cit de R$ 29,371 bi­lhões em maio, o pi­or pa­ra o mês des­de o iní­cio da sé­rie, em 1997, e acu­mu­la um re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo de R$ 167,6 bi­lhões em 12 me­ses.

Mei­rel­les ad­mi­te al­ta de im­pos­tos pa­ra cum­prir ob­je­ti­vo fis­cal

| UES­LEI MAR­CE­LI­NO/REUTERS

Mei­rel­les e Gold­fajn anun­ci­a­ram on­tem as me­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.