Es­pa­ços pa­ra co­chi­lo se es­pa­lham por São Pau­lo

Metro Brazil (Rio) - - BRASIL -

Pa­ra com­ba­ter os ma­les da noi­te mal dor­mi­da e ofe­re­cer uma pau­sa na cor­re­ria tí­pi­ca das gran­des ci­da­des, co­chi­ló­dro­mos al­ter­na­ti­vos co­me­çam a sur­gir em São Pau­lo. Que tal, por exem­plo, ti­rar uma soneca no mes­mo lo­cal on­de vo­cê al­mo­çou? Bem mais prá­ti­co, não? No res­tau­ran­te Bello Bello, em Pi­nhei­ros, na zo­na oes­te, é pos­sí­vel ti­rar um co­chi­lo sem pa­gar na­da a mais por is­so.

A pro­pri­e­tá­ria ex­pli­ca que o es­pa­ço foi cri­a­do por­que ela pró­pria sen­tia mui­ta fal­ta de um co­chi­lo à tar­de. Sa­le­te Ebo­ne vem de uma re­gião on­de a si­es­ta é tra­di­ção. “No Rio Gran­de do Sul, e es­pe­ci­al­men­te em Pas­so Fun­do, on­de eu mo­ra­va, após o al­mo­ço, to­do o co­mér­cio fe­cha.”

Ela con­ta que, ao as­su­mir o co­man­do do res­tau­ran­te, pri­mei­ro ins­ta­lou re­des, mas, em se­gui­da, cri­ou o es­pa­ço soneca, co­mo é cha­ma­do, que exis­te des­de 2002, com três ca­mas es­pe­ci­ais, de­sen­vol­vi­das es­pe­ci­al­men­te pa­ra re­la­xar em pou­cos mi­nu­tos, ga­ran­te Sa­le­te. Os cli­en­tes apro­va­ram. “Te­ve uma se­nho­ra que não que­ria ir em­bo­ra, aca­bou fi­can­do cin­co ho­ras, e te­ve uma ou­tra pes­soa que dor­miu tão pro­fun­da­men­te que aca­bou fi­can­do por lá após o res­tau­ran­te fe­char”, re­lem­bra a pro­pri­e­tá­ria. Mas ela ga­ran­te que es­se se­gun­do ca­so foi uma ex­ce­ção, to­dos es­ta­vam mui­to pre­o­cu­pa­dos com uma ci­rur­gia que ela fa­ria no dia e aca­ba­ram es­que­cen­do da cli­en­te.

“Pe­lo me­nos uma vez por se­ma­na dur­mo um pou­co de­pois de co­mer, e sem­pre me sin­to mais dis­pos­to”, afir­ma o pro­du­tor de even­tos, Caio Zuc­co­lot­to, 28 anos, cli­en­te as­sí­duo do res- tau­ran­te em Pi­nhei­ros.

Já em ou­tras re­giões da ci­da­de, sem res­tau­ran­tes ou co­chi­ló­dro­mos ofi­ci­ais, a so­lu­ção pa­ra mui­tos é im­pro­vi­sar. Os pu­fes da Li­vra­ria Cul­tu­ra, na ave­ni­da Pau­lis­ta, são dis­pu­ta­dos à tar­de. Fun­ci­o­ná­ri­os são ori­en­ta­dos a não acor­dar nin­guém, des­de que se­ja só uma soneca bre­ve, cla­ro.

E va­le até pu­xar um ron­co ao re­len­to mes­mo. É o ca­so, por exem­plo, do deck de ma­dei­ra em fren­te ao lar­go São Ben­to, no Cen­tro. Por lá, in­so­nes se re­ve­zam na soneca, sem me­do. Só não po­de cho­ver.

FO­TOS: AN­DRÉ POR­TO/ ME­TRO

Caio Zu­col­lot­to cur­te uma si­es­ta uma vez por se­ma­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.