Me­do da vi­o­lên­cia mu­da os há­bi­tos dos ca­ri­o­cas

Avan­ço da cri­mi­na­li­da­de no Rio for­ça gran­de par­te da po­pu­la­ção a al­te­rar ro­ti­na, co­mo evi­tar sair à noi­te e nos fins de se­ma­na. Em Du­que de Ca­xi­as, mor­re ado­les­cen­te de 13 anos ba­le­a­do jun­to com o pai

Metro Brazil (Rio) - - FOCO -

De ja­nei­ro a ju­lho des­te ano, o Rio de Ja­nei­ro re­gis­trou 3,93 mil ho­mi­cí­di­os e qua­se 49 mil rou­bos de rua. Es­sa ro­ti­na de vi­o­lên­cia aca­bou mudando a ro­ti­na de mui­tos ca­ri­o­cas. É o ca­so, por exem­plo, da es­tu­dan­te Isa­be­la Ferreira, 21 anos. Ela nun­ca foi as­sal­ta­da, mas o me­do de que is­so acon­te­ça a acom­pa­nha sem­pre que sai de ca­sa. Ra­ra­men­te le­va bol­sa. O ce­lu­lar vai den­tro da rou­pa. Há um ano, ela dei­xou de sair aos fins de se­ma­na com os ami­gos. Os des­lo­ca­men­tos se re­su­mem pra­ti­ca­men­te ao tra­ba­lho e à fa­cul­da­de. E an­tes de sair de ca­sa con­fe­re no ce­lu­lar se tem al­gum ti­ro­teio no ca­mi­nho.

“Vo­cê es­tá sem­pre pre­o­cu­pa­do e pen­sa: ‘Vou ter­mi­nar is­so aqui rá­pi­do pa­ra não sair tar­de e não cor­rer o ris­co de sair na rua no es­cu­ro’”, re­la­ta.

Há qua­tro anos, a fa­mí­lia tro­cou a ca­sa, na zo­na nor­te, por um pré­dio com por­tei­ro 24 ho­ras, en­tra­das se- pa­ra­das pa­ra mo­ra­do­res e vi­si­tan­tes e por­tão com re­co­nhe­ci­men­to da di­gi­tal. Os aces­só­ri­os de se­gu­ran­ça se mul­ti­pli­cam: gra­des, câ­me­ras, cer­cas cor­tan­tes. Mas, nas ru­as, mui­tos ca­ri­o­cas se sen­tem vul­ne­rá­veis.

Mes­mo nos bair­ros on­de os as­sal­tos cres­cem de for­ma acen­tu­a­da, co­mo em Bo­ta­fo­go, na zo­na sul, ainda há al­gu­mas ilhas de tran­qui­li­da­de. Só que os mo­ra­do­res di­zem que, ho­je em dia, o sos­se­go de­les ter­mi­na no por­tão.

A pro­fes­so­ra Lú­cia Fran­ca mo­ra per­to da pri­mei­ra UPP (Uni­da­de de Po­lí­cia Pa­ci­fi­ca­do­ra), im­plan­ta­da em 2008. Mas, nos úl­ti­mos me­ses, os ti­ro­tei­os vol­ta­ram. “Acor­do no meio da noi­te as­sus­ta­da com o ba­ru­lho”, con­ta. Lú­cia diz que dei­xou de an­dar a pé no bair­ro. E os vi­zi­nhos tam­bém mu­da­ram os há­bi­tos.

“Não le­vo mais meus fi­lhos na pra­ci­nha aqui per­to, nem meu ca­chor­ro pa­ra pas- se­ar por­que te­nho me­do”, diz a ge­ren­te Da­ni­e­la Coimbra.

Pa­ra Elizabeth Sus­se­kind, ex-se­cre­tá­ria na­ci­o­nal de Jus­ti­ça e pro­fes­so­ra de cri­mi­no­lo­gia da UniRio, mes­mo sem en­trar nas es­ta­tís­ti­cas ofi­ci­ais, pes­so­as que res­trin­gem seus há­bi­tos tam­bém são ví­ti­mas da vi­o­lên­cia: “As pes­so­as são ví­ti­mas por­que sa­em me- nos. É o eter­no ris­co que pa­re­ce es­tar, e mui­tas ve­zes es­tá, de­pen­den­do da lo­ca­li­da­de e de vá­ri­as ou­tras ques­tões, à espreita das pes­so­as.”

Jo­vem de 13 anos mor­re

Mor­reu na tar­de de on­tem o ado­les­cen­te Caí­que Lu­cas Cor­rêa, 13 anos, ba­le­a­do jun­to com o pai, Gus­ta­vo da Sil­va Fi­guei­re­do, 34, em Sa­ra­cu­ru­na, Du­que de Ca­xi­as, na Bai­xa­da Flu­mi­nen­se. O ga­ro­to ti­nha si­do atin­gi­do na ca­be­ça após o car­ro da fa­mí­lia ter si­do al­ve­ja­do na ma­dru­ga­da de sá­ba­do. A Di­vi­são de Ho­mi­cí­di­os da Bai­xa­da ten­ta iden­ti­fi­car os res­pon­sá­veis pe­lo ataque, que tam­bém pro­vo­cou a mor­te do pai do jo­vem.

O ca­so acon­te­ceu no mes­mo mu­ni­cí­pio on­de, há me­nos de uma se­ma­na, o me­ni­no Re­nan San­tos Ma­ce­do, 8 anos, mor­reu de­pois de ser ba­le­a­do na ca­be­ça quando o pai ten­ta­va fu­gir de um ar­ras­tão.

| REPRODUÇÃO/ BAND

Itens de se­gu­ran­ça, co­mo gra­des e câ­me­ras, se mul­ti­pli­cam no Rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.